Relações entre o conteúdo do documentário "Arquitetura da destruição" com as teorias filosóficas jurídicas nacionalistas e autoritárias do séc. XX.

O filme “Arquitetura e Destruição”[1] (1989) retrata a história e a ideologia do nazismo, apresentando, inclusive uma faceta em certo modo desconhecida desse movimento: a concepção artística do nazismo acerca da política e da vida como um todo. A fundação do nazismo bem como a formação de Hitler, segundo o filme, sempre sofreram influências direta das artes e de todo o conceito de estética diretamente vinculado à pintura, escultura e arquitetura, por exemplo.

Consoante é mostrado nas imagens do documentário, a ideia de Hitler e, consequentemente, do nazismo sempre foi a busca por fazer com que a pureza e estética das artes se tornassem reais. Buscou-se construir enormes edificações segundo os critérios clássicos de arquitetura e beleza (estruturas circulares e quadradas, remontando ao período clássico das artes), fez-se diversas exposições de arte que valorizava o belo clássico e desprezava o desproporcional.

O filme também apresenta que os judeus foram escolhidos e indicados pelo movimento nazista como um povo sem higiene e passível de todo o desprezo que pudesse ser dirigido a alguém. Hitler lança, com o nazismo, uma campanha de “limpeza étnica” (eugenia), valorizando a “raça” ariana em detrimento dos judeus.

Algumas correntes filosóficas que se destacaram na primeira metade do século XX foram as correntes de pensamentos românticos e historicistas, presentes principalmente na Alemanha. Tais correntes possuiam um forte cunho nacionalista e popular, principalmente voltadas para o pensamento e identidade coletivas. A identidade do povo era fruto do pertencimento à nação.

Um dos grandes expoentes da tese nacionalista é o filósofo Carl Schmitt, que defendia a teologia política, segundo a qual a Constituição seria a identidade material do poder. Segundo tal teoria, o Estado estava desunido e precisaria de um governante, o qual promoveria tal união. Decorrente dessa necessidade de união, surgiu a expressão fascismo, que significa “feixes que se unem”.

Schmitt também sustentava que a verdadeira democracia somente poderia ocorrer numa ditadura, em que o governante terá força suficiente para poder criar uma identidade entre governante e governados. O filósofo Burke também partilhava de tal ideologia, considerando que o Estado deveria ser um Estado corporativo, em que os sindicatos eram controlados por esse Estado, em prol do bem comum.

Nesse sentido, pode-se relacionar a postura adotada por Hitler e o nazismo com aquela referente aos filósofos nacionalistas, que apresentavam sua doutrina e ideologia como sendo a correta. Mais, indicavam que aquilo que se distanciava do que acreditavam era uma visão errada e que deveria ser rechaçada e desprezada.


[1] Undergångens arkitektur (1989). Dirigido e escrito por Peter Cohen.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria