Para se protegerem da inadimplência, imobiliárias e proprietários exigem garantias. Nesse caso, a fiança é escolhida em 50% dos aluguéis no Brasil. Segundo novo Código Civil, o fiador pode se desvincular da obrigação caso o contrato seja prorrogado a prazo indeterminado.

Na hora de alugar um imóvel, não basta apenas adorar a casa ou o apartamento: é preciso ter alguém disposto a assumir as responsabilidades da fiança. Essa é uma garantia que pode colocar em risco o patrimônio daquele amigo ou parente de boa fé, caso você tenha algum imprevisto e não consiga pagar o aluguel. De acordo com Fernanda Guimarães, advogada especialista em direito do consumidor e autora do blog Diário de Consumo, ser avalista oufiador é uma grande responsabilidade, pois, legalmente, a pessoa se torna o ‘devedor’ e pode responder com o patrimônio caso o afiançado não pague.

Para se protegerem da inadimplência, imobiliárias e proprietários exigem garantias. Nesse caso, a fiança é escolhida em 50% dos aluguéis no Brasil por ano, enquanto caução e seguro fiança se revezam no segundo e no terceiro lugar, variando de 20% a 30%. A pessoa que se candidata como fiadora precisa ter algum patrimônio, como imóvel, carro ou lote. As exigências mudam de acordo com a política da imobiliária. Há empresas que pedem dois fiadores ou renda comprovada de três vezes o valor do aluguel e taxas. O nome do fiador também deve estar totalmente sem pendências.

De acordo com o Código Civil, o proprietário – através da imobiliária, geralmente – não é obrigado a aceitar fiador não domiciliado no município onde tenha de prestar a fiança. E, muitas vezes, a exigência é que ele tenha imóveis na cidade. Para Taíssa Bach e Rainer Rostirolla, gaúchos que moram em São Paulo há pouco mais de um ano e meio, a busca por fiador dificultou muito o acerto de contrato. E esse é um problema comum entre pessoas que se mudam de cidade e procuram imóvel para alugar. “Tivemos sorte: locamos o apartamento direto com o proprietário e deixamos uma caução de três vezes o valor do aluguel. É complicado encontrar alguém disposto a ser fiador. Temos amigos que fizeram seguro-fiança, bem oneroso”, comenta Taíssa.

De acordo com Sérgio Eduardo Martinez, advogado especialista em direito imobiliário, é importante ressaltar que existem outras formas de garantir a locação, sem colocar em risco o patrimônio do fiador caso haja algum imprevisto e não seja possível honrar o contrato. Há, por exemplo, o seguro-fiança prestado por companhias seguradoras de renome nacional e o depósito caução – que também pode ser feito pelas seguradoras –, quando o valor, geralmente de três a quatro locações, é depositado em uma caderneta de poupança, cujos titulares são ambas as partes, e que só pode ser movimentada com autorização dos dois ou por ordem judicial.

Fonte: http://revista.penseimoveis.com.br/noticia/2014/08/fianca-e-garantia-escolhida-por-imobiliarias-e-proprietarios-em-metade-das-locacoes-4581165.html


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria