Os portadores de moléstia grave e a isenção do Imposto de Renda da Pessoa Física, os requisitos legais para obtenção.

O Estado exercendo a sua função social, assegura aos portadores de moléstia grave o direito à isenção do Imposto de Renda da Pessoa Física, desde que ocorra o enquadramento nos dispositivos da Lei 7.713/1988, art. 6º, inciso XIV.

Nos termos do referido artigo 6º ficam isentos do imposto de renda os rendimentos percebidos por pessoas físicas, observado o incisos XIV– os proventos de aposentadoria ou reforma motivada por acidente em serviço e os percebidos pelos portadores de moléstia profissional, tuberculose ativa, alienação mental, esclerose múltipla, neoplasia maligna, cegueira, hanseníase, paralisia irreversível e incapacitante, cardiopatia grave, doença de Parkinson, espondiloartrose anquilosante, nefropatia grave, hepatopatia grave, estados avançados da doença de Paget (osteíte deformante), contaminação por radiação, síndrome da imunodeficiência adquirida, com base em conclusão da medicina especializada, mesmo que a doença tenha sido contraída depois da aposentadoria ou reforma;

Neste sentido, não faz jus à isenção, aquele que recebe rendimento de atividade empregatícia ou autônoma, ou seja, aquele contribuinte que for portador da moléstia, porém que ainda não se aposentou.

Fundamento legal: Lei 7.713/1988


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso