Razão pura teórica e razão pura prática de KANT

Estou estudando o filósofo Kant e não entendi os conceitos de Razão pura teórica e razão pura prática. Alguem poderia me explicar? Gostaria de pedir, se possível, que alguém me mencionasse os principais pontos que foram superados por Kant no que se refere a Aristóteles e a moral cristã.

Respostas

5

  • O pensador

    Bom dia,
    Em primeiro lugar, para um estudo sério de Kant, recomendo que leia suas obras. Será fundamental para que possa tirar suas próprias conclusões.

    Para não lhe furtar o prazer da descoberta por si mesma, lhe darei algumas dicas para instigá-la à leitura:
    Razão teórica: Fenomenum, mundo da causalidade
    Razão prática:Numenum, mundo da liberdade, livre-arbítrio.

    Quanto à segunda parte de sua questão, vou lhe dar uma dica: A superação foi numa frase, o deslocamento da filosofia do campo transcendente para o campo transcendental. A metafísica passa a ser a metafísica do sujeito.

    Agora com estas dicas, basta ler as obras,
    Boa sorte!

  • bruna266

    Concordo com você que Kant é um filósofo que deve ser estudado com atenção, mas eu infelizmente não disponho de tempo suficiente para isso. Peguei alguns livros na bilioteca da faculdade para aprender mais sobre ele, mas infelizmente nenhum me exclareceu o que seria a razão pura teórica e razão pura prática, pois partem do pressuposto que o leitor já tem algum conhecimento sobre o assunto.

    Poderia, por gentileza, me ajudar a descobrir o significado dessas razões?

  • Cavaleiro do Apocalipse

    É muito complexo, e não é possível aprender filosofia com frases prontas, mas, em síntese, seria assim:

    Razão teórica/filosofia teórica: pergunta pela verdade ou pela falsidade. Aqui se observa uma realidade.

    Razão prática/filosofia prática: pergunta pelo certo ou errado. Aqui se questiona uma ação concreta.

    E Kant se vale do esquema sujeito-objeto e da subjetividade, ou seja, o mundo é explicado pela natureza (pelas essências), numa relação sujeito-objeto (a verdade é a adequação do intelecto com a coisa, como adequação do olhar ao objeto), sendo que o sujeito assujeita o objeto.

    Completamente superado, primeiro porque não há mais cisão entre razão prática e razão teórica, segundo porque o mundo é explicado pela linguagem, o acesso aos objetos sempre se dá através da linguagem (nunca diretamente), assim, e o homem nunca descreve a natureza, mas, tão só, a sua compreensão. Nós descrevemos não é a realidade, mas, tão só, o nosso modo de compreender a realidade.

  • Cavaleiro do Apocalipse

    O muda com Kant, é que com ele ocorre o nascimento da subjetividade. Assim, o mundo passa a ser “explicado” pela “razão”. Da essência passa-se para consciência (filosofia da consciência).

  • O pensador

    Gostei mais da explicação do Pedrão.
    O conteúdo foi o mesmo, mas creio que ficou mais didático, principalmente para quem está iniciando - menos na parte do completamente superado, que a consulente não vai entender nadinha. Eu tinha parado onde a filosofia de Kant superaria as anteriores e o colega foi mais longe.
    Tratou também do pós-Kant onde a teoria do conhecimento foi superada, pois com a hermenêutica (nova) pudemos vislumbrar um mundo totalmente novo onde é impossível delimitar a fronteira do sujeito que conhece do objeto que se dá a conhecer.

    Mas, de maneira nenhuma desmerece a obra kantiana. Mesmo restando superada a dicotomia sujeito-objeto, considero Kant ainda fundamental no campo da ética. Creio que a idéia de liberdade teorizada por kant, que é expressada por seu imperativo categórico ainda não restou superada.

    Saudações,