O Benefício da Prestação Continuada (BPC) da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) é a garantia de um salário mínimo mensal à pessoa com deficiência e ao idoso com 65 anos ou mais que comprovem não possuir meios de prover a própria manutenção.

O Benefício da Prestação Continuada (BPC) da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS) é a garantia de um salário mínimo mensal à pessoa com deficiência e ao idoso com 65 anos ou mais que comprovem não possuir meios de prover a própria manutenção, nem de tê-la provida por sua família.

Considera-se idoso quem tem mais de 65 anos e deficiente quem não possui capacidade para a vida independente e para inserção/reinserção social e no mercado de trabalho.

Para ter direito é necessário cumprir os seguintes Requisitos:

       Ser Brasileiro nato ou naturalizado (pessoas de nacionalidade portuguesa desde que comprovem residência fixa no Brasil);

      A Renda familiar inferior a ¼(um quarto) de um salário mínimo vigente;

     Para o Idoso: Idade igual ou superior a 65(sessenta e cinco) anos, para homens e mulheres;

        Para a Pessoa com deficiência: Pessoas com deficiências física, mental, intelectual ou sensorial;

No entanto, se já houver um idoso ou deficiente da família recebendo o beneficio de prestação continuada, isso não será considerado no cálculo da renda familiar para concessão de um segundo benefício.

Por se tratar de um benefício assistencial, não é necessário ter contribuído ao INSS para ter direito. No entanto, este benefício não paga 13º salário e não deixa pensão por morte, bem como não pode ser acumulado com outros benefícios previdenciários.

A família deve cumprir os requisitos, mas recentes decisões judiciais aceitaram critérios mais elásticos para cumprir o espírito da lei, que é beneficiar famílias em condição de miséria.

Procure um advogado para analisar e em casos de indeferimento administrativo por parte do INSS, requerer judicialmente o seu beneficio de prestação continuada.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0