Para se alterar uma realidade faz-se necessário, antes de tudo, assumi-la e, então, enfrentá-la. Contudo, na percepção dos brasileiros, nossa realidade pode ser equiparada à dos países europeus mais desenvolvidos. Basta haver um pequeno avanço em qualquer segmento, que todas as graves deficiências são esquecidas. É impressionante como nossa desigualdade (brutal) fica escondida debaixo dos tapetes.

Todo esse otimismo se reflete em boa parte nas pesquisas de opinião/percepção envolvendo a população brasileira.

Na pesquisa Retratos da População Brasileira, realizada pelo CNI-IBOPE, por exemplo, na qual 2.002 pessoas foram entrevistadas, a educação foi a 4ª indicada (por apenas 27%) dentre os principais problemas enfrentados pelo país. A fome e a miséria ficaram 7º lugar (8% dos ouvidos) e a habitação em 11º (eleita por 3% do total).

Já no tocante à percepção de bem-estar avaliada pelo PNUD (Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento), de acordo com o Relatório de Desenvolvimento Humano de 2011, a média de satisfação geral do brasileiro com sua vida é de 6,8 (numa análise de 0 a 10), próxima à dos belgas (6,9), alemães (6,7) e noruegueses (7,9).

O Índice de Desenvolvimento Humano brasileiro em 2011 do Brasil foi de 0,718, deixando-o na 84ª colocação mundial, uma acima da do ano passado, mantendo-se entre os países com IDH elevado (entre a 48ª e 94ª colocações). Porém, não há o que comemorar.

O Desenvolvimento Humano de cada país é calculado por meio de um índice que varia de 0 a 1, no qual são consideradas três dimensões: uma vida longa e saudável; o conhecimento e um padrão de vida digno, analisando-se, portanto, a situação da saúde, da educação e da distribuição renda daquele país.

A posição geral do Brasil é baseada em uma média de todos os estados, de forma que os estados bem desenvolvidos compensam as deficiências dos menos desenvolvidos.

Todavia, quando é levada em consideração a desigualdade social (distribuição de renda) de cada país, cria-se um novo índice, denominado IDHD (Índice de Desenvolvimento Humano ajustado à Desigualdade). Nesse indicador o Brasil alcançou apenas a nota 0,519, caindo 13 posições (uma queda global de 27,7%).

Assim, o país ficou abaixo de países como o Uzbequistão (0,544) e a Jordânia (0,565), por exemplo, que são mais pobres, mas menos desiguais.

Conclui-se então, que além de ser o 6º país mais violento do mundo, o 3º que mais mata no trânsito, o país da impunidade, o 84º colocado em índice de desenvolvimento humano, a desigualdade do Brasil supera a de países ainda mais pobres.

Contudo, para a maioria de sua população, a sensação é a de viver em um país desenvolvido, exemplar, igualitário, abastecido; superando, inclusive a percepção de países cujo IDH foi muito elevado, como a Alemanha (0,905).

Contradição que é fruto do conformismo, da complacência, da "memória curta" que tristemente permitem que se fechem os olhos para os delicados problemas do país. Vive-se de sonho, de autoengano, de ideal, para se mascarar a realidade e eximir-se da responsabilidade que a cada um cabe de lutar pela mudança, pela melhora, pela evolução. O país que se almeja depende da forma como é visto. A desigualdade, a miséria, a marginalização está escondida, está debaixo dos tapetes. É impressionante a invisibilidade da desigualdade socioeconômica. Somos desiguais, com baixo índice de escolaridade, mais de 50 mil assassinatos por ano etc. e "felizes"! Seria um caso de profunda alienação? Cuidado: o alienado ali é nada!


Autores

  • Luiz Flávio Gomes

    Doutor em Direito Penal pela Universidade Complutense de Madri – UCM e Mestre em Direito Penal pela Universidade de São Paulo – USP. Diretor-presidente do Instituto Avante Brasil. Jurista e Professor de Direito Penal e de Processo Penal em vários cursos de pós-graduação no Brasil e no exterior. Autor de vários livros jurídicos e de artigos publicados em periódicos nacionais e estrangeiros. Foi Promotor de Justiça (1980 a 1983), Juiz de Direito (1983 a 1998) e Advogado (1999 a 2001). Estou no www.luizflaviogomes.com

    Textos publicados pelo autor

    Fale com o autor

    Site(s):
  • Mariana Cury Bunduky

    Mariana Cury Bunduky

    Advogada e Pesquisadora do Instituto de Pesquisa e Cultura Luiz Flávio Gomes

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora


Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2002 ABNT)

GOMES, Luiz Flávio; BUNDUKY, Mariana Cury. Desigualdade brutal, 51 mil assassinatos, educação péssima... e o brasileiro é feliz!. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 16, n. 3059, 16 nov. 2011. Disponível em: <https://jus.com.br/artigos/20429>. Acesso em: 21 ago. 2018.

Comentários

0

Livraria