O conceito de Direito Ambiental é um dos ramos jurídicos mais recentes que se deu inicio na segunda metade do século XX. Período no qual se deu conta que as atividades humanas estavam destruindo nosso planeta. Assim, o Direito Ambiental nada mais é do que o ramo jurídico que surgiu como decorrência direta da necessidade de organização da atividade humana, afim de buscar proteger o meio ambiente do nosso planeta e a nossa própria sobrevivência de modo indireto. Podemos entender que foi de extrema importância o marco na legislação brasileira ambiental na Constituição Federal de 1988, que veio regulamentar a elevação do meio ambiente à categoria dos bens tutelados pelo ordenamento jurídico, um direito a todos e sua tutela um dever de todos.

Quando dizemos que o conceito de meio ambiente é do que tudo o que nos cerca, de certa forma não está errado, porém trata-se de uma visão ultrapassada. Podemos entender de fato que o meio ambiente é um conjunto de fatores abióticos, bióticos e culturais humanos. De forma clara, é o conjunto das relações das coisas vivas e não vivas. Esses fatores são interdependentes, ou seja, estão em constante interações para que possamos ter um equilíbrio ambiental. O desenvolvimento econômico é inevitável e necessário diante dos avanços que nossa sociedade necessita para a sua sobrevivência, e dessa forma, é imprescindível que haja a responsabilidade e cautela para que esse desenvolvimento gere o menor impacto ambiental possível, cuidando da fauna. flora, vidas de forma geral, para que a harmonia entre esses fatores possa ser mantida evitando assim, possíveis declínios naturais como por exemplo o aquecimento global.

 Alguns princípios são de extrema importância quando tratamos do meio ambiente relacionado a ótica jurídica.  O Princípio da Prevenção é aquele segundo o qual devemos buscar impedir ou mitigar impactos ambientais já conhecidos; O mesmo busca a constante vigilância e ação do Poder Público e da sociedade para evitar a degradação, danos ao meio ambiente. Os instrumentos que temos para prevenir a degradação do meio ambiente, podemos citar os regulamentos, licenças ambientais, proibições, normas sobre níveis máximos ou mínimos de poluição, o zoneamento, auditoria ambiental, assim como outros atos administrativos que resultam do exercício do poder de polícia administrativa.

O Princípio da Precaução refere-se a situações em que não é possível determinar o impacto ambiental com os conhecimentos científicos a nossa disposição. Indica estratégias para lidar com as consequências danosas de certas atividades para o meio ambiente. A tragédia de Brumadinho poderia ter sido evitada se a Vale tivesse prestado informações corretas ao Sistema de Integrado de Gestão de Segurança de Barragens de Mineração. No mesmo sentido o acidente poderia ter sido evitado se tivesse sido observado o princípio da precaução previsto no Art. 225, inc. V da CF de 1988.

É o princípio em que o poluidor deve responder pelo custo decorrente da poluição. E indica um duplo aspecto: preventivo que busca evitar o dano ambiental, impondo o dever de prevenir danos ao meio ambiente e o repressivo que é a reparação do dano. Sim, é possível e necessário lidarmos com essa realidade, pois as leis devem assegurar a proteção do meio ambiente de forma que haja a punição e a reparação de acidentes que venham afetar de forma geral o meio no qual vivemos.

Um dos responsáveis diretos pela preservação de areas ambientais é também conhecido como EIA/RIMA , que é uma sigla para Estudo de Impacto Ambiental, o mesmo  é responsável por dizer a respeito da coleta de material, analise, bibliografia (textos), bem como estudo das prováveis conseqüências ambientais que podem ser causados pela obra. O RIMA é um relatório conclusivo que traduz os termos técnicos para esclarecimento, analisando o Impacto Ambiental. O EIV constitui instrumento de planejamento, controle urbano e subsídio à decisão do Poder Público para aprovação de projeto, emissão de autorização ou licença para implantação, construção, ampliação ou funcionamento de empreendimentos e atividades públicos ou privados, em área urbana.

O estudo de Impacto de Vizinhança é necessário para a implantação de empreendimentos e atividades privadas ou públicas em área urbana. Ele permite conhecer, planejar e demandar junto às prefeituras e organizações, maiores condições de transportes, segurança e urbanização da área a ser construída. Cabe ao poder público municipal solicitar ao empreendedor, a fim de obter as licenças ou autorizações de construção, ampliação ou funcionamento.

Com isso, entendemos a importância do direito e seus princípios na atuação da preservação e cuidados com o meio ambiente. As normas existentes ainda que exista uma lacuna a ser preenchida, são necessárias para que haja uma conscientização e se preciso a punição para aqueles que se adequarem as normas estabelecidas. O cuidado e ideias sustentáveis, são o caminho para o alongar de vidas  e espécies em nosso planeta.


REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 ARAUJO, Gabriel Aguiar de; COHEN, Marcos; SILVA, Jorge Ferreira da. Avaliação do Efeito das Estratégias de Gestão Ambiental Sobre o Desempenho Financeiro de Empresas Brasileiras IN: Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade - GeAS, Vol 3, Iss 2, Pp 16-38 (2014), 2014

ANDRADE, Rui Otávio Bernardes de, TACHIZAWA, Takeshi e CARVALHO, Ana Barreiros, de Gestão Ambiental: Enfoque Estratégico aplicado ao Desenvolvimento Sustentável. Makron Books, São Paulo SP, 2000.

ANDREATTA, V. Cidades quadradas, paraísos circulares: os planos urbanísticos do Rio de Janeiro no Século XIX. Rio de Janeiro: Mauad X, 2006.

Fernando de Azevedo Alves Brito - Acessado dia 21/10/2021. Disponível em:
https://ambitojuridico.com.br/cadernos/direito-ambiental/o-principio-da-precaucao-e-a-sua-importancia-para-a-tutela-do-meio-ambiente-e-da-saude/

Geonoma Florestal - Acessado dia 21/10/2021. Disponível em:
https://geonomaflorestal.com.br/eiarima-o-que-e-para-que-serve/#:~:text=O%20EIA%2FRIMA%20%C3%A9%20uma,do%20impacto%20no%20meio%20ambiente.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso