O Brasil é o responsável por quase um terço do total de homicídios nas Américas e por quase 10% de todas as mortes do planeta. É país extremamente violento (e muito pouco cordial, pelo menos com os discriminados, que são torturáveis, prisionáveis e extermináveis).

O Brasil é um país construído em cima de algumas verdades, mas, sobretudo, de muitas mentiras. O mito da cordialidade do brasileiro é uma delas. Pode não ser uma mentira total, mas tampouco essa cordialidade é uma verdade integral. Seria ela então uma meia-verdade? Talvez.

Como expressão da nossa identidade nacional costumamos dizer: "Nós, brasileiros, somos o povo da alegria, do calor humano, da hospitalidade e do sexo; tudo bem, temos lá nossas mazelas, nossos problemas, mas nenhum povo é mais caloroso, simpático e sensual neste planeta; nos identificamos pela nossa cordialidade, simpatia e calor humano" (Jessé Souza, 2011:29-39)

A cordialidade do brasileiro é um fenômeno existente, parcialmente, entre as camadas dos favorecidos culturais e socioeconômicos (camada de cima). Entre as pessoas da mesma hierarquia social realmente existe certa cordialidade. Frente aos discriminados (mulher, criança, idoso, negros, pobres, índios etc.), no entando, a realidade é bem distinta, visto que eles são torturáveis, prisionáveis e mortáveis (extermináveis).

De 1980 a 2000 cerca de 2 milhões de pessoas foram mortas no Brasil em razão de causas externas (acidentes, suicídio e homicídio) (dados do IBGE). O Brasil é palco de cerca de 10% de todas as mortes dolosas do planeta (quase 50 mil por ano). Dez mulheres são assassinadas diariamente no nosso país, sendo 7 por pessoas do seu relacionamento (marido ou ex-marido, namorado ou ex-namorado e noivo ou ex-noivo). Com esses números, não dá para dizer que todos somos cordiais, hospitaleiros, simpáticos, cheios de calor humano etc. Pelo menos não é essa, com certeza, a visão dos discriminados (que são torturáveis, prisionáveis e extermináveis).

Estudo divulgado pelo Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime (UNODC), em 06.10.11, mostra que no ano de 2009 foram cometidos 43.909 homicídios no Brasil, o que representa uma taxa de 22,7 mortes por 100.000 habitantes. A taxa média global é de 6,9 mortes por grupo de 100.000 habitantes.

O Brasil é o responsável por quase um terço do total de homicídios nas Américas (cerca de 140 mil) e por quase 10% de todas as mortes do planeta (cerca de 468 mil). Estamos falando de um país extremamente violento (e muito pouco cordial, pelo menos com os discriminados, que são torturáveis, prisionáveis e extermináveis).


Autor

  • Luiz Flávio Gomes

    Doutor em Direito Penal pela Universidade Complutense de Madri – UCM e Mestre em Direito Penal pela Universidade de São Paulo – USP. Diretor-presidente do Instituto Avante Brasil. Jurista e Professor de Direito Penal e de Processo Penal em vários cursos de pós-graduação no Brasil e no exterior. Autor de vários livros jurídicos e de artigos publicados em periódicos nacionais e estrangeiros. Foi Promotor de Justiça (1980 a 1983), Juiz de Direito (1983 a 1998) e Advogado (1999 a 2001). Estou no www.luizflaviogomes.com

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):

Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2002 ABNT)

GOMES, Luiz Flávio. O mito da cordialidade do brasileiro: mais uma mentira!. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 16, n. 3045, 2 nov. 2011. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/20341>. Acesso em: 25 set. 2018.

Comentários

1

  • 0

    Santos Neto

    Parabens Dr.Luiz Flavio Gomes.Ao escrever este artigo Vossa Excelencia demonstrou total dominio do assunto, alem de coragem e lucidez.Com certeza,não há 'brasileiro bonzinho'.Os fatos e estatísticas o demonstram e só não vè que não quer.
    Saudações.

Livraria