Os argumentos encontra-se sumulado no C. Superior Tribunal de Justiça que para a aplicação da multa de trânsito é necessária a dupla notificação: a notificação prévia de atuação e, posteriormente, a notificação de penalidade. Súmula 312 do STJ.

MAIS MODELOS: www.valterdossantos.com.br

 

ILUSTRÍSSIMO SENHOR SECRETÁRIO MUNICIPAL DO DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO de______________/SP.

VALTER DOS SANTOS, brasileiro, inscrito no CPF/MF sob o nº 000.000.000-00nº de registro da CNH 00000000000, titular da carteira de identidade RG nº 00.000.000-0SSP/SP, residente e domiciliado na Avenida Itavuvu, nº 3.560 – Jardim Santa Cecília, CEP 18078-005, Sorocaba/SP, tel.: (11) 953.382.021(meu WhastApp, com endereço eletrônico no e-mail va0421@gmail.com, PROPRIETÁRIO, devidamente prenotado no CRLV, carreado a esta, vem, respeitosamente, à presença de Vossa Senhoria, apresentar

RECURSO DA AUTUAÇÃO,

em face da imposição de Penalidade que lhe é imposta advinda do Auto de Infração, número do Nº do A. I. T5Z0424228, o que o faz com fundamento na Lei nº 9.503/97, e Resolução nº 404, de 12 de junho de 2012 C/C a Resolução nº 299, de 04 de dezembro de 2008, ambas do Conselho Nacional de Trânsito – CONTRAN, pelos fatos e fundamentos a seguir aduzidos:

INICIALMENTE

Autorizo DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO | DEMUTRAN, a seu critério, enviar para o correio eletrônico (e-mail), acima informado, as notificações de autuação ou penalidade, as cópias de autos de infração, os resultados de defesas/recursos de multa e outras petições.

I – DOS FATOS

Este Recorrente em pesquisa junto ao site do DETRAN/SP, verificou constar prenotado em seu prontuário AUTUAÇÃO POR INFRAÇÃO À LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO, na qual este Recorrente teria em tese na data de 07/11/2016 às 12h39min, quando estacionado na Praça Barão de Araras, S/Nº, Centro, CEP 13600-040, Araras/SP, cometido infração de trânsito por supostamente Estacionar em Desacordo com a Regulamentação Especifica.

Todavia, a Imposição de Penalidade não pode prosperar. Pois, a míngua da notificação da multa, o que impossibilitou assegurar a amplitude do direito de defesa incrustado na Constituição Federal, o que colide frontalmente com o direito do recorrente de apresentar sua defesa prévia, direito este que somente se efetiva a partir do momento em que, comprovadamente, se deu ciência ao apenado, o que de todo não ocorreu.

II – PRELIMINARMENTE

É cediço que o processo administrativo de trânsito, previsto no Capítulo XVIII do CTB, viceja quando atendido o procedimento estabelecido no artigo 280, o que pode-se verificar de forma mais cristalina, na Resolução do CONTRAN n. 404/12.

Outrossim, a lavratura do auto de infração (ou autuação) é o registro formal de um fato típico, devidamente comprovado pela autoridade de trânsito ou seus agentes, para a correspondente imposição da sanção administrativa cabível (em especial a penalidade de multa). E, conseguinte há que prosperar a notificação da multa ao seu possível infrator.

Nessa esteira, é notório o entendimento de que o artigo 282 versa sobre a notificação da multa, a sua redação demonstra que se trata da notificação a ser expedida, toda vez que for aplicada uma penalidade de trânsito, o que engloba todas as sanções administrativas constantes do artigo 256 do Código.

Extrai-se, portanto que a parte final do caput do dispositivo acima assegure a ciência da imposição da penalidade e, logo, obriga o órgão de trânsito à expedição da notificação. No caso trazido à bailha não ocorreu.

A necessidade de se certificar de que o Recorrente teve a ciência da imposição da penalidade mesmo que por “qualquer meio tecnológico hábil”, posto que a notificação DEVE garantir a amplitude do direito de defesa incrustado na Constituição Federal;

A Administração pública deve atender, entre outros, ao princípio da legalidade estrita (artigo 37 da Constituição Federal), o que significa dizer que só pode fazer aquilo que está expressamente previsto na norma jurídica; a este respeito, não há qualquer dispositivo legal que assegure o não envio da notificação ao Recorrente, pelo contrário, inclusive é assegurado aos litigantes, em processo judicial ou administrativo, e aos acusados em geral o direito ao contraditório e à ampla defesa, conforme prescreve o artigo , inciso IV, da Constituição Federal, e para isto há que ser notificado para se defender.

Pois, o recurso é uma prerrogativa que assiste a todo cidadão atingido por ato punitivo da administração de trânsito, cabendo a esta deixar bem transparente os canais de apresentação e tramitação.

O ato administrativo punitivo relativo à prática infracional de trânsito, precedido de ações que tenham assegurado ao infrator o exercício da defesa prévia, se efetiva a partir do momento em que, comprovadamente, se deu ciência ao apenado. A ciência ao infrator apenado far-se-á através de um dos meios usuais de comunicação:

a - notificação pessoal;

b - correspondência postal registrada com ou sem "aviso de recebimento";

c - utilização de meios eletrônicos, desde que haja o recebimento da mensagem pelo operador receptor;

d - edital publicado em órgão oficial com resumo do ato punitivo, após fracassadas as três formas anteriores de comunicação.

O que não ocorreu no caso em comento, logo o proprietário do veículo não foi efetivamente notificado, devendo ser a abertura de novo prazo medida que se impõe, para pagamento da multa com desconto (artigo 284) e/ou para a interposição de recurso administrativo (aliás, a possibilidade de o órgão de trânsito refazer o ato da notificação, consta, atualmente, no artigo 19 da Resolução do CONTRAN n. 404/12).

Neste sentido, vale destacar o posicionamento do Supremo Tribunal Federal, esposado nas Súmulas 346 e 473, que assim consignou:

"A Administração pública pode declarar a nulidade dos seus próprios atos" e "A Administração pode anular seus próprios atos, quando eivados de vícios que os tornam ilegais, porque deles não se originam direitos; ou revogá-los, por motivo de conveniência ou oportunidade, respeitados os direitos adquiridos, e ressalvada, em todos os casos, a apreciação judicial". (grifei)

É latente o vicio ora em questão.

III – DO DIREITO

O inconformismo do requerente restringe-se à falta de oportunidade para a apresentação de defesa prévia na via administrativa em face das autuações lavradas pelo DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE TRÂNSITO | DEMUTRAN e prenotada no DETRAN/SP. Pois, não foi previamente notificado, só tomando ciência das mesmas quando foi impedido de obter o Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo referente ao ano de 2017.

Conforme entendimento sumulado no verbete n. 312 pelo e. Superior Tribunal de Justiça, que possui a atribuição constitucional de pacificar a interpretação da legislação federal:

“No processo administrativo para imposição de multa de trânsito, são necessárias as notificações da autuação e da aplicação da pena decorrente da infração.” (grifamos)

Vejamos, pois o que o diz o Código de Trânsito nesse sentido:

O procedimento administrativo para a imposição de multas de trânsito prevê a oportunidade de defesa prévia mediante dupla notificação. Art. 281 e seguintes do Código de Trânsito Brasileiro e Súmula nº 312 do STJ.

O conjunto fático demonstrado nos revela que não foram observadas as normas procedimentais estabelecidas no art. 281 e seguintes do Código de Trânsito Brasileiro, não tendo sido oportunizado ao Recorrente a devida defesa prévia e o contraditório, mediante a primeira notificação da autuação seguida da notificação da penalidade encaminhada ao endereço do infrator.

A falta do envio ao infrator/autor da notificação de autuação e da notificação de penalidade, em cumprimento ao art. 281 e seguintes do Código de Trânsito Brasileiro, impõe o acolhimento de seu pleito de anulação da multa de trânsito em testilha.

Não bastasse isto assim consigna a RESOLUÇÃO Nº 404 do CONTRAN, senão vejamos:

Art. 3º À exceção do disposto no § 5º do artigo anterior, após a verificação da regularidade e da consistência do Auto de Infração, a autoridade de trânsito expedirá, no prazo máximo de 30 (trinta) dias contados da data do cometimento da infração, a Notificação da Autuação dirigida ao proprietário do veículo, na qual deverão constar os dados mínimos definidos no art. 280 do CTB e em regulamentação específica.(grifamos)

Além do mais, encontra-se sumulado pelo Colendo Superior Tribunal de Justiça que para a aplicação da multa de trânsito é necessária a dupla notificação: a notificação prévia de atuação e, posteriormente, a notificação de penalidade. Súmula 312 do STJ.

A exigência de dupla notificação em infração de trânsito decorre de interpretação das normas contidas no Código de Trânsito Brasileiro.

A ausência da dupla notificação viola a garantia da plena defesa prevista na Constituição da República.

Por este motivo, pautado o agente público na estrita legalidade, deve esta autoridade de trânsito, anular a AUTUAÇÃO POR INFRAÇÃO À LEGISLAÇÃO DE TRÂNSITO em comento, pois eivada de vícios que a torna ilegal, porque dela não se origina direitos.

III – DOS PEDIDOS

Diante do exposto REQUER-SE digne-se Vossa Senhoria em determinar:

a) A anulação do referido processo administrativo para imposição de penalidade à Infração de trânsito, no pé em que se encontra;

b) Requer, igualmente, a nulidade da citação direcionada para outro endereço, que não o prefaciado pelo recorrente.

c) Caso esse não seja o entendimento de Vossa Senhoria, o que o faz apenas por hipótese, REQUER-SE a abertura de novo prazo para interposição de defesa prévia por se considerar quinado a vícios inconsistente e oportunizar a devida notificação ao recorrente nos termos acima delineados;

Por derradeiro, seja a negativa, fundamentada, e entregue por escrito diretamente ao Recorrente ou no endereço acima citado, no prazo de 05 dias, com a devida motivação e identificação do julgar sob pena de nulidade, a fim de instruir a medida judicial cabível, por ser medida da mais LÍDIMA JUSTIÇA!

Sorocaba/SP, 09 de março de 2016.

_____________________________________________________

VALTER DOS SANTOS

MAIS MODELOS: www.valterdossantos.com.br


Autor

  • Valter dos Santos

    Professor VALTER DOS SANTOS! É Bacharel em Direito pela Universidade Paulista - UNIP; Possui graduação em Processos Gerenciais pela Universidade Cidade de São Paulo; MBA - Master in Business Administration - Gestão em Estratégica Empresarial; Curso Superior de Técnico de Polícia Ostensiva e Preservação da Ordem Pública, ministrado na Escola Superior de Soldados (ESSd) da PMESP, é Técnico Em Transações Imobiliárias. Foi funcionário público por quase 10 anos, aprovado em diversos concursos públicos. AUTOR do BLOG: https://www.professorvalterdossantos.com/

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria