É possivel pagar retroativamente a contribuição do INSS?

Tenho 27 anos, comecei a trabalhar aos 13, fui inscrita no PIS em 1996...Tive poucos trabalhos com registro em carteira e passei a trabalhar informalmente...Estou a 10 anos sem contribuir com o INSS e gostaria de saber se tenho como pagar retroativamente esses 10 anos e seguir pagando mensalmente os próximos 20 anos para que eu me aposente? Em caso positivo, um contador pode fazer os cálculos ou tem que ser um advogado?Onde devo pagar?

Respostas

51

  • eldo luis andrade

    Estou a 10 anos sem contribuir com o INSS e gostaria de saber se tenho como pagar retroativamente esses 10 anos e seguir pagando mensalmente os próximos 20 anos para que eu me aposente?
    Resp: Só se você comprovar atividade remunerada no período. E documentalmente. Caso contrário suas contribuições não serão validadas para fins de aposentadoria.
    Em caso positivo, um contador pode fazer os cálculos ou tem que ser um advogado?Onde devo pagar?
    Resp: Isto é arriscado. Você deve se dirigir a uma agência do INSS para formalizar parcelamento. O cálculo será feito ali. E as guias de pagamento deverão ser emitidas pelo próprio INSS com código de pagamento próprio para parcelamento. Se o INSS deferir o parcelamento e entender que você por ter atividade remunerada no período tem o direito a contribuir para aposentadoria. Entre em contato com o 135 do INSS para maiores esclarecimentos e como fazer o parcelamento.

  • Silvio da Silva

    ja estou proximo dos 30 anos de contribuiçao(29anos) deixei de contribuir de 1990 a 1994 ,tenho os carnes de pagamentos ate 1994 ,posso pagar esse tempo(1990 a 1994) fui demitido em setembro de 2005 ,fiquei 8meses sem contribuir, nesse mesmo ano voltei a trabalhar em uma empresa e continuo contribuindo, se eu pagar esse tempo retroativo e atingir os 35 anos de contribuiçao ou ultrapassa-lo, eu posso me aposentar(nao encontrei o ponto de enterrogaçao no teclado) obs: minha idade:58 anos

  • terrana@bol.com.br

    Pagamento retroativo garante aposentadoria mais cedo
    Por: RIVALDO SANTOS
    O trabalhador que deixou de contribuir por algum período para a Previdência Social, em razão do desemprego ou qualquer outro motivo, tem a chance de fazer o pagamento em caráter retroativo e garantir, assim, uma aposentadoria mais cedo.
    A quitação dos atrasados não é uma mera concessão da Previdência Social. O direito está assegurado a todos os trabalhadores que deixaram ‘‘buracos’’ na contagem de tempo previdenciário.
    Não há limite de anos para quitar os atrasados. Um trabalhador que deixou de contribuir entre 1980 e 1985, por exemplo, poderá recolher os débitos desde que atenda aos requisitos legais.
    Para cada mês não recolhido, o acerto pode ser feito em até quatro parcelas. Um ano de atraso, portanto, pode ser quitado em, no máximo, 48 meses.
    Independentemente dos anos em atraso, o parcelamento está limitado a 60 meses. Além da atualização do débito, há incidência de juros e multa.
    O simulado do cálculo está disponível no site www.previdencia.gov.br, no ícone ‘‘serviços’’. Em seguida, o interessado deve clicar na frase ‘‘como calcular contribuições em atraso’’.
    Se houver recusa de pedido de parcelamento, o segurado tem a opção de recorrer às vias judiciais, depositando os valores em juízo. Na ação, deve solicitar a inclusão do período na contagem de tempo para aposentadoria.
    Inscrição obrigatória
    Os mais idosos são os maiores prejudicados com as lacunas no histórico previdenciário. Se não acertarem os atrasados, precisarão trabalhar por mais tempo para atingir o número mínimo de contribuições: 35 anos para homens e 30 para mulheres.
    Muitos dos que se encontram nessa situação são trabalhadores que perderam o emprego durante uma fase da vida e decidiram trabalhar por conta própria.
    Somente aquele que teve o cuidado de se registrar no INSS como segurado obrigatório (autônomo ou empresário individual, por exemplo) pode fazer o recolhimento retroativo.
    Mesmo que o trabalhador tenha apenas a inscrição no INSS, sem efetivar o recolhimento, o pagamento retroativo será admitido, desde que comprove o exercício de atividade remunerada.
    Os que não possuem a inscrição de autônomo ou empresário individual, no período que deixaram de contribuir, estão impedidos de efetuar o recolhimento.
    A exceção é para os segurados que trabalharam, sem carteira assinada, para empresas ou prestadores de serviços. Eles podem contar esse tempo mediante a apresentação da ‘‘justificação administrativa’’ no INSS. (ver matéria)
    Documentação
    Para comprovar o trabalho remunerado, o segurado pode apresentar notas fiscais de serviço, contratos ou recibos. Até testemunhas são aceitas.
    ‘‘Não há uma regra única. Cada caso será analisado individualmente’’, esclarece a gerente substituta da Regional do INSS em Santos, Amélia Rivera Salgado Gotardi.
    Outras informações podem ser obtidas em qualquer agência do INSS na região ou pelo telefone 0800-780191.
    Saiba mais
    1) Quem ficou desempregado pode recolher retroativamente?
    Tecnicamente, o desempregado não tem direito ao pagamento dos atrasados, por ser um segurado facultativo. Porém, se exerceu atividade remunerada, mesmo sem carteira assinada, poderá recolher as contribuições em caráter retroativo.
    2) Quais os requisitos para pagar os atrasados?
    Entre os requisitos obrigatórios, a inscrição do segurado no INSS, como autônomo ou empresário individual, é essencial. Também se exige a comprovação de exercício de atividade remunerada.
    3) Como provar o efetivo trabalho nos casos em que não houve recolhimento ao INSS?
    Notas de serviço, contratos, recibos de pagamento e até testemunhas são aceitas como prova de exercício de atividade remunerada. Cada caso será analisado individualmente.
    4) Quem trabalhou para empresa, mas sem carteira assinada, também pode recolher retroativamente?
    Neste caso, não será preciso fazer o recolhimento. O segurado, entretanto, terá que comprovar que trabalhou na empresa. Se houver recusa do INSS, deve acionar o Poder Judiciário.
    5) Há limites para o pagamento retroativo?
    O único limite fixado é do número de parcelas: quatro para cada mês em atraso. Os débitos podem ser quitados, no máximo, em 60 meses.
    6) Segurado facultativo (dona-de casa e estudante, por exemplo) pode recolher retroativamente?
    Não. O direito ao pagamento dos atrasados só está garantido aos segurados obrigatórios, como os autônomos e os empresários individuais.
    Fonte: INSS e Mohamed Advogados

  • Dr Ranniere Matilde

    Bom dia, pode.

    Vá a uma Agencia do INSS e peça para eles emitirem os boletos para você pagar os retroativos e fazer também o GPS (guia da previdencia social) para voce continuar normalmente pagando por mês.

  • edmilson6671

    Trabalhei para uma empresa no período de 1968 a 1971(portanto, 36 meses) sem registro em carteira de trabalho. Como posso contar esse tempo para efeito de tempo de contribuição? Fui a uma agência do INSS, onde me informaram que isso só seria possível se houvesse a ficha de registro de empregados, o que não existe, pois não fui registrado.
    Obrigado pela ajuda.

  • edmilson6671

    Trabalhei em uma empresa no período de 1968 a 1971(36 meses) sem registro em carteira, mas tenho declaração da empresa e cópias dos comprovantes de pagamento. Como posso fazer para contar esse período como tempo de contribuição? Fui a uma agência do INSS onde me informaram que isso não é mais possível, apenas com a cópia da ficha de registro e declaração da empresa seria possível.

  • rosana fiorio

    Minha mãe nasceu em 1951, tem 61 anos, trabalhou com carteira assinada por 6 anos até 1973, para se aposentar por idade aos 65, poderia pagar o periodo que falta para completar 15 anos, retroativamente, com numero de PIS, COMO facultativa (desempregada)?