Ir direto ao conteúdo

Redes Sociais do Jus Navigandi

  1. Jaqueline
    12/05/2004 16:46

    A empresa na qual eu trabalhava queria me mandar embora por justa causa,entrei com um processo na justiça e com isso contratei uma advogada, porem os 30% seria na minha rescisao, agora ela quer os 30% tambem do meu Fgts.
    Ela tem direito???

  2. João Celso Neto
    12/05/2004 16:56

    não sei que 30% são esses? É o percentual contratado por honorários advocatícios? Puxa, vou advogar pra você por 25%.

    Depende do que reza o contrato. Seu sindicato provavelmente teria lhe dado assistência judiciária mais barata, muito mais barata, apenas com uma taxa de êxito ou que outro nome dêem.

    Se está ali dito que vc paga 30% de tudo o que receber, paciência, contratou mal. Se for sobre as verbas rescisórias, FGTS não é verba rescisória. Se se tratar dos expurgos do FGTS, é outra ação, que não tem nada a ver, em princípio, com esse contrato e essa ação na JTb.

    Aliás, você não explicou direito de que trata sua RT, se é para transformar a rescisão em demissão sem justa causa ou se é para não ser demitida, reintegrando-se ao ou mantendo-se no emprego.

  3. Guilherme Alves de Mello Franco
    12/05/2004 22:59

    Jaqueline: Eu advogaria para você, por vinte. Mas, brincadeiras à parte, term razão o João Celso. Se existe contrato escrito, deve ser cumprido. Se, não, vale a regra do maior honorário legalmente previsto, que é de vinte por cento. Todavia, se você está sob o pálio da Justiça gratuita, nada deve, posto que obrigação do profissional atender a seu dever de ofício, em face de seu grau superior.Lado outro, a remuneração aos que advogam pela assistência judiciária não pode ser superior à quinze por cento. Qualquer outra dúvida, estou às ordens.

  4. Cristiano Gonçalves
    13/05/2004 08:27

    Isso me leva à uma reflexão de que ao botar a mão na carteria da OAB advogar para o lado dos empregados.

    Cristiano

  5. Fernando J. C. Gomes
    15/05/2004 16:21

    Prezada Sra. Jaqueline.

    Minha esposa precisou de advogado trabalhista e, por eu não gostar desaa área, orientei a procurar o seu sindicato ou um colega especialista.

    Após a vitória na Justiça, o advogado lhe cobrou os 30% sobre todas a verbas recebidas. Ela achou ruim e veio me consultar. Disse-lhe que o advogado também correu o risco de trabalhar por nada, já que tratou "honorários de êxito". Além disso, o colega custeou todas as despesas iniciais, incluindo as pessoais.

    Bem, aí está a minha resposta.

    Não gosto da Justiça do Trabalho por diversos motivos. O principal motivo é de haver uma prática comum chamada de "honorários de êxito". Aliás, esta prática que acho absurda, está poluindo a área cível.

    Se um indivíduo procura um médico, tem que pagar na hora seus honorários. Você já viu um médico cobrar de alguém somente quando este alcança a cura? Os hospitais praticam extorsão ao exigirem de pacientes o chamado "cheque caução" e ninguém se levanta para reclamar.

    Quanto ao máximo de honorários, somente os de sucumbência obedecem o limite máximo de 20% e o mínimo de 10%.

    Nem sempre 30% representa um valor compatível com o trabalho desenvolvido pelo advogado. Imagine 30% sobre R$ 1.000,00. Perdoe-me, mas não vale o trabalho. Prefiro 5% sobre um monte avaliado em R$ 200.000,00.

    Vale salientar que o advogado é um dos poucos profissionais que dão consultoria grátis. Um médico cobra em média R$ 80,00 para dizer que você está com uma "virose".

    Abraços.

    Fernando J. C. Gomes

  6. Sandra Zeituni
    02/06/2004 17:24

    Sou advogada trabalhista, e por motivo de localização de banca e de não ser da cidade, acabei por me especializar em Reclamantes.
    Não obstante, faço constar em TODAS as minhas iniciais o pedido de honorários de sucumbência, pois não acho justo e nem aceitável que o Reclamante (geralmente hipo-suficiente) sofra lesão de parte de seu direito líquido e certo, decorrente de atitude ilegal da empresa. O peço a contrário senso do enunciado 219 do TST e com fundamento no art. 133 da CF, 20 do CPC e 24, parágrafo 3 da lei 8906/94. No entanto nunca obtive êxito.
    Me revolta um empregado trabalhar 10 anos para uma empresa, ser demitido - geralmente sem justa causa - ouvir do empregador "procure seus direitos na justiça", e ter que pagar 3 anos para o advogado por uma atitude comprovada judicialmente ilegal da empresa empregadora. Por este motivo me recuso a cobrar honorários sobre FGTS e Seguro desemprego.
    Sonho sim, que todos que me procurassem tivessem condições de pagar honorários adiantados, conforme eventual tabela, e que recebessem integralmente seus direitos sociais.
    No entanto, como 80% da população usa o SUS, Posto de Saúde Público, Hospital Municipal/Estadual e atendimentos afins, não nos restou outra alternativa do que trabalharmos no risco do resultado.
    Desculpem-me meu desabafo, mas a situação realmente está difícil.
    Abraços a todos.
    É um prazer conhecer e participar deste fórum de debates.
    Abraços,
    Sandra

  7. ADRIANA FERREIRA DE CARVALHO
    05/12/2008 17:35

    venho atraves deste procurar e obter uma informaçao.o meu conjugue trabalhou em uma rede de super mercados no qual exerceu o cargo de encarregado por quinze anos consecutivos,porem no dia 04 dezembro 2008(ontem),foi demitido sem justa causa,mas a firma pediu a ele que procurasse seus direitos na justiça,ele nao recebeu nem o salario do mes que venceria agora no quinto dia util.o mesmo procurou orientaçoes a um advogado trabalhista,que o orientou quanto documentaçoes precisas,e valores a serem pagos por seu serviço.o advogado pediu 30% do valor da causa ganha e mais 10%do valor do seu fgts.seria correto o advogado pedir esses 10%do fundo de garantia?.lembrando que meu congugue assinou um papel no qual descrevia um valor de 30%do valor pela causa.nesse papel nao descreve esses 10% do fgts...por favor preciso de orientaçoes do valor correto que um advogado podera estar cobrando a ele.desde ja agradeço.adriana
  8. Alexandre Corrêa
    16/01/2009 16:06

    Sra. Adriana,

    Quanto ao seu questionamento, devo lhe responder que o advogado contratado por seu marido pode sim cobrar 10% sobre o FGTS.
    Embora não conste essa previsão no instrumento contratual (isto é, no papel) essa clásula faz parte do contrato, ainda que tenha sido convencionada apenas verbalmente.
    Infelizmente, ainda que pareça um valor exorbitante o advogado pode cobrá-lo, afinal de contas ninguém é obrigado a contratá-lo, na verdade ele correu o risco de ter perdido o caso para outro profissional com honorários mais modestos, mas ao que parece seu marido não contatou outros profissionais. Ficou a lição...

    Forte abraço,
    Alexandre Corrêa
  9. janiel
    01/02/2011 20:47

    meu advogado tem direito ao seguro desemprego?
    ele cobrou a parte dele ja no deposito que a empresa fez na conta dele
    sem eu ter nem recebido o seguro.
  10. Dr. ELIAS SILVA
    12/04/2011 12:29

    Apenas para acompanhar este tópico...

Participe do Fórum

Entre com seu cadastro do Jus Navigandi:

Esqueceu sua senha?

Não tem Facebook e quer participar do Fórum?

Faça perguntas, responda dúvidas e discuta assuntos jurídicos. É fácil e grátis!

JUS NAVIGANDI NAS REDES SOCIAIS