Poder Público não pode suspender alimentação escolar às crianças carentes durante a Pandemia do Covid-19

Poder Público não pode suspender alimentação escolar às crianças carentes durante a Pandemia do Covid-19

 

Por Carlos Eduardo Rios do Amaral

 

Proclama nossa Constituição Federal de 1988 que o dever de Estados e Municípios com a educação será efetivado, dentre outras obrigações, mediante a garantia de fornecimento de alimentação ao educando (Art. 208, VII). Trata-se, evidentemente, de disposição afinada com o princípio universal da dignidade da pessoa humana, fundamento da República Federativa do Brasil (Art. 1º, III).

 

A Convenção Internacional Sobre os Direitos da Criança das Nações Unidas, ratificada por 196 países, inclusive o Brasil em 1990 (Decreto 99.710/1990), determina que os seus Estados-signatários devem combater a desnutrição infantil, inclusive no contexto dos cuidados primários de saúde, mediante o fornecimento de alimentos nutritivos e de água limpa de boa qualidade (Art. 24).

 

Como não poderia deixar de ser, a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional preconiza que o direito à alimentação escolar e à educação alimentar e nutricional é direito sagrado de nossas crianças (Art. 4º, VIII).    

 

Posto isto, não há dúvidas de que todo o ordenamento jurídico brasileiro determina, assim, que Estados e Municípios são obrigados ao fornecimento contínuo e ininterrupto da alimentação escolar à criança carente mesmo durante a Pandemia do Covid-19. Não se trata de ato discricionário, favor ou marketing político do Agente Público, é obrigação legal deste promover a alimentação escolar infantil, sob pena de incorrer em ato de improbidade administrativa (deixar de praticar ato de ofício, Art. 11, II).

 

A eventual suspensão ou interrupção das aulas presenciais pelo Poder Público de nenhum modo afasta ou diminui sua responsabilidade pelo fornecimento da alimentação escolar, diária e nutritiva. Todos os Diplomas legislativos citados aqui deixam claro que a alimentação escolar é obrigação relacionada fundamentalmente à assistência à saúde e ao combate às doenças e à desnutrição. A suspensão ou interrupção das aulas presenciais, a par de acertada medida de enfrentamento à Pandemia do Covid-19, não elide a fome. E, para muitas crianças brasileiras, a dor da fome diária é implacável, cruel, não descansa. A escola é a única e última esperança desses pequenos famintos. A “tia” da cantina, o caldeirão industrial pronto para ser servido, é símbolo de vida e esperança dessas crianças pobres.

 

Desnecessário dizer da crise de desemprego e precarização do trabalho que castiga impiedosamente o país. Seja por conta da Pandemia do Covid-19, seja por conta de equivocadas políticas públicas de distribuição de renda e de enfrentamento da pobreza, o número de famílias brasileiras sem condições de obter recursos necessários para viver aumenta a cada dia. Nossa população de rua é a prova dos noves dessa realidade.

 

A fome leva crianças e adolescentes a um caminho maldito e desgraçado não só da desnutrição e dos riscos de doenças. A fome talvez seja a maior porta de entrada, o diabólico chamariz, da exploração sexual infantil e do tráfico de drogas e armas de fogo. O cafetão e o traficante sabem bem disso, o desespero facilita o aliciamento à prostituição e à venda de drogas até o prematuro cadafalso.

 

Certamente a morte de nossas crianças por fome não pode ser tornar política pública de enfrentamento da pobreza e da marginalização. Deixar alunos carentes sem ter o que comer, privados da alimentação escolar diária, desconstrói o ideal de uma sociedade livre, justa e solidária. Em última análise, revoga o princípio da prioridade absoluta, ainda insculpido na Lei Maior (Art. 227): “É dever da família, da sociedade e do Estado assegurar à criança, ao adolescente e ao jovem, com absoluta prioridade, o direito à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao lazer, à profissionalização, à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária, além de colocá-los a salvo de toda forma de negligência, discriminação, exploração, violência, crueldade e opressão”.

 

A fome não pode esperar.

 

__________________________ 

 

Carlos Eduardo Rios do Amaral é Defensor Público do Estado do Espírito Santo

 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso