Ao navegar, você aceita que o Jus use cookies e parcerias para personalizar conteúdo e anúncios. Política de Privacidade

Símbolo do Jus.com.brJus.com.br

Petição

Ação de divórcio consensual

AÇÃO DE DIVÓRCIO CONSENSUAL.

Excelentíssimo Senhor Doutor Juiz de Direito da ___° Vara Cível da Comarca de xxxxxx

Parte autora, nacionalidade, estado civil, profissão, portadora do RG n° xxxxxxx, e inscrita sob o CPF n° xxxxxxx,  e-mail, residente e domiciliada na rua xxxxx, n° xxx, no município de xxxxxx, e Parte ré, nacionalidade, estado civil, profissão, portador do RG n° xxxx, e inscrito sob o CPF n° xxxxx, não possui e-mail, residente e domiciliando na rua xxxxx  n° xx no município de xxxxxx,  vem a presença de Vossa Excelência, por meio da Defensoria Pública, propor AÇÃO DE DIVÓRCIO CONSENSUAL, pelos Motivos de Fato e de Direito adiante descritos:

DA GRATUIDADE DA JUSTIÇA

 Os Requerentes pleiteiam os benefícios da justiça gratuita nos termos da lei n°1.060/50, por ser pobre na acepção jurídica da palavra, não podendo arcar com as despesas processuais em detrimento do próprio sustento, e de sua família.

DOS FATOS

Os requerentes são casados civilmente, sob o regime de comunhão parcial de bens desde xx de mês de xxx, conforme cópia da certidão de casamento anexa. E estão separados desde xxx, ou seja, há seis anos que encontra se cada qual morando em sua respectiva residência. Dessa forma, pretende os cônjuges o divórcio, visto que não lhe é mais satisfatório permanecer casados entre si.

Desta união foram concebidos três filhos, (nome do primeiro filho), nascido no dia xx de mês de xxxx. ( nome do segundo filho) nascido no dia xx de mês de xxxx. ( nome do terceiro filho) em xx de mês de xxx, conforme as certidões de nascimento em anexo. Atualmente residem com a sua genitora, podendo o genitor visitá-los em horário livre.

Os requerentes dispensam, no momento, pensão alimentícia para si, vez que possuem meios próprios de subsistência.

Durante a constância do matrimônio não foram constituídos bens materiais.

DO DIREITO

1-DO DIVÓRCIO

Diante das circunstâncias expostas, Os cônjuges pretendem, por mútuo consentimento, dissolver a sociedade conjugal, através do DIVÓRCIO DIRETO CONSENSUAL em face do exposto, nos precisos termos do artigo 226, § 6º da Constituição Federal, diz: “O casamento civil pode ser dissolvido pelo divórcio”.

Ainda, aduz o Art. 1.574 Código Civil:

Dar-se-á a separação judicial por mútuo consentimento dos cônjuges se forem casados por mais de um ano e o manifestarem perante o juiz, sendo por ele devidamente homologada a convenção.

Ensina João Roberto Parizatto:

“O casamento apesar de todos os critérios legais exigidos pelo Código Civil deve reunir pessoas que se amam e quererem constituir família, quando esses deverão ter tolerância recíproca, respeito, confiança, aliado a tantos outros fatores para que a união tenha condições de sobreviver. Deflagrado o desamor, a falta de confiança e respeito, não se justifica a continuidade da relação, podendo a separação ser decretada como ato benéfico aos próprios cônjuges”. (PARIZATTO, João Roberto. Separação e Divórcio: alimentos. 4. ed. Leme: Edipa, 2004. p. 26)

2- DA GUARDA

A Genitora ficará com a guarda dos filhos, sendo que o genitor poderá visitá-los em horário livre, desde que não atrapalhe o cotidiano das crianças. Tendo em vista que a genitora mostra ter mais tempo disponível e obedece aos requisitos dos incisos do §2 do art.1583 do cc, demonstrando então melhores condições para educar, cuidar, dar afeto, oferecer saúde e segurança a seus filhos. Dá a garantia do bem estar moral e social das crianças, incluindo os tipificados no art.6° da Constituição Federal, e no art.4° da lei n°8.069, conhecida como Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), é dever da família e da sociedade assegurar direito como lazer, profissionalização, cultura, dignidade e convivência familiar.

DOS PEDIDOS

Ante o exposto, requer a Vossa Excelência:

  1. Requer a gratuidade da Justiça nos termo da Lei n°1060/50, por ser pobre na acepção jurídica da palavra, não tendo como arcar com à custa de despesas processuais em detrimento do próprio sustento;
  2. A decretação do divórcio, pondo fim ao casamento, obedecendo ao seguinte termo: I – Que a guarda dos filhos ficará com a mãe, podendo o genitor visitá-los livremente;
  3. A expedição de mandado para o cartório de Registro Civil, determinando que proceda com a averbação do divórcio judicial junto ao registro de casamento dos requerentes;

Provarão o que for necessário, usando de todos os meios permitidos em direito, em especial pela juntada de documentos.

DO VALOR DA CAUSA

Dar-se o valor da causa quantia de R$  (valor por extenso) para mero fins fiscais 

Nesses termos aguarda deferimento

Local, data

__________________________________________________

DEFENSOR PÚBLICO

Página 1 de 1
Assuntos relacionados
Sobre a autora
Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelos autores. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi

Publique seus artigos
Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!