Símbolo do Jus.com.br Jus.com.br

Artigo Destaque dos editores

Inelegibilidade motivada pela rejeição das "contas anuais" ou das "contas de gestão"

Exibindo página 2 de 2
17/09/2010 às 18:01

4. Contraditório e ampla defesa no julgamento das contas

O julgamento das contas deve observar o princípio do contraditório e da ampla defesa, sejam elas anuais ou de gestão, sejam do Chefe do Poder Executivo ou dos demais administradores.

Por força da norma prevista no artigo 5º, inciso LV, da Constituição Federal, tanto o Poder Legislativo como o Tribunal de Contas devem garantir ao responsável pelas contas o direito ao contraditório e a ampla defesa, devendo ser intimado de todos os atos para, querendo, apresentar sua defesa. Quando isso não ocorre, o processo administrativo e seu parecer prévio ou decisão devem ser objeto de anulação pelo Poder Judiciário.

Essa é a interpretação consolidada em nossos Tribunais:

EMENTA Medida cautelar. Referendo. Recurso extraordinário. Apreciação das contas do prefeito. Observância do contraditório e da ampla defesa pela Câmara Municipal. Precedentes da Corte. 1. A tese manifestada no recurso extraordinário, relativa à necessidade de observância dos princípios constitucionais do contraditório e da ampla defesa pela Câmara Municipal quando da apreciação das contas do prefeito, após parecer prévio do Tribunal de Contas, encontra harmonia na jurisprudência desta Suprema Corte. Presentes o fumus boni iuris e o periculum in mora. 2. Decisão concessiva da cautelar referendada pela Turma.

(AC 2085 MC, Relator(a):  Min. MENEZES DIREITO, Primeira Turma, julgado em 21/10/2008, DJe-241 DIVULG 18-12-2008 PUBLIC 19-12-2008 EMENT VOL-02346-01 PP-00032 RT v. 98, n. 882, 2009, p. 106-108)

EMENTA: PREFEITO MUNICIPAL. CONTAS REJEITADAS PELA CÂMARA DE VEREADORES. ALEGADA OFENSA AO PRINCÍPIO DO DIREITO DE DEFESA (INC. LV DO ART. 5º DA CF). Sendo o julgamento das contas do recorrente, como ex-Chefe do Executivo Municipal, realizado pela Câmara de Vereadores mediante parecer prévio do Tribunal de Contas, que poderá deixar de prevalecer por decisão de dois terços dos membros da Casa Legislativa (arts. 31, § 1º, e 71 c/c o 75 da CF), é fora de dúvida que, no presente caso, em que o parecer foi pela rejeição das contas, não poderia ele, em face da norma constitucional sob referência, ter sido aprovado, sem que se houvesse propiciado ao interessado a oportunidade de opor-se ao referido pronunciamento técnico, de maneira ampla, perante o órgão legislativo, com vista a sua almejada reversão. Recurso conhecido e provido.

(RE 261885, Relator(a):  Min. ILMAR GALVÃO, Primeira Turma, julgado em 05/12/2000, DJ 16-03-2001 PP-00102 EMENT VOL-02023-05 PP-00996)

PROCESSO - Anulatória – Contas do Prefeito - Populina - Sentença de procedência - Parecer Favorável do Tribunal de Contas - Refazimento da instrução na Câmara Municipal - Apuração de outras irregularidades - Falta de 0]X)rtunidade de defesa - O parecer do Tribunal de Contas, mesmo quando não vinculativo para o Legislativo Municipal, impede nova instrução perante a Câmara, sem cientificação formal do prestador para nova oportunidade de defesa - Negado provimento ao recurso. Sentença, cujo relatório se adota, de procedência da demanda promovida pelo recorrido em face da CÂMARA MUNICIPAL DE POPULINA, anulando o decreto legislativo 1/94 que rejeitou as contas do recorrido, entendendo caracterizado cerceamento de defesa, uma vez que a instrução não poderia ser refeita após o parecer favorável do Tribunal de Contas, pois o investigado já não tinha mais oportunidade de manifestação. Além disso, o legislativo apurou outras irregularidades, sem permitir ao ex-prefeito que se defendesse

TJSP - Apelação Com Revisão 994970030245 (433545800)

Súmula Vinculante nº 03, do Supremo Tribunal Federal: "Nos processos perante o Tribunal de Contas da União asseguram-se o contraditório e a ampla defesa quando da decisão que puder resultar anulação ou revogação de ato administrativo que beneficie o interessado, excetuada a apreciação do ato de concessão especial de aposentadoria, reforma e pensão".

Contrato administrativo – Administração, operação e exploração de terminal rodoviário – Irregularidade julgada pelo Tribunal de Contas – Falta de notificação da empresa vencedora para participar do processo administrativo – Inobservância do disposto pelo artigo 5º, inciso LV, da Constituição Federal – Não é válida a intimação genérica pelo Diário Oficial a fim de atingir parte interessada no julgamento Súmula vinculante nº 3 – Sentença mantida – Recursos improvidos.

(Apelação Cível nº 710.488-5/6, 6ª Câmara de Direito Público. Relator Des. Leme de Campos, 16/02/2009)

Nos termos do artigo 90, da Lei Complementar Estadual n 709, de 14 de janeiro de 1993, a intimação dos atos e decisões do Tribunal de Contas presume-se perfeita com a publicação no Diário Oficial, salvo as exceções previstas em lei. As exceções, nos termos da citada lei, estão previstas no artigo 91, que prevê, a notificação pessoal, nos processos de tomada de contas.

(Processo nº 053.07.111199-5, 9ª Vara da Fazenda Pública 21/01/2008. Em 26/04/10 negaram provimento ao Recurso do TCESP)


5. Suspensão liminar da decisão de rejeição de contas

A decisão irrecorrível do órgão competente somente deixa de produzir efeitos quando houver sido suspensa ou anulada por decisão do Poder Judiciário. Pela redação antiga, bastaria a propositura de ação judicial para os efeitos da inelegibilidade serem suspensos. Inclusive essa era a orientação descrita na Súmula 1, do Tribunal Superior Eleitoral, posteriormente alterada, passando a vigorar a nova orientação segundo a qual a mera propositura da ação anulatória, sem a obtenção de provimento liminar ou tutela antecipada, não suspende a inelegibilidade.


6. Conclusão

O Chefe do Poder Executivo será julgado pelo Poder Legislativo e os demais administradores serão julgados pelo Tribunal de Contas. Mesmo quando o Chefe do Poder Executivo age como ordenador de despesa, suas contas devem ser objeto de parecer do Tribunal de Contas, para posterior julgamento do Legislativo, pois esta competência é determinada pela qualidade da pessoa que presta contas, segundo inteligência dos artigos 31, 35, 49, inciso IX e 71, incisos I e II, da Constituição Federal.

Assuntos relacionados
Sobre o autor
Jamilson Lisboa Sabino

Ex-Procurador Geral do Município de Bertioga, Coordenador Científico de Cursos Jurídicos e Advogado especializado em Direito Público.

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

SABINO, Jamilson Lisboa . Inelegibilidade motivada pela rejeição das "contas anuais" ou das "contas de gestão". Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 15 , n. 2634, 17 set. 2010 . Disponível em: https://jus.com.br/artigos/17422. Acesso em: 8 ago. 2022.

Publique seus artigos Compartilhe conhecimento e ganhe reconhecimento. É fácil e rápido!
Publique seus artigos