Motivo: comunicar e divulgar a publicação do ensaio de sociologia do voto obrigatório intitulado: "Entre República e Monarquia: A Democracia Eleitoral no Brasil". link: https://leiturasjlumierautor.files.wordpress.com/2019/10/ebook-em-pdf-entre-republica-e-monarquia-a-democracia-eleitoral-no-brasil-2-edicao.pdf

Teto da Apresentação

1)

Identificado com a atuação das Nações Unidas em favor da educação para a cidadania, o presente ensaio de sociologia adere à causa da Declaração Universal dos Direitos Humanos e das Convenções Internacionais que preconizam o voto livre e sem restrições ideológicas. A primeira edição digital do mesmo tem data em fevereiro de 2014, leva o título “A Democracia Eleitoral no Brasil”, e atendeu exigência de articular as informações reunidas em postagens e artigos, divulgados na internet pelo autor, desde fins de 2007, no marco de sua atividade como sociólogo.

Entretanto, o projeto veio crescendo em interesse a partir de 2015, quando o autor tomou conhecimento de que o Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas decidiu estabelecer um fórum sobre Direitos Humanos, Democracia e Estado De Direito. Delineou-se uma oportunidade de situar seu trabalho de sociologia para além das fronteiras, e ultrapassar as eventuais restrições de um discurso político sobre seu país.

Com efeito, em seu compromisso de identificar e analisar as melhores práticas, desafios e oportunidades para os Estados membros, em seus respectivos esforços para assegurar o respeito aos direitos humanos, democracia e o Estado de direito, o objetivo do Fórum consistiu em fornecer uma plataforma para promover o diálogo e a cooperação em questões referentes à relação entre essas áreas [i]

Situado nesse quadro de referência, o presente livro, em sua segunda edição, desenvolve a elaboração do autor motivado pela compreensão de que, hoje em dia, não se justifica uma burocracia para controle dos eleitores submetidos ao voto obrigatório sob sanções draconianas legais.

Neste sentido, o presente livro assevera que o conceito de desenvolvimento político só é válido tendo por quadro de referência a história parlamentar, especialmente a reciprocidade em torno das legislaturas, contemplando os reclamos da participação cidadã. Em consequência, predomina a compreensão de que, ao eleitorado, corresponde, de modo justo, a aspiração para exercer a parte que lhe cabe no compromisso com a sustentação de um regime democrático mediante o voto facultativo para todos, sem restrições ideológicas, e que esse compromisso não é exclusividade dos seus representantes, nas casas parlamentares, como acontece atualmente mediante a imposição do voto obrigatório forçado e a submissão do ideal democrático do voto livre.

2)

Este artigo tomou corpo a partir da constatação de que o regime do voto obrigatório com sanções legais é um problema de ciência política cujo quadro de referência ultrapassa muito o plano da política brasileira, ao qual tem sido frequentemente restringido. Ultrapassa igualmente a irrelevante alternativa de ser a favor ou contra a participação das massas na política, a que se costuma representar o voto obrigatório.

Se admite que o problema releva de uma zona nebulosa: a interpenetração entre ditadura e democracia. Região de difícil acesso que adquiriu relevância depois que, em 2011, o então convidado Presidente Obama, notável e influente intelectual de Harvard, dos Estados Unidos, em palestra aberta no Teatro Municipal de Rio de Janeiro, enunciou a frase de que, em âmbito internacional, o Brasil mostra que uma ditadura pode se tornar uma vibrante democracia.

Malgrado seu conteúdo transformista, tal frase foi festejada pela mídia brasileira, que gostou da referência a uma vibrante democracia. Sem embargo, uma leitura mais refletida observa que a frase assinala um aspecto anômalo, já que reconhece uma ditadura que virou democracia, e não uma democracia histórica que superou uma ditadura, como deveria ser reconhecido, haja vista que a primeira imagem é negativa e implica em restrição do espaço da liberdade política.

Assumindo o alcance acadêmico e a validade realista da frase festejada, na força da contradição que encerra ao cogitar uma democracia que não tem a si própria como referência – haja vista que a atual legislação eleitoral punitiva em vigor na democracia brasileira, com voto obrigatório, é obra da passada ditadura –, o presente livro encaminha, desenvolve e aprofunda uma análise crítica do problema do voto obrigatório "forçado", como a questão da base sob a qual aquela figura transformista pode ser possível.

Desta forma, o presente artigo sugere um aprofundamento, eminentemente sociológico, no estudo do regime eleitoral, abordado em maneira separada de um sistema político, frequentemente, analisado sem levar em conta o problema crítico do voto obrigatório, cujo modelo tem base em um regime monárquico.

Quer dizer, o voto obrigatório como (a) fator de complicação da confiança no modelo eleitoral representativo, (b) motivo de mal-estar moral na experiência de votação, (c) que, por sua vez, acentua, em particular, a baixa memória da eleição, e (d) a correlata falta de percepção de sua relevância para a coerência das políticas públicas.

Além disso, cabe destacar, dentre outros tópicos muito relevantes, três pontos que explicam o esquecimento, no trabalho intelectual, do alcance crítico do problema do voto obrigatório, deixado de lado pelos cientistas políticos, seguinte:

a) A adoção da tese exagerada, e muito valorizada pelos populismos, de que a história do século vinte no Brasil é um efeito da irrupção das massas na política, pelo que o voto obrigatório seria indispensável para garantir a participação e promover a educação em cidadania [ii].

b) A representação do regime eleitoral no âmbito do sistema político, o qual é baseado no pacto federativo, de tal forma que, em detrimento do princípio de cidadania, se atribui ao voto obrigatório a função moderante do contencioso entre os grupos em luta pelos altos cargos.

c) A separação das ciências sociais diante dos direitos humanos, com a desconsideração das convenções internacionais, notadamente a ICCPR (International Convenat on Civil and Political Rights, de 1966) que, ao lado da Declaração Universal dos Direitos Humanos e das demais convenções internacionais nessa matéria, constitui fonte real para uma ciência política eficaz.

Notas


[i] The World Conference on Human Rights, on 25 June 1993, a célebre Declaração de Viena, assinala a indispensabilidade da Democracia para a implementação dos Direitos Humanos: Item 08) "La democracia, el desarrollo y el respeto de los derechos humanos y las libertades fundamentales son interdependientes y se refuerzan mutuamente" (...)

[ii]  A tese da irrupção das massas na política é uma simplificação da nova experiência que a revolução francesa proporcionou ao grande número da população, e que Lukács descreveu como a extensão da história que alcançou as massas. Pela primeira vez, o homem comum toma consciência de que os eventos que acontecem na longínqua capital do século XVIII implicam diretamente sua vida cotidiana. É a consciência da liberdade que adquire proporções inusitadas e penetra irreversivelmente a época moderna, um fenômeno que ultrapassa os limites da política e se confunde com a própria realidade histórica, em referência da qual o mencionado Lukacs dirá ter revelado que as massas jamais poderão permanecer em inércia. [Cf. Lukacs, George: "Le Roman Historique"... ] Por sua vez, ao dizer que, no caso do Brasil, a chamada "revolução de trinta" expressa a irrupção das massas na política, tudo que se fez foi abrir o caminho para o enquadramento das mesmas no sistema do pacto federativo, o sistema político brasileiro, que, através do paternalismo populista do Estado, mostrou claramente essa situação. 


Autor

  • Jacob J Lumier

    Jacob J. Lumier Es profesor en la educación superior y sociólogo profesional, ejerció la docencia, enseñando Sociología y Metodología Científica en la universidad particular y en la pública. Elabora y divulga e-Books / libros, y blogs. Es fundador de SSF/RIO Fórum de Sociología; miembro de la International Sociological Association – ISA. Es adepto de la OHCHR Civil Society Section. Publicista no-profesional, ha difundido artículos en la Web del proyecto periodístico “Observatorio de la Prensa”, en la “Ciranda de la Información”, en el “Jus Navigandi”; Ha difundido trabajos y obras de sociología (a) en la Web de la Organización de Estados Iberoamericanos para la Educación, la Ciencia y la Cultura-OEI; (b) en la Web del Ministerio de Educación de Brasil Mec.br (Dominio Público); (c) en el Grupo Eumed.net de Ciencias Sociales de la Universidad de Málaga (España); (d) en la Web de la International Sociological Association – ISA. Presentó comunicación en el Foro On Human Rights, Democracy And Rule Of Law – United Nations 2016.
    link: https://leiturasjlumierautor.wordpress.com/download-obras-de-jacob-j-lumier/

    Publicação anterior: "A Democracia Eleitoral no Brasil" (Seis Tópicos para um Estudo de Sociologia), Bubok, 100 págs., Fevereiro 2014, licença Creative Commons (CC BY-NC-ND 3.0 BR) Versão epub grátis em http://www.bubok.es/libros/231051/A-Democracia-Eleitoral-no-Brasil

    Textos publicados pelo autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0