Guarda de filho

Olha estou em uma situação meio confusa e gostaria de esta tirando essa duvida com vcs, sou casada a 2 anos e tenho um filho de 6 meses, mais meu casamento esta literalmente um fracasso, eu e meu marido brigamos muito, e não estamos estamos mais suportando viver um com o outro, ele sempre ele fala que quer o divorcio, ele me agride etc, mais temos esse filho, a minha duvida é, caso separamos eu tenho a guarda do meu filho, pois ele sempre me ameaça falando que o filho não vai ficar cmg, e eu fico com medo de aceitar o divorcio por esse motivos, e se realmente chegar ao fim do casamento, a guarda fica cmg, eu terei que voltar pra minha cidade, pois não morarava na mesma cidade que meu marido, ele pode tirar meu filho caso eu tenha que voltar pra minha cidade, pois não teria familiares por perto, e sobre a guarda compartilhada, eu não iria aceitar, pois não damos certo, e ele gosta muito de mandar na criação do meu filho, então iria da muita briga, e iria sem duvida prejudicar ainda mais meu filho, sendo que estarei saindo desse casamento para proteger meu filho, pois não quero criar ele do lado de uma pessoa que me faz tão mal, e sem duvida o lar não ia ser um dos melhores para criação do meu filho, me tira essa duvida por favor, sobre, mudar de cidade? guarda com a mãe? e não aceitar a guarda compartilhada?

Obrigada e por favor não deixa de me ajudar nessa.

Abraços

Respostas

38

  • Causidico

    Boa noite! voce cmo mãe tem seus direitos e ele como pai tem os dele. A guarda deve fcar com aquele que apresentar melhores condições para criá-lo, em regra, fica com a mãe. No que se refere a mudar de cidade, desde que seja para buscar melhor condiçõ de vida um Juiz entenderia, ok, Quanto a não querer a guarda compartilhada, pode ser visto pelo juiz com alo ruim para o filho. Pois, independee da vida do casal, oque deve ser mantido é o vínculo entre pai e filho, como mãe e filho. Proibir esse vínculo pode até ser entendido com algo ruim.

    Maiores duvidas deixe e-mail.


    Boa Sorte.

  • Rara

    Nesse caso eu teria que ficar na mesma cidade que a dele que é a capital, sendo que a minha é no interior, mais tenho todas as condições, fui criada nela, mais meu caso não é tirar meu filho dele, logico que não, é querer saber se a guarda seria minha, sendo ele poder v ele de 15 em 15 dias? eu deixei tudo para mudar para cidade dele, e acabou não dando certo, agora tenho que retorna de onde vim, pois é la q tenho a minha estrutura, tem como me esclarecer esse caso, com mais detalhe, meu Email é raissadelesporte00@hotmail.com

  • Maria Tereza Adv.

    Raissa
    O fato de voce ter que mudar de cidade e o pai so ver a criança de 15 em 15 dias, nao é motivo para que voce nao faça jus a guarda. Voce só nao ficara com a guarda do seu filho, se o seu futuro ex marido, provar na justiça que voce nao é boa mae, que bate, maltrata, nao cuida da saude, alimentacao, vacinas... que abandona a criança... etc e etc...
    Voce ate pode se mudar primeiro e regularizar a questao do divorcio, guarda e pensao, na cidade onde ira morar. O unico requisito principal é informar ao pai o novo endereço e contato do menor. Em relacao a guarda compartilhada, com o relacionamento tao ruim, acho dificil o juiz conceder, mas mesmo que o faça, voce morar em outra cidade nao impede da mesma ser exercida, ja que o se compartilhada sao as decisoes sobre a criança e nao a residencia.

  • Petrus-br

    Prezados:


    Desde 2008 a REGRA é GUARDA COMPARTILHADA !

    Posição firmada em LEI, pelo STJ e STF.

    Minha cara, Mãe e Pai são igualmente importantes na vida do filho.
    o Filho não é SEU, nem é DELE ! Vocês dois é que são de seu filho !!

    Qualquer juiz que sentencie outra guarda que não que não seja a compartilhada, saem ter razões muito forte para tanto, terá sua decisão reformada, seja pelo Tribunal do Estado, seja pelo STJ.

  • Maria Tereza Adv.

    Petrus, a guarda compartilhada NAO É REGRA nao.
    Tem sido muito mais usada, mas vejo todos os dias os juizes ainda indeferirem esse tipo de guarda. Cada caso é um caso.

  • Rara

    Rosa Albuquerque e Petrus-br, obrigada pelo esclarecimento, mais quero deixa claro aqui, que meu objetivo não é tirar o filho do pai, jamais. Pois sei o quanto ele ama essa criança também, mais o que penso é, sendo que se eu ganhar a guarda do meu filho mesmo, e mudar de cidade, o pai iria poder pegar meu filho quando a qualquer hora, sou um otima mãe, me dedico para meu filho, quando me casei deixei o meu trabalho para mudar pra cidade do meu marido, e logo após o casamento tivemos esse filho, mais nosso casmento já naum ia bem, a tempo, e hj ainda continua brigas constantes, e ta no limite de suporta já, estou lutando pelo meu casamento, logico que sou contra divorcio, mais chegou num ponto que ele me quer só rpa vida dele, nao deixa eu ir visitar minha familia que não é daqui, tudo que eu vou fazer com meu filho ele não aceita, fala que quem manda é ele, e ele só faz o que ele quiser, eu naum posso ir com meu filho na rua, se eu for tenho que deixar na casa dos pais dele, então chegou num ponto que eu não posso ter uma vida normal, nem pra mim, e nem mesmo para exercer o papel de mãe de verdade, pois onde eu for quero ter meu filho por perto, não só dentro de casa, espero que tenham entendido meu caso.

    obrigado

  • Petrus-br

    Cara Rosa:


    Em Setembro (+/-) passado a Terceira Turma do STJ, presidida pela Min. Nancy Andrigh, firmou posição em recurso especial contra o TJMG.

    A Guarda Compartilhada passou a ser regra! Confira.

    Abraços

  • Rara

    PARA O PETRUS, ANDEI LENDO ALGUNS TOPICOS E NOS MESMO, VI QUE VC ASSIM COMO MTOS OUTROS PAIS, PASSOU PELO MESMO DRAMA DOM SEUS FILHOS, E NO QUAL CONSEGUIU A GUARDA DELES, PERGUNTO, ISSO ACONTECEU POR QUAL MOTIVOS? A MAE NAO FOI UMA BOA MÃE? NAO QUIS SABER DOS FILHOS? QUERO ENTENDER MELHOR SOBRE O ASSUNRTO.

    OBRIGADO MAIS UMA VEZ.

  • Petrus-br

    Minha cara Raissa:

    1) Em momento algum duvidei da qualidade de sua maternidade e do carinho por seu filho. Mas, até como pai, acho que você deve se por do outro lado (até porque seu ex é um bom pai, como disse) e verá que, dependendo da criação de cada família, ver de vez em quando, mesmo que o dia todo, não satisfaz ! Imagina se a proposta fosse inversa, ele muda de cidade com a criança ! Como você se sentiria ?

    2) No meu caso a questão foi:

    A) Separar era de comum acordo porém, não bastava separar, tinha que atingir a mim de alguma forma.

    B) Para me atingir, tão logo obteve a guarda provisória levou meus filhos para dois Estados e 670Km de distância objetivando impedir a convivência.

    C) Fiz uma primeira visita, no dia dos pais, e não permitiu que as crianças dormissem no hotel (duas quadras da casa dela) comigo) fui forçado a regulamentar.

    D) Ofertei pensão. Disse não precisar de nada e recusou. Depois, entrou com ação contra mim alegando descaso para com as crianças.

    E) Sou um dos redatores da lei da Alienação Parental, responsável por levar o PL ao então Deputado Federal Dr. Régis Fernandes de Oliveira, Desembargador aposentado, presidente do extinto TAC de São Paulo,e meu amigo pessoal.

    F) Obtive o apoio da APAMAGIS - Associação Paulista dos Magistrados, na época presidida pelo Desembargador Henrique Nelson Calandra, hoje presidente da AMB, e de outros colegas e amigos de peso.

    Hoje, Alienação Parental esta prevista em lei e, inclusive, engloba a questão de alteração de endereço. Nos EUA Importantes MESTRES da psicologia mundial lutam para enquadrá-la no DSM-V e no CID-11.

    Atualmente meus filhos residem comigo e todos estamos muito felizes.

    Espero ter esclarecido e ajudado.