Venda de sentenças judiciais... corrupção ganância humana por dinheiro... robôs imparciais diminuiria a corrupção?

O Brasil pode algum dia adotar nas decisões judiciais , robôs para julgar de acordo com o previsto nas leis?Para acabar com as vendas de sentenças , decisões, acórdãos que , estão se tornando um verdadeiro câncer para toda sociedade que ainda acredita na justiça dos homens?Os robôs seriam imparciais e ,julgariam de acordo com o que está previsto nas leis...os homens julgando outros homens ,ficam sujeitos a emoções e esquecem das razões ...sempre qualquer juiz que seja ,por mais imparcial que seja , vai ter um viés para algumas das partes de um processo ,isso já é natural do instinto humano, os robôs não... são 100 por cento imparciais ,pois não possuem emoções humanas,com.eles julgando,haveria a tão sumida frase em nossos tribunais "dura Lex ser Lex" a lei é dura mas e a lei.... somente em casos extremos e causas criminais e que poderia as decisões de um robô ser contestada ,com as devidas provas inequívocasbde que o robô falhou ,de tilt...seria o fim de a pequena fatia dos juízes dos tribunais em geral ,que são corruptos ,mais como disse a corrupção nos tribunais estão se espalhando como um grande câncer , devido a vontade dos homens querer cada vez mais e mais dinheiro...dinheiro.. corrupção....o homem nasce puror mas a sociedade o corrompe , já dizia Anthony quesnay ,por isso pergunto ? Será que algum dia seremos julgados por robôs ,para acabar com a venda se sentenças de alguns juízes corruptos ?Marcos Fernandes Brasil

Autor

  • ADVOGADO MARCOS FERNANDES

    Especialidade(s): cível criminal trabalhista tributário consumidor e outros. distribuição de processos e recursos eletrônicos em geral , para todos tribunais do brasil. recursos para Brasília (STF e STJ).habeas corpus. mandado de segurança. consultoria para empresas e pessoas físicas . orçamento gratuito. formado pela u.v.a em 1999. mais de 20 anos de experiência comprovada.

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0