Notícia sobre resultado positivo de ação judicial contra Exame Psicológico em Concurso Público - PMMT 2014. Justiça de Mato Grosso diz que Fase Psicológica no Concurso da PMMT não demonstrou de forma científica e objetiva os critérios para avaliação.

Conforme consta no processo a candidata se inscreveu no concurso público da o cargo de Soldado da Polícia Militar de Mato Grosso, no qual vinha galgando sua aprovação até vir a ser reprovada no exame psicológico.

O STF fixou o entendimento de que também é inconstitucional a realização de exame psicotécnico sem o estabelecimento de critérios objetivos e claros na aferição dos resultados, por representar afronta aos princípios constitucionais do contraditório e da ampla defesa, bem como aos da impessoalidade, publicidade e transparência na administração pública, dentre outros. Precedentes: (STF - RE: 751963 DF , Relator: Min. CÁRMEN LÚCIA, Data de Julgamento: 06/08/2013, Segunda Turma, Data de Publicação: DJe-170 DIVULG 29-08-2013 PUBLIC 30-08-2013.” (STF - RE: 695761 RJ , Relator: Min. CÁRMEN LÚCIA, Data de Julgamento: 18/09/2012, Segunda Turma, Data de Publicação: DJe-195 DIVULG 03-10-2012 PUBLIC 04-10-2012), (MS, 106733/2008, DES.JOSÉ TADEU CURY, TURMA DE CÂMARAS CÍVEIS REUNIDAS DE DIREITO PÚBLICO E COLETIVO, Data do Julgamento 07/10/2010, Data da publicação no DJE 20/10/2010) (negritei e grifei)

Consta dos autos o resultado do exame psicológico apresentado pelo Banca Examinadora - FUNCAB que culminou com sua reprovação.

Expõe o magistrado que são ininteligíveis os critérios utilizados para julgar a candidata como inapta, ou reprovada, ou não indicada, ou contraindicada, o que torna impossível o controle da legalidade mediante a aferição da objetividade de tais critérios pelo Poder Judiciário.

Tais resultados não estão em conformidade com o estatuído pelo art. 3º da RESOLUÇÃO CFP N.º 01/2002, in verbis:

“Art. 3º - O Edital deverá conter informações, em linguagem compreensível ao leigo, sobre a avaliação psicológica a ser realizada e os critérios de avaliação, relacionando-os aos aspectos psicológicos considerados compatíveis com o desempenho esperado para o cargo.” (grifos nossos)

Afirma ainda, que o edital não trouxe explicações, nem a norma que definiu o perfil buscado na avaliação e muito menos o resultado fornecido ao reclamante.

Tal documento, em especial, impede que se afaste a possibilidade de ter havido subjetividade na avaliação, pois não demonstra de que forma científica e objetiva teriam sido aplicados os parâmetros deduzidos no edital.

Segundo a Resolução CFP nº 01/02 do Conselho Federal de Psicologia, que regulamenta a Avaliação Psicológica em Concurso Público e processos seletivos da mesma natureza, trata-se de um processo realizado mediante emprego de procedimentos objetivos e científicos.

Portanto, com base nas normas e jurisprudência aplicáveis ao caso, vê-se que não foram observados os requisitos mínimos para conferir impessoalidade à fase do exame psicotécnico, devido à falta critérios objetivos de avaliação.

 Diante do breve exposto, com arrimo no artigo 269, inciso I, do Código de Processo Civil, JULGO PROCEDENTE o pedido e, consequentemente:

a) DECRETO A NULIDADE da avaliação psicológica a que fora submetida a candidata;

b) DETERMINO que a parte autora seja conduzida à próxima fase do concurso, ou, caso já tenha sido realizada a próxima etapa, sejam marcados dias específicos para a realização das fases restantes; 

c) DETERMINO que a parte autora seja submetida a nova avaliação psicológica, com a devida objetividade e cientificidade, assegurando, em caso de aplicação de “testes teóricos” ou testes psicológicos, a avaliação com psicólogo-examinador, para fins de conjugação dos resultados obtidos com o perfil pessoal de cada candidato, devendo ser observados os preceitos da Resolução CFP nº 01/02 do Conselho Federal de Psicologia, e que seja oferecida a possibilidade de recurso administrativo do resultado;

Confirmo a antecipação de tutela, tornando definitivos os seus efeitos.

Transitada em julgado, remetam-se os autos ao arquivo, com as cautelas e anotações necessárias.

Emerson Luís Pereira Cajango

Juiz de Direito – Juizado Especial da Fazenda Pública - MT                                                                            Processo nº 0500999-22.2014.8.11.0001


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria