Prisão civil de devedor de alimentos pode ser suspendo no período da Pandemia, conforme entendimento do Superior Tribunal de Justiça, afastando, ainda, a tese de prisão domiciliar como meio de assegurar a aplicação do cumprimento de sentença de alimentos.

A terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça vem adotando entendimento de que a prisão civil do devedor de alimentos deve ser suspensa enquanto perdurar a pandemia da Covid-19, afastando inclusive a tese de prisão domiciliar.

A exemplo, de Relatoria do Excelentíssimo Ministro Ricardo Vilas Boas Cueva ( STJ - HC: 574495 SP 2020/0090455-1, defendeu o relator que não é recomendada a concretização do mandado de prisão por devedor de alimentos estando em vigor a calamidade pública vivenciada pelo país, o que não deixa, por outro lado, de garantir seu cumprimento em momento processual adequado, pois a dívida mantém-se intacta e está em jogo a dignidade do alimentando (credor dos alimentos).

Por fim, concluiu o Eminente Ministro que adotar a tese de prisão domiciliar não é medida tendente a cumprir o mandamento legal na medida em que relativizaria o que disposto no art. 528parágrafos 4º e  do Código de Processo Civil.

Veja-se duas decisões do STJ:

HABEAS CORPUS. OBRIGAÇÃO ALIMENTÍCIA. INADIMPLEMENTO PRISÃO CIVIL. DECRETAÇÃO. PANDEMIA. SÚMULA Nº 309/STJ. ART. 528§ 7º, DO CPC/2015. PRISÃO CIVIL. PANDEMIA (COVID-19). SUSPENSÃO TEMPORÁRIA. POSSIBILIDADE. DIFERIMENTO. PROVISORIEDADE. 1. Em virtude da pandemia causada pelo coronavírus (Covid-19), admite-se, excepcionalmente, a suspensão da prisão dos devedores por dívida alimentícia em regime fechado. 2. Hipótese emergencial de saúde pública que autoriza provisoriamente o diferimento da execução da obrigação cível enquanto pendente a pandemia. 3. Ordem concedida. (STJ - HC: 574495 SP 2020/0090455-1, Relator: Ministro RICARDO VILLAS BÔAS CUEVA, Data de Julgamento: 26/05/2020, T3 - TERCEIRA TURMA, Data de Publicação: DJe 01/06/2020).

PET no AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL Nº 1724980 - MT (2020/0165537-4) RELATOR : MINISTRO PRESIDENTE DO STJ REQUERENTE : J M P ADVOGADOS : WILLIAM PEREIRA MACHIAVELI - MT004617 WALMIR ANTONIO PEREIRA MACHIAVELI - MT004284 REQUERIDO : W H R P REQUERIDO : B H R P ADVOGADO : GISELLE CRISTIAN CARPENEDO - MT006337 INTERES. : M A R DE S ADVOGADO : SEM REPRESENTAÇÃO NOS AUTOS - SE000000M DECISÃO (...). Ante o exposto, sem prejuízo de ulterior revisão do relator, defiro o pedido de tutela provisória para suspender a execução da ordem de prisão civil do paciente durante o período de emergência em saúde pública de importância nacional, decretada pela Portaria n. 188/2020 do Ministério da Saúde, ou até outra data anterior de acordo com o contexto local de disseminação do vírus reconhecida pelas autoridades sanitárias regionais competentes. Comunique-se com urgência ao Juízo da Segunda Vara Cível da Comarca de Tangará da Serra (MT), na qual tramita o Cumprimento de Sentença n. 3097-79.2008.811.0055. Publique-se. Intimem-se. Brasília, 21 de julho de 2020. MINISTRO JOÃO OTÁVIO DE NORONHA Presidente (STJ - PET no AREsp: 1724980 MT 2020/0165537-4, Relator: Ministro JOÃO OTÁVIO DE NORONHA, Data de Publicação: DJ 04/08/2020).


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Direitos e Responsabilidades do Jus.

Regras de uso