Com o avanço da vacinação no Brasil, vem ganhando espaço a ideia da criação de um “passaporte da vacina”, similar ao que já existe em outros países do mundo.

Com o avanço da vacinação no Brasil, vem ganhando espaço a ideia da criação de um “passaporte da vacina”, similar ao que já existe em outros países do mundo.

À medida que a ideia vem sendo implementada, as discussões jurídicas ao seu redor também aumentam.

Recentemente criado no Rio de Janeiro, o passaporte da vacina vem sendo questionado na Justiça. O Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro deferiu liminar dizendo que o Município não poderia obrigar seus servidores e prestadores de serviços a se vacinar.

Na decisão, a Desa. Relatora Marilia Castro Neves Vieira entendeu que o Município não possui competência para legislar sobre esta matéria, a qual seria privativa da União.

Além disso, uma vez implementada a decisão, seria impossível voltar atrás, eis que a vacina já teria sido aplicada nos cidadão.

A decisão foi concedida em uma representação por inconstitucionalidade, mas também poderia ter sido em uma ação popular, que busca justamente a nulidade de atos por incompetência (Art. 2º alínea “a” da Lei nº. 4.717/65).

Mas o que é o “passaporte da vacina”?

Também chamado de “passaporte sanitário”, trata-se de um documento comprovando que a pessoa completou o esquema vacinal contra a COVID-19, com uma ou duas doses, a depender da vacina.

Este documento já é disponibilizado a todos os cidadão pelo aplicativo ConecteSus.

Mas a vacina é obrigatória?

A discussão ao redor do passaporte da vacina tem como pano de fundo a obrigação ou não de se vacinar.

Recentemente, a Itália impôs a obrigação da vacina para todos os trabalhadores, sendo que quem descumprir com a norma poderá ficar sem receber salários, pagar multa, e ser até demitido.

A França possui determinação semelhante, mas apenas para trabalhadores da saúde.

Esta discussão é bastante grande e ainda não há resposta correta, apenas com o aumento das demandas jurídicas conseguiremos chegar a um maior número de decisões e consolidar o posicionamento jurisprudencial..

O importante é irmos além da pauta política e analisar unicamente as questões jurídicas envolvidas.

Temos aqui um conflito de direitos evidente: o direito coletivo à saúde, o direito de ir e vir, e a inviolabilidade do indivíduo.

O Supremo Tribunal Federal definiu, ao ARE 1267879, que a vacinação compulsória contra a COVID-19 é constitucional.

Na decisão, salientou-se que embora seja assegurado o direito do indivíduo ao respeito às suas crenças religiosas ou filosóficas, o direito coletivo à saúde deve se sobrepor.



Informações sobre o texto

Contribuição com a Comunidade Jurídica

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso