Palestras motivacionais

Empregada do Walmart será indenizada por participação obrigatória em rituais motivacionais

Uma comerciária que a entoar gritos de guerra e rebolar na frente dos colegas durante "rituais motivacionais" conquistou na Justiça do Trabalho o direito de ser indenizada pelo WMS Supermercados do Brasil Ltda. (Walmart) pelos constrangimentos sofridos no trabalho. A indenização por danos morais foi fixada em R$ 15 mil. A auxiliar disse que os "rituais" aconteciam na reunião no início da jornada. Quando seu chefe achava que o rebolado não estava bom, mandava que ela repetisse até ficar satisfeito, o que a ridicularizava ainda mais perante os colegas. A rede, em sua defesa, afirmou que a auxiliar jamais foi obrigada a participar das práticas e alegou que, nas reuniões denominadas "Mondays", era entoado o "Wal Mart Cheer", canto conhecido em toda a rede, com o fim de motivar os empregados, num momento de descontração, sem qualquer intenção de humilhá-los. O juízo da 5ª Vara do Trabalho de Novo Hamburgo (RS) julgou improcedente o pedido da trabalhadora por considerar que os cânticos eram mera técnica motivacional da empresa, para exaltar a garra dos colaboradores e a importância dos clientes. O Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região (RS), porém, reformou a sentença, entendendo que a política motivacional da empresa extrapolou seu poder diretivo e sujeitou os empregados a tratamento humilhante e constrangedor, desrespeitando sua dignidade. A Oitava Turma do TST não conheceu (não entrou no mérito) do recurso da rede nesse ponto. Para divergir do acórdão do Regional, no sentido de que a participação nos cânticos motivacionais era facultativa e não causava constrangimento, a Turma precisaria reexaminar fatos e provas, procedimento vedado nessa instância extraordinária, conforme previsto na Súmula 126 do Tribunal. A decisão, que já transitou em julgado, foi tomada com base no voto da relatora, ministra Dora Maria da Costa. (Fernanda Loureiro/CF) Processo: RR-739-75.2012.5.04.0305 O TST possui oito Turmas julgadoras, cada uma composta por três ministros, com a atribuição de analisar recursos de revista, agravos, agravos de instrumento, agravos regimentais e recursos ordinários em ação cautelar. Das decisões das Turmas, a parte ainda pode, em alguns casos, recorrer à Subseção I Especializada em Dissídios Individuais (SBDI-1). Secretaria de Comunicação Social Tribunal Superior do Trabalho Tel. (61) 3043-4907 secom@tst.jus.br


Autor

  • CARDACCI E MORAIS- ADVOCACIA

    A Cardacci e Morais - Advocacia possui a Consultoria e Assessoramento Preventivos (Relações Trabalhistas). Estamos seguros, dentro da nossa área de especialização, ao oferecer a departamentos de recursos humanos das empresas de todos os segmentos, orientação prática em consultoria. Interpretação de textos legais, convenções e acordos coletivos de trabalho; Adoção de medidas práticas e simples sobre regimentos internos; Contratos de trabalho e aditamentos;<br>Contratos terceirizados; Regulamentos internos de empresas; Folha de salários; Encargos sociais e previdenciários,<br>Demais atividade pertinente a Jornada de Trabalho como: Remuneração, Prevenção de Riscos a acidente de trabalho tomando medidas e<br>providencias para sua redução dentre outras situações. Exercemos constante orientação, participando eficazmente no sentido de solucionar: Conflitos trabalhistas; Negociações sindicais; Análise e contestação de pautas reivindicatórias dos sindicatos obreiros; Adoção de medidas apropriadas antes,<br>durante e após greve; Acompanhamento, participando na celebração de acordos e convenções coletivas de trabalho; Acompanhamento e defesas nos processos de Dissídios Coletivos de Trabalho; Participação em mesas redondas perante as autoridades do Ministério do Trabalho; Assessoramento indispensável às empresas no relacionamento com o sindicato dos trabalhadores. Defesas Processuais Trabalhistas. Patrocinamos empresas, em defesa de seus interesses, perante a Justiça do Trabalho, nas causas que lhes forem contrárias promovidas por: Empregados; Ex empregados; Autônomos; Representantes comerciais; Prestadores de serviços terceirizados.

    Textos publicados pela autora

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria