A estipulação do prazo contratual nas locações é livre. O locatário pode rescindir a qualquer tempo a locação, desde que pague a multa estipulada.

              LOCAÇÃO – PRAZO CONTRATUAL – ENTREGA DO          

                                  IMÓVEL ANTES DO PRAZO.                                                             

                                               Os contratos de locação de imóveis urbanos são regidos pela Lei nº 8.245/1991, cognominada Lei do Inquilinato, com alterações promovidas pela Lei nº 12.112/2009.

                                               É livre a estipulação do prazo contratual nas locações, sendo, portanto, legal no caso a fixação do prazo de 24 meses.                                  

                                               A referida multa mencionada na consulta, na hipótese de rescisão antecipada do contrato está prevista no Art. 4º da Lei do Inquilinato, in verbis:

            Art. 4o  Durante o prazo estipulado para a duração do contrato, não poderá o locador reaver o imóvel alugado. O locatário, todavia, poderá devolvê-lo, pagando a multa pactuada, proporcionalmente ao período de cumprimento do contrato, ou, na sua falta, a que for judicialmente estipulada.

Parágrafo único. O locatário ficará dispensado da multa se a devolução do imóvel decorrer de transferência, pelo seu empregador, privado ou público, para prestar serviços em localidades diversas daquela do início do contrato, e se notificar, por escrito, o locador com prazo de, no mínimo, trinta dias de antecedência. (grifamos).

                                               Vê-se que a norma autoriza a cobrança de multa em caso de rescisão contratual antecipada, deixando que as partes convencionem como será cobrada tal multa, entretanto o dispositivo legal determina expressamente que a pena deverá ser aplicada proporcionalmente ao período que resta para o término do contrato.

                                               O Código Civil Brasileiro em seu Art. 413 entra em sintonia com o citado Art. 4º da Lei do Inquilinato, visando o equilíbrio na relação locatícia:

Art. 413. A penalidade deve ser reduzida equitativamente pelo juiz se a obrigação principal tiver sido cumprida em parte, ou se o montante da penalidade for manifestamente excessivo, tendo-se em vista a natureza e a finalidade do negócio.                                   

                                               Inúmeros julgados esposam a disposição até aqui explanada, a exemplo da EMENTA, a seguir transcrita:

Cláusula penal. Multa contratual. Locação. Redução. Possibilidade. Código Civil, art. 413. Ordem Pública. Disposição que afasta sua incidência. Invalidade e ineficácia. Autonomia da vontade. Limites: 1. O princípio da autonomia da vontade sempre encontrou limites nos bons costumes e na ordem pública. 2. A norma contida no art. 413 do Código Civil combinada com o art. 4° da Lei 8.245/91, dirigida apenas ao juiz, tem a finalidade de permitir um equilíbrio entre as consequências da mora e a respectiva pena e de evitar um enriquecimento sem causa de uma das partes, impondo, no caso concreto, aos réus uma obrigação excessivamente onerosa. 3. Essa norma é de ordem pública e, por isso, a sua incidência não se afasta pela vontade das partes. 4. Assim, a disposição contratual que afasta a incidência dessa norma de ordem pública é inválida e ineficaz. 5. Considerados estes aspectos e observadas as particularidades de cada caso concreto, ao juiz é lícito reduzir proporcionalmente a multa moratória ou compensatória (TJRJ, APC 2007.001.54593, 14ª CC, rel. Des. Cleber Ghelfenstein, j. 31.10.2007).

                                               Diante do exposto, é legal, como visto a fixação do prazo de 24 meses para a vigência do aluguel.

                                               Quanto à cobrança da multa é esta garantida em lei, tanto quanto a sua proporcionalidade, no caso de rescisão antecipada.

                                               O locatório pode rescindir a qualquer tempo a locação mediante o pagamento de multa, a não ser que seja devido à transferência de trabalho, na exceção prevista no parágrafo único da Lei, hipótese de dispensa da penalidade.

                                          É o nosso ponto de vista, S.M.J.

                                   


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria