O Tribunal de Justiça de São Paulo estabeleceu que o ingresso em seus prédios somente ocorrerá com a apresentação do comprovante de vacinação.

Após diversos países implementar o passaporte da vacina, começaram diversos movimentos internos no Brasil, começando pelo município do Rio de Janeiro, que obrigou seus servidores a vacinar, e exigiu dos visitantes de pontos turísticos, como o Cristo Redentor, a apresentar o certificado de vacinação.

A decisão do Rio de Janeiro foi questionada judicialmente, tendo o Tribunal de Justiça deferido o pedido de suspensão do ato, em decisão na qual entendeu o Município não possui competência para legislar sobre esta matéria, a qual seria privativa da União.

Agora, o assunto chega efetivamente ao Poder Judiciário, com o Tribunal de Justiça de São Paulo estabelecendo que o ingresso em seus prédios somente ocorrerá com a apresentação do comprovante de vacinação.

Já há demandas jurídicas para evitar a necessidade de tal exigência, no judiciário.

A Portaria nº. 9.998/2021 se ampara na decisão proferida pelo STF à ação direta de inconstitucionalidade nº. 6.586/DF.

Mas o que decidiu o STF sobre a vacinação?

A realidade é que a questão segue controversa ao STF.

Ao julgar o agravo em recurso especial ARE 1267879, o STF decidiu que a vacinação compulsória contra a COVID-19 é constitucional.

Na decisão, salientou-se que embora seja assegurado o direito do indivíduo ao respeito às suas crenças religiosas ou filosóficas, o direito coletivo à saúde deve se sobrepor.

No entanto, em outra decisão, na ação direta de inconstitucionalidade nº. 6.586/DF, o STF trouxe outra visão sobre o tema, entendendo que a proteção da coletividade não pode preponderar sobre o direito à intangibilidade do corpo humano, seu direito à vida, à segurança e à intimidade.

No julgamento, o STF consignou que a compulsoriedade da imunização pode ser alcançada por restrições indiretas, como na circulação pública e no acesso a logradouros.

Assim, a vacinação não é compulsória, mas quem se recusar pode sofrer restrições impostas pelas autoridades públicas.

O que diz a Portaria nº. 9.998/2021 do TJSP?

Amparada na decisão do STF na ação direta de inconstitucionalidade nº. 6.586/DF, o TJSP determinou que o acesso a seus prédios, para qualquer pessoa, seja advogado, servidor, terceirizado ou membro do MP ou do próprio Judiciário, somente será permitido com a apresentação do certificado vacinal com ao menos uma dose, observado o cronograma vacinal vigente.

A portaria vale a partir de 27/09.



Informações sobre o texto

Contribuição com a comunidade jurídica

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso