Conceitos de crimes tentados consumados e suas características.

CONSUMAÇÃO E TENTATIVA

CONSUMAÇÃO ART 14, I, CP

 Consumação é quando o ato praticado pelo agente se enquadra perfeitamente no tipo penal. No texto do Art. 14, I, do CP, é quando se reúnem todos os elementos de sua definição legal

ITER CIRMINIS

 É o caminho do crime que se inicia quando nasce o pensamento criminoso na mente do agente até sua consumação.

a) Cogitação;

b) Atos preparatórios;

c) Execução;

d) Consumação.

COGITAÇÃO

 É o momento em que nasce o pensamento criminoso na mente do agente é a mera cogitação do agente em praticar um crime.

 A cogitação não é punível.

ATOS PREPARATÓRIOS

 É a continuação do ato anterior, aqui o agente já está a um passo a frente, pois é quando começa a preparar o ato criminoso principal. Em regra, os atos preparatórios também não são puníveis exceto quanto constituir crime autônomo.

 Ex: Pretendendo manter alguém em cárcere privado o agente compra a corda para amarrar a vítima e é abordado pela polícia na rua. Aqui o simples fato de comprar a corda e está transportando, não ha conduta punível.

 Ex: O agente pretendendo praticar um homicídio compra um revolver e é parado pela polícia na rua. Vejam aqui quanto ao crime de homicídio não há conduta punível, pois, a compra e transporte da arma é mero ato preparatória não punível, entretanto será responsabilizado pelo porte ilegal de arma de fogo.

EXECUÇÃO

 São atos praticados já com a finalidade de atingir o objetivo da atividade delituosa.

 No exemplo anterior o agente compra o revolver para cometer um homicídio isso é ato preparatório. Caso ele atire mesmo que seja apenas um disparo contra a vitima aqui passa-se a execução do crime.

CONSUMAÇÃO

 Trata-se do objetivo final da atividade delituosa, quando o agente atinge seu objetivo e a conduta se enquadra perfeitamente no tipo penal.

 No mesmo exemplo utilizado a cima o agente compra o revolver para cometer um homicídio isso é ato preparatório. Caso ele atire mesmo que seja apenas um disparo contra a vítima aqui passa-se a execução do crime, se a vítima vem a óbito, finalizado está o delito, o agente queria matar e a vítima morreu logo a conduta do agente se enquadra perfeitamente no tipo penal descrito no Art. 121, caput, CP, matar alguém. Aqui temos a consumação.

TENTATIVA

 Tentativa é a execução mal sucedida em decorrência de fatores alheios a vontade do agente.

 Na tentativa temos dois elementos obrigatórios que é o início da execução e a não consumação por circunstancias alheias a vontade do agente.

 Ex: O agente saca a arma da cintura e efetua um primeiro disparo quando vai efetuar o segundo visualiza uma viatura da polícia e evade, sendo a vítima socorrida e sobrevive. Vejam houve o início da execução que não se consumou pela chegada de uma viatura polícia, situação alheia a vontade do agente.

 Nesse caso o agente respondera por tentativa de homicídio.

 Tomem nota de que a tentativa, seja ela em qualquer crime, não constitui crime autônomo, nos termos do parágrafo único do Art. 14 do CP, pune-se a tentativa com a pena correspondente ao crime consumado, diminuída de um a dois terços. Tratando-se então, a tentativa como causa de diminuição da pena.

 Como sugestão leiam no link abaixo o artigo que escrevi sobre Desistência Voluntaria, Arrependimento Eficaz e Arrependimento Posterior, pois os temas se complementam:

https://jus.com.br/artigos/88307/desistencia-voluntaria-arrependimento-eficaz-e-arrependimento-posterior


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso