Requerimento de alvará judicial para levantamento de saldo proveniente de contas vinculadas de PIS/PASEP existentes em favor de NOME DO FALECIDO.

 

AO JUÍZO DA __ª VARA DE FAMÍLIA DA COMARCA DE ___________, ESTADO DE __________________________.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 (Nome), (nacionalidade), (estado civil), (profissão), portadora da carteira de identidade de n.° xxxxx e inscrita no CPF/MF sob o nº. xxxxx, residente e domiciliado na (Rua), (número), (bairro), (Cidade), (Estado), (CEP), endereço eletrônico xxxxx, por sua advogada que ao final subscreve, vem respeitosamente à presença de Vossa Excelência, com fundamento na Lei 5.478/68, requerer

 

ALVARÁ JUDICIAL

 

para levantamento de saldo proveniente de contas vinculadas de PIS/PASEP e FGTS existentes em favor de NOME DO FALECIDO, (nacionalidade), (estado civil), (profissão), portadorada carteira de identidade de n.° xxxxx e inscrito no CPF/MF sob o nº. xxxxx, tendo como último domicílio (Rua), (número), (bairro), (Cidade), (Estado), (CEP),   e não percebidas em por ele em vida, pelos motivos de fato e de direito a seguir aduzidos.

 

 

I – DO PEDIDO DE GRATUIDADE DE JUSTIÇA

 

 

Inicialmente, afirma não possuir condições para arcar com o pagamento das custas processuais, sem prejuízo de sua mantença. Requer à V.Exa. a concessão dos benefícios da justiça gratuita, nos termos do art. 5º, LXXIV da CF/88, da Lei 1.060/50 e art. 98 e seguintes do Código de Processo Civil.

Anexo: contracheque – declaração do imposto de renda- declaração de hipossuficiência.

 

DOS FATOS

 

A Requerente casou-se com o de cujus em xxxxx adotando o (esclarecer o regime de casamento), conforme certidão de casamento anexo, matrícula nº. xxxxx . (Doc. J.)

Por opção pessoal resolveram não ter filhos, sendo a Requerente a única herdeira na linha sucessória, necessitando desta quantia pleiteada para sobreviver, haja vista perceber o valor mensal de R$xxxxx, referente sua aposentadoria.

O de cujus entrou em óbito em xxx, deixando de levantar os valores, referente ao PIS/PASEP de n.° xxxx, depositados na Caixa Econômica Federal, perfazendo um total de R$ xxx (valor por extenso). (Doc.J.)

Esclarece que não há outros bens sujeitos a inventário.

 

DO DIREITO

 

A Lei 6.858/80 instituiu em nosso ordenamento jurídico a figura do alvará judicial para fins sucessórios, a qual foi regulamentada pelo Decreto 85.845/81. Dentre as possibilidades contempladas pelo dispositivo legal em epígrafe, consta o levantamento de saldos bancários, como se verifica in verbis:

“Art. 1º - Os valores devidos pelos empregadores aos empregados e os montantes das contas individuais do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço e do Fundo de Participação PIS-PASEP, não recebidos em vida pelos respectivos titulares, serão pagos, em quotas iguais, aos dependentes habilitados perante a Previdência Social ou na forma da legislação específica dos servidores civis e militares, e, na sua falta, aos sucessores previstos na lei civil, indicados em alvará judicial, independentemente de inventário ou arrolamento.”

O inciso IV do art. 20 da Lei nº 8.036/90 dispõe que:

“Inciso IV, art. 20: o dependente habilitado à pensão por morte poderá levantar o montante depositado no FGTS e PIS/Pasep, na instituição financeira indicada pelo órgão pagador da pensão, apresentando a Declaração de Beneficiários Habilitados, certidão para o saque, sendo o valor isento de tributação de impostos, conforme o art. 28.

Parágrafo único, ou na falta de dependentes habilitados, por seus sucessores, previsto na lei civil, indicados em alvará judicial, expedido a requerimento dos interessados, independentemente de inventário ou arrolamento.

 

Assim, a verba em questão não deve inventariada, devendo ser paga aos dependentes habilitados junto à Previdência Social e, na hipótese de inexistência de dependentes, aos sucessores legais.

Precedentes do TJRJ.

“0000808-57.2018.8.19.0070 – APELAÇÃO - Des(a). GUARACI DE CAMPOS VIANNA - Julgamento: 03/09/2019 - DÉCIMA NONA CÂMARA CÍVEL - APELAÇÃO CÍVEL. ALVARÁ JUDICIAL. VALOR EM CONTA BANCÁRIA SUPERIOR A 500 ORTN AUSÊNCIA OUTROS BENS A PARTILHAR. POSICIONAMENTO DO SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA, ATRAVÉS DO JULGAMENTO DO RECURSO REPRESENTATIVO DE CONTROVÉRSIA N.º RESP 1168625, COM NOVO CRITÉRIO PARA AFERIR O VALOR DE 50 OBRIGAÇÕES REAJUSTÁVEIS DO TESOURO NACIONAL ¿ ORTN, SENDO APLICADO PELA JURISPRUDÊNCIA PÁTRIA O JULGAMENTO POR EQUIDADE, COM VISTAS A DESBUROCRATIZAR O LEVANTAMENTO DE VALORES QUANDO A QUESTÃO SE COADUNA COM OS DEMAIS PRECEITOS EXIGIDOS PELA LEGISLAÇÃO APLICÁVEL À ESPÉCIE (LEI 6858/80). NA ESPÉCIE, A RECORRENTE PRETENDE O LEVANTAMENTO DE QUANTIA DE R$ 33.824,62 (TRINTA E TRÊS MIL, OITOCENTOS E VINTE E QUATRO REAIS E SESSENTA E DOIS CENTAVOS), SENDO O LIMITE LEGAL CONVERTIDO EM REAIS EM UM VALOR APROXIMADO DE 11.000,00 (ONZE MIL REAIS). VIÁVEL O JULGADOR AUTORIZAR A EXPEDIÇÃO DE ALVARÁ PARA LEVANTAMENTO DE VALOR DEPOSITADO EM CONTA CORRENTE DE TITULARIDADE DO FALECIDO, MESMO QUANDO ULTRAPASSAR O TETO DE 500 OTN, ESTABELECIDO NO ARTIGO 2º, CAPUT, DA LEI Nº 6.858/80, PORQUANTO O ALVARÁ JUDICIAL É UM PROCEDIMENTO DE JURISDIÇÃO VOLUNTÁRIA, EM QUE O JUIZ NÃO ESTÁ OBRIGADO A OBSERVAR O CRITÉRIO DE LEGALIDADE ESTRITA, PODENDO ADOTAR EM CADA CASO A SOLUÇÃO QUE REPUTAR MAIS CONVENIENTE OU OPORTUNA (JULGAMENTO POR EQUIDADE); PORQUE O ESPÍRITO DA REFERIDA LEI FOI JUSTAMENTE DESBUROCRATIZAR O RECEBIMENTO DE VALORES EM CONTA BANCÁRIA, SEM QUE HAJA OUTROS BENS A INVENTARIAR. RECURSO QUE SE DÁ PROVIMENTO PARA AUTORIZAR O LEVANTAMENTO.”(grifos nossos)

 

DOS PEDIDOS

 

 Por todo o exposto requere:

  1. A concessão da gratuidade de justiça pleiteada;
  2. A intimação do douto representante do Ministério Público;
  3. A procedência da presente ação com a conseqüente expedição de ALVARÁ JUDICIAL, em nome de (nome da requerente), autorizando-a ao levantamento dos valores do PIS depositados em nome de xxx na conta xxxx da Caixa Econômica Federal.
  4. Protesta-se pela produção de toda prova admitida em direito.

 

Dá-se à causa o valor de R$ xxxxx

 

Nestes termos,

Pede deferimento e juntada.

 

 

(Local e data)

Advogado(a)

OAB/__ n. _


Autor

  • Andrea Vieira

    Andrea Vieira advoga há mais de 23 anos na área cível, prestando serviço jurídico de alta qualidade, com resultados expressivos em seus casos e atendimento humanizado, proporcionando uma experiência personalizada para cada novo cliente do escritório.

    Em constante busca pelo aprimoramento na profissão, encontra-se na mídia com diversos artigos publicados, além de E-books voltados para advogados iniciantes, os quais ensinam a prática jurídica.

    Nosso endereço eletrônico https://www.avadvocaciarj.com.br/ Criadora do instagram @av.artigosjuridicos

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Regras de uso