Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

PetiçãoDestaque dos editores

Operadora cobra para transferir celular para o presenteado

Exibindo página 2 de 2

DA INQUESTIONÁVEL OCORRÊNCIA DO DANO MORAL NO CASO SOB COMENTO

            46.Um dos fundamentos de nosso Estado Democrático alicerça-se no princípio absoluto da dignidade da pessoa humana, tal como disposto no art. 1º, III, da Constituição Federal de 1988 e, como tal, a Carta Política assegura ao indivíduo, como garantia fundamental, o direito à indenização pela violação de sua intimidade, vida privada, honra e imagem, consoante art. 5º, X, da mesma Carta.

            47.Da mesma forma que a prestação de um serviço defeituoso, nota-se pelos fatos aduzidos, que a conduta da Ré não ficou aí limitada, gerando um dano extrapatrimonial ao Autor que, nos termos da responsabilidade objetiva do fornecedor, legalmente imposta, merece ser ressarcido.

            48.Ao não transferir a titularidade do contrato de prestação de serviços espontaneamente, em razão da exigência de pagamento de taxa exorbitante, o que fez com que a Autora necessitasse entrar em contato com a Ré por inúmeras vezes, tendo, inclusive, comparecido também em várias oportunidades as lojas daquela, verifica-se que a conduta da Ré ultrapassou os meros aborrecimentos cotidianos, refletindo-se na sua esfera psicológica, nos termos de decisões proferidas, de conhecimento notório, pelos Juízos deste Tribunal.

            49.Nesse contexto, o dano moral na doutrina moderna especializada, muito mais do que mera dor, vexame ou humilhação, é configurado pela lesão ao princípio nuclear do ordenamento jurídico brasileiro, qual seja, o da dignidade da pessoa humana (art. 1º, III, da CF/88).

            50.Como esclarece, com profunda propriedade, o Professor e Juiz de Direito do E. Tribunal de Justiça desse Estado, André Gustavo Corrêa de Andrade, "um indivíduo, pelo só fato de integrar o gênero humano, já é detentor de dignidade (...). A dignidade pressupõe a igualdade entre os seres humanos. Este é um dos seus pilares. (...)". (O princípio fundamental da dignidade humana e sua concretização judicial. In Revista de Direto do TJ/RJ, n. 58, pp. 49-68).

            51.Continua o abalizado Professor:

            O respeito à dignidade humana não constitui ato de generosidade, mas dever de solidariedade. Dever que a todos é imposto pela ética, antes que pelo direito ou pela religião.

            O respeito à dignidade humana constitui princípio fundamental. (...) independe, para a produção de efeitos jurídicos, de inclusão expressa em texto normativo.

            Impõe-se, admitir, porém, que a introdução do princípio da dignidade humana no texto constitucional é importante para sua efetiva proteção e o seu amplo desenvolvimento pelos órgãos públicos em geral e, em especial, pelos órgãos de aplicação do direito.

            52.E conclui o i. jurista, expondo as razões para a –infelizmente –, pouca aplicação do referido princípio pelos nossos Tribunais:

            Chegando a Constituição Federal a 15 anos de vigência, ainda é relativamente escassa na nossa jurisprudência a aplicação explícita do princípio da dignidade humana. Isso é conseqüência, dentre outras razões, da tendência dos juristas dos países integrantes da família romano-germânica em ver o direito como um ordenamento fechado de normas escritas, aplicáveis mediante um processo interpretativo de subsunção do fato à norma (rectius, ao texto normativo), como se essa já trouxesse consigo o seu próprio sentido.

            Há uma considerável dificuldade em aceitar que os princípios, explícitos ou implícitos, também constituem normas jurídicas. A doutrina moderna substituiu a clássica oposição entre princípios e normas pela distinção entre princípios e regras. Ambos (os princípios e as regras) constituem espécies distintas de normas jurídicas, embora com características diferenciadas.

            É importante salientar que os princípios constituem o fundamento ou a razão de ser das regras jurídicas, o que, desde logo, salienta a precedência daqueles sobre estas (...).

            53.Sendo certo que os princípios, assim como as regras, também são normas jurídicas, em uma perspectiva pós-positivista, que coloca a Constituição como norma suprema do ordenamento jurídico, na qual todas as demais deverão buscar fundamento de validade, o princípio da dignidade da pessoa humana é o imponderável fiel da balança, norte interpretativo, que precisa ser a lanterna que trará luz para o caso concreto.

            54.A despeito da dificuldade em se quantificar com exatidão, em bases monetárias, a dor moral de um ser humano, busca-se na espécie, recompor o equilíbrio da relação, a qual se aperfeiçoa com a devida compensação, reparadora do dano suportado.

            55.Ressalte-se, ainda, o caráter punitivo, preventivo e educativo de tal sanção, no sentido de prevenir a Ré, para que tal conduta não se torne habitual perante seus consumidores, e que deve levar em consideração, outrossim, o porte econômico da empresa, de forma que a indenização, longe de servir de incentivo a temida "indústria" do dano moral, não seja tão vil que acabe por se tornar estimuladora da conduta danosa da Ré.

            56.Por todo o exposto, caracterizado está o dano causado a Autora, de natureza moral, e que deve ser reparado. Somente condenando os maus fornecedores de serviço que a proteção às relações de consumo prosperará e, enfim, a almejada e verdadeira Justiça prevalecerá.


DO PEDIDO

            57.Ex positis, é a presente para requerer a V. Exa., que se digne a:

            a)a citação da Ré para comparecer à audiência de conciliação, instrução e julgamento para, querendo, responder à presente, sob pena de revelia e confissão da matéria de fato;

            b)inverter o ônus da prova, ante a hipossuficiência técnica da Autora e a verossimilhança do alegado, nos termos do art. 6º, inciso VIII, do Código de Defesa do Consumidor;

            c)seja, ao final, julgada procedente a presente demanda, sendo emitido preceito declaratório de nulidade de cláusula contratual, especificamente do item nº 16.3 do Contrato de Prestação de Serviço Móvel Pessoal firmado entre Autora e Ré, que diz respeito ao pagamento de taxa para a transferência de titularidade, pois a mesma resta por abusiva e excessivamente onerosa para a Autora, sendo declarada a inexistência de quaisquer débitos pendentes devidos pela Autora e, seja, ainda, condenada a Ré a indenizar a Autora pelos danos morais sofridos, em valor a ser fixado ao prudente arbítrio de V. Exa, tendo em vista, sobretudo, a extensão dos danos narrados e o caráter preventivo-pedagógico da indenização pleiteada.


DAS PROVAS E DO VALOR DA CAUSA

            58.Protestando por todo gênero de provas em Direito admitido, dá-se à presente o valor de R$ 7.000,00 (sete mil reais).

            Termos em que,

            Pede deferimento.

            Rio de Janeiro, 14 de junho de 2006.

            BIANCA SALGADO FARSURA DE SOUZA

            IFP Nº 11.216.218-5

            EDUARDO RODRIGUES JUNIOR

            OAB/RJ 138.909-E

Página 2 de 2
Assuntos relacionados
Sobre os autores
Eduardo Rodrigues Júnior

estagiários no Rio de Janeiro (RJ)

Bianca Salgado Farsura de Souza

estagiária no Rio de Janeiro (RJ)

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

JÚNIOR, Eduardo Rodrigues; SOUZA, Bianca Salgado Farsura de. Operadora cobra para transferir celular para o presenteado. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 11, n. 1156, 31 ago. 2006. Disponível em: https://jus.com.br/peticoes/16713/operadora-cobra-para-transferir-celular-para-o-presenteado. Acesso em: 28 mai. 2022.

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!