Símbolo do Jus.com.br Jus.com.br

Capa da publicação Responsabilidade dos pais pela não vacinação de crianças e adolescentes

A responsabilidade civil dos responsáveis legais pela não vacinação de crianças e adolescentes

11/06/2022 às 19:31

O Programa Nacional de Imunizações se firma como um plano eficiente na política de saúde pública.

Resumo: O objetivo apresentado neste artigo é a fomentação de amparo legal para emprego de responsabilidade civil aos pais ou responsáveis legais, concernente a não vacinação de crianças no âmbito da saúde pública, em frente ao crescimento do movimento antivacina impulsionado nos últimos tempos. Para esse fim se abordará temas como o poder familiar instituído ao cuidado do público infantil, programa nacional de imunização como provedor de promoção e prevenção em saúde e a legislação inerente a este contexto.

Palavras-chave: responsabilidade civil, vacinação, saúde pública


INTRODUÇÃO

A não vacinação deve ter sua abordagem regulada na seriedade do tema, devido a exposição da saúde da população infantil não imunizada, e ao risco coletivo consequente desta conjuntura, tornando-se essencial as ações de políticas publicas pautadas na prevenção de danos à saúde sobre o aspecto da falta de vacinação (RIBAS, 2021).

O Programa Nacional de Imunizações se firma como um plano eficiente na política de saúde pública, garantindo segurança na promoção e prevenção de doenças, com impacto no perfil da morbimortalidade populacional, tornando o Brasil o país que oferta gratuitamente o maior número de vacinas par este fim (DOMINGUES et al., 2020).

Imhoff (2019) demonstra a prerrogativa de nexo causal entre a conduta dos pais em não imunizar seus filhos e o dano causado à saúde dos mesmos, assim como da coletividade, caracterizando a responsabilidade civil do ato, nos casos da recusa de vacinação obrigatória.

Neste contexto, nota-se um crescimento do movimento antivacina que impulsiona a narrativa de resistência à imunização infantil obrigatória, diante de um cenário contemporâneo, por motivos de ordem ideológica e potencializados por informações falsas, as chamadas fake news, gerando potenciais riscos à saúde de crianças e adolescentes bem como da sociedade (RODRIGUES, 2022).


LEGISLAÇÃO

O direito a saúde é alusivo nos termos dos artigos 6º e 196 da Constituição Federal como mencionado respectivamente:

Art. 6º São direitos sociais a educação, a saúde, a alimentação, o trabalho, a moradia, o transporte, o lazer, a segurança, a previdência social, a proteção à maternidade e à infância, a assistência aos desamparados, na forma desta Constituição.   

Art. 196. A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.

Silva e Carminate (2020) elucidam a legislação vigente, acerca da responsabilidade da família e do poder público, no que se refere ao direito à saúde de crianças, instituído no Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) onde assevera que:

Art. 4º É dever da família, da comunidade, da sociedade em geral e do poder público assegurar, com absoluta prioridade, a efetivação dos direitos referentes à vida, à saúde, à alimentação, à educação, ao esporte, ao lazer, à profissionalização, 103 à cultura, à dignidade, ao respeito, à liberdade e à convivência familiar e comunitária.

Art. 7º A criança e o adolescente têm direito a proteção à vida e à saúde, mediante a efetivação de políticas sociais públicas que permitam o nascimento e o desenvolvimento sadio e harmonioso, em condições dignas de existência. Destaque nosso.

Art. 14. O Sistema Único de Saúde promoverá programas de assistência médica e odontológica para a prevenção das enfermidades que ordinariamente afetam a população infantil, e campanhas de educação sanitária para pais, educadores e alunos.

§1°. É obrigatória a vacinação das crianças nos casos recomendados pelas autoridades sanitárias.

Para Farah (2018), a obrigatoriedade da vacinação prevista no ECA é uma questão de responsabilidade social coletiva e a não vacinação por vontade expressa dos pais pode repercutir nocivamente na saúde dos filhos e terceiros.

Ainda vale ressaltar que o Decreto nº 78.231/76, formaliza o dever do responsável legal a obrigatoriedade da vacinação, conforme o calendário nacional de imunização, aos menores sob sua tutela (AZEVEDO, 2022).


CONCLUSÃO

No contexto da problemática apresentada neste artigo, invoca-se evidente a discussão mais ampla no âmbito jurídico e social da repercussão de atos negacionistas de pais ou responsáveis legais à não vacinação de crianças sob sua responsabilidade. Atribuindo assim, papel importante das ações do poder público, voltadas a divulgação e educação mais informativas acerca da política de imunização nacional e sua segurança, além do combate às informações inverídicas no tocante às vacinas, ademais garantindo as devidas medidas de proteção à saúde e a vida da população infantil e da sociedade.


REFERÊNCIAS

AZEVEDO, U. E. O. A vacinação compulsória segundo o direito público e o movimento antivacina. Rev Ibero-Americana De Humanidades, Ciências E Educação8(1), 1115 - 1129, 2022. Disponível em: https://periodicorease.pro.br

BRASIL. Constituição da república Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial[da] República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 5 de Out. 1988. Disponível em: www.planalto.gov.br

DOMINGUES, C. M. A. S. et al. 46 anos do Programa Nacional de Imunizações: uma história repleta de conquistas e desafios a serem superados. Caderno de Saúde Pública, v. 36,Sup 2,2020. Disponível em: http://cadernos.ensp.fiocruz.br

FARAH, R. A Responsabilidade Civil dos pais que não vacinam seus filhos. 2018. Disponível em:http://crc.sites.oabpr.org.br

IMHOFF, M.D.; PERICO, A. V. K. A responsabilização civil nos casos de não vacinação obrigatória dos filhos. Site âmbito jurídico. São Paulo, SP, Dez., 2019. Disponível em: https://ambitojuridico.com.br

RIBAS, R.G.G. Obrigatoriedade de vacinar os filhos. 2021. Disponível em: https://repositorio.animaeducacao.com.br

RODRIGUES, F. L. L.; MENEZES, J. B. DE; MORAES, M. C. B. DE. Direito e vacinação (obra completa). civilistica.com, v. 11, n. 1, p. 1-557, 29 maio 2022. Disponível em: https://civilistica.emnuvens.com.br

SILVA, P. C. O.; CARMINATE, R. F. A possibilidade da aplicação do Instituto da responsabilidade Civil aos pais e responsáveis que não vacinam seus filhos/responsáveis legais. Rev de Direito, Filosofia e Política do curso de Direito da UNIPAC - Itabirito, Ano 13, nº XXI, 2020. Disponível em:https://www.unipac.br

Assuntos relacionados
Sobre a autora
Claudia Oliveira Castro

Médica de Família/ Acadêmica de Direito

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!
Publique seus artigos