o texto trata da Lei 14.193/2021, que institui a sociedade anônima do futebol.

Recentemente, 06 de agosto de 2021, foi sancionada a Lei 14.193, que institui a “sociedade anônima do futebol”, contendo enunciados acerca da constituição, governança, controle e transparência, bem como meios de financiamento da atividade futebolística, tratamento dos passivos e regime tributário específico. Houve alguns vetos acerca da renúncia fiscal e, em apertada síntese, a associação civil sem fins lucrativos passa a ser sociedade anônima de futebol. Sobre a recuperação judicial da entidade mergulhada em crise, o texto legal é deveras reduzido[1].

Como dito alhures, a transformação do modelo associativo para “clube-empresa” não é novidade, ao menos nos países mais adiantados, ou seja, um clube de futebol se pode transformar em “empresa”[2], sendo ultrapassada a ideia de associação, como vigorava no Brasil. Basta analisar como funciona o futebol europeu os as ligas esportivas norte-americanas para perceber quão atrasado estava o país.

Em decorrência da Lei 14.193/2021, em tese poderá ocorrer o fortalecimento econômico das entidades nacionais, com o aporte de recursos financeiros por parte de investidores. A constituição da sociedade anônima se pode dar via operação societária [transformação ou cisão] e iniciativa de pessoa natural ou jurídica ou de fundo de investimento. Em havendo operação, a sociedade sucede o clube ou a jurídica original nas relações com as entidades de administração, bem como em contratos de qualquer natureza, com atletas profissionais de futebol. Entrementes, não é responsável pelas obrigações anteriores ou posteriores à data da sua constituição, com exceção da atividade específica constante de seu objeto social.

A transferência de ativos para a nova sociedade independente de autorização ou mesmo do consentimento de credores ou interessados, a menos que disposto de forma contrária em contrato ou outro negócio jurídico[3] e nesse passo houve silêncio da lei quanto a alguns aspectos importantes. O acionista controlador não poderá participar, direta ou indiretamente, de outra entidade futebolística; os conselhos de administração e fiscal devem existir e funcionar permanentemente; os administradores respondem de forma pessoal e solidária pelas obrigações de repasses financeiros; o presidente do clube ou os sócios da jurídica original também respondem pessoal e solidariamente pelo pagamento aos credores dos valores transferidos à anônima. No que diz com o passivo (tributário, fiscal e outras], enquanto houver regular pagamento ficará vedada qualquer forma de constrição sobre o patrimônio ou receitas (penhora, bloqueio judicial), no tocante às anteriores obrigações à constituição da sociedade anônima.

Caso se opte pelo pagamento via concurso de credores, submeter-se-á o devedor ao regime centralizado de execuções (espécie de juízo universal, por assim dizer). A partir do art. 14 da lei esse regime é tratado, inclusive acerca da competência, requerimento e requisitos; prazo para a apresentação de plano de pagamento aos credores (60 dias) e documentação pertinente.

A lei, por si só, não recupera devedor em crise, mas há mérito no texto que ingressou no sistema jurídico pátrio, porquanto afasta o modelo associativo e possibilita a criação de sociedade anônima. Que referido texto legal tenha vida longa no país do futebol.


[1] Estabelece o texto legal que é possível requerer a recuperação judicial ou extrajudicial, nos termos da Lei 11.101/05. Quanto aos contratos bilaterais e os assinados com atletas profissionais vinculados ao clube ou pessoa jurídica original não se resolvem em decorrência do pleito de recuperação, podendo ser transferidos à anônima de futebol quando da sua constituição. O  clube ou a pessoa jurídica original deverá manter em seu sítio eletrônico a relação de seus credores, com atualização mensal.  A lei, no que diz com a recuperação empresarial é muito mais simples em relação ao constante do Projeto de Lei n. 5.082-A, da Câmara Federal. Poder-se-ia ter aproveitando o momento de crise sanitária para elaborar um texto quiçá mais consentâneo com a realidade.

[2] Sociedade anônima de futebol, aplicando-se de forma subsidiária a Lei 6.404/76.

[3] Nada estabelece acerca do valor dos ativos (Código Civil, arts. 1.117, §2º e 1.120, §2º; Lei 6.404/76, arts. 226, 227, §3º e 228, § 1º).


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso