Estabelecer condições para os jogos do Brasil pode evitar futuras ações trabalhistas e, ao mesmo tempo, manter toda a equipe motivada.

A abertura oficial da Copa do Mundo da Rússia determina uma nova rotina no dia a dia de empresas e colaboradores que pretendem não perder nenhum lance durante os jogos da seleção brasileira. Estabelecidas conforme o segmento em que atua e em alinhamento com a cultura da organização, as alterações vão desde dispensa integral ou parcial, e remanejamento de horários, que poderão ser compensados ou não, de acordo com as condições previamente determinadas.

Segundo os especialistas Dr. Reinaldo Garcia, advogado trabalhista, e Sergio Lopes, Coach e consultor de empresas, para evitar o surgimento de uma insatisfação coletiva, que resultará na redução dos resultados da equipe, o ideal é que o bom senso entre em campo, fazendo com que as organizações definam a melhor estratégia a ser seguida apoiadas no aspecto legal, motivacional e comportamental.

“Não existe uma Lei que obrigue as empresas a dispensarem os seus colaboradores em dias de jogos da Copa do Mundo. Portanto, neste caso, o firmamento de um acordo transparente e bem definido é fundamental para que haja o entendimento legal da situação entre ambas as partes, evitando, assim, problemas futuros.”, destaca o Dr. Reinaldo Garcia. O advogado explica, ainda, que este tratado deverá informar se o colaborador terá ou não que compensar o dia ou horário, em caso de dispensa.

Para o Coach Sergio Lopes, antes de tudo: “A liberação dos colaboradores, alterações nos horários da equipe ou adaptações na operação da empresa devem ser realizadas em conformidade com a cultura da organização. Por isso, é importante que o gestor fique atento à política interna para não desviar o foco organizacional.”.

O consultor ressalta, também, a importância do bom comportamento para o caso de as partidas serem assistidas na companhia. “Não é recomendado o consumo de bebida alcoólica. E mesmo sendo uma ocasião que mexe com a nossa emoção, não exagere na comemoração. O clima pode ser de festa, mas o ambiente ainda é o profissional.”.

Ainda no aspecto legal, a equipe deve compreender que as datas dos jogos são consideradas dias úteis de trabalho. “Não há nenhum respaldo da Lei em caso de ausências não combinadas. Da mesma forma, o funcionário que for pego assistindo partidas que não sejam do Brasil, ou que comparecer ao local de trabalho sob o efeito de álcool, poderá ser punido. Em todas estas situações, a punição poderá ser demissão por justa causa.”, enfatiza o Dr. Reinaldo Garcia.

“Pela enorme representatividade que o futebol tem na cultura do brasileiro, não proporcionar que o trabalhador possa acompanhar aos jogos, poderá afetar os resultados almejados pela organização durante o período do torneio. Mais do que nunca, o atual cenário exige motivação, e a Copa do Mundo surge como um fator extremamente positivo para alavancar o clima interno. A oportunidade é ótima para aproximar gestores de suas equipes e o legado pós Copa poderá ser o de um ambiente mais colaborativo, com aumento nos resultados e progresso da organização.”, avalia Lopes.

Por fim, o Coach sugere que, ao final dos jogos, seja realizada uma pequena mesa redonda para provocar reflexões e aprendizados sobre trabalho em equipe, times de alta performance, superação, metas e resultados, explorando a alta gama de metáforas que o esporte permite para o ambiente organizacional.


Autores

  • Reinaldo Garcia do Nascimento

    Reinaldo Garcia do Nascimento

    Natural de São Caetano, região do Grande ABC Paulista, pós-graduado em Direito e Processo do Trabalho pela Escola Paulista de Direito (EPD), atua como advogado desde 2005. Atualmente, é sócio e responsável pela área trabalhista e relação sindical da Guirão Advogados, além de apresentar palestras sobre os temas destacados e também Assédio Moral.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

  • Sergio Lopes

    Sergio Lopes

    Coaching para profissionais, Consultoria de Gestão - Palestras e Treinamentos; Com mais de 35 anos de experiência em Recursos Humanos, liderança de pessoas e processos, além de 10 anos em consultoria organizacional, Sergio desenvolveu o conceito “Performance Total = Propósito + Competência + Resultados” e auxilia pessoas e empresas a atingir os seus objetivos com métodos inovadores. Sergio Lopes é formado em Administração de Empresas e acumula experiências em empresas como Pão de Açúcar, Whirlpool, Philips, Banco Itaú, Deutsche Bank, Qualicorp e Grupo Trend.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso