V.   Bibliografia

ABELLÁN, Joaquín. Estudio Preliminar. In: WEBER, Max. Escritos Políticos. Trad. JoaquínAbellán García. Alianza Editorial: Madrid, 2008.

ARON, Raymond. As etapas do pensamento sociológico. Trad. Sérgio Bath. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

BAUMAN, Zygmunt.Modernidade líquida.Trad. Plínio Dentzien. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2001.

DOMINGUES, José Maurício. Modernidade, complexidade e articulação mista. Dados, Rio de Janeiro, v. 44, n. 2, 2001 .Availablefrom<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0011-5258200100

0200001&lng=en&nrm=iso>. access on 07 Aug. 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0011-52582001000200001.

DURKHEIM, Émile. Representações individuais e representações coletivas. In: Sociologia e filosofia. Trad. J. M. Toledo Camargo. 2ª ed. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, s/d.; p.15-49. (1ª ed.:1970).

________________. Da Divisão do Trabalho Social. Trad. Carlos Alberto Ribeiro de Moura. In: Coleção Os Pensadores, São Paulo: Abril Cultural, 1983a, pp. 1-70.

_______________. As formas elementares da vida religiosa. Trad. Carlos Alberto Ribeiro de Moura. In: Coleção Os Pensadores, São Paulo: Abril Cultural, 1983b, pp. 201-245.

ELIAS, Norbert.A sociedade dos indivíduos. Trad. Vera Ribeiro. Rio de Janeiro: Zahar Editor, 1994.

GADAMER, Hans-Georg. Verdade e método: traços fundamentais de uma hermenêutica filosófica. Trad.Flávio Paulo Meurer. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1999. v. 1.

GILLESPIE, Michael Allen. The Theological Origins of Modernity.Critical Review. 13, n. 1-2, 1999, pp. 1-30.

HABERMAS, Jürgen. Teoría de laacción comunicativa I: racionalidad de laaccióny racionalización social. Trad. de Manuel Jiménez Redondo. 4 ed. Madrid: Taurus, 1987.

_________________.Três Modelos Normativos de Democracia. In: A Inclusão do Outro: estudos de teoria política. São Paulo: Loyola, 2002. pp. 277-292.

_________________. Liquidando os danos. Os horrores da autonomia. In: Schmitt, Carl. O Conceito do Político. Trad. Geraldo de Carvalho. Belo Horizonte: Del Rey, 2008.

HENRY, Michael D..Voegelin and Heidegger as Critics of Modernity.Modern Age, Spring 2001, pp. 118-127.

HOBBES, Thomas. Leviatã. Trad. João Paulo Monteiro, Maria Beatriz Nizza da Silva, Claudia Berliner. São Paulo: Marlins Fontes, 2003.

KATES, Joshua. Modernity and Intentional History:Edmund Husserl, Jacob Klein, and Jacques Derrida. PhilosophyToday, Vol. 49, 2005, pp. 193-203.

MARX, Karl. O Capital. Edição resumida por Julian Borchardt. Trad. Ronaldo Alves. Schmidt. 7ª edição. Rio de Janeiro: LTC, 1982.

__________. O Capital. Livro I. Trad. Regis Barbosa e Flávio R. Kothe. 1ª ed. São Paulo: Abril Cultural (OsEconomistas), 1983.

PLATT, Gerald M. Order and Agency in Modernity: Talcott Parsons, Erving Goffman, and Harold Garfinkel.Contemporary Sociology: A Journal of Reviews May 2004 33, pp. 369-371.

REIS, Fábio Wanderley. Patologias da modernidade: um diálogo entre Habermas e Weber.Rev. bras. Ci. Soc., São Paulo, v. 14, n. 39, Feb. 1999 .Availablefrom<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pi

d=S0102-69091999000100010&lng=en&nrm=iso>. access on 07 Aug. 2011. http://dx.doi.org/10.1590/S0102-69091999000100010.

SALOMON, Jean-Jacques; SAGASTI, Francisco and SACHS-JEANTET, Celine.Da tradição à modernidade. Estud. av. [online]. 1993, vol.7, n.17, pp. 07-33. ISSN 0103-4014. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-40141993000100002.

SOUZA, Jessé. Patologias da modernidade: um diálogo entre Habermas e Weber. São Paulo, Annablume, 1997.

TAYLOR, Charles. Modern Social Imaginaries. Durham, NC: Duke University Press, 2005.

WEBER, Max. Sociologiedesreligions. Textesréunis, traduitsetprésentés par Jean-Pierre Grossein. Paris, Gallimard, 1996.

____________. Economia e sociedade. Fundamentos da sociologia compreensiva. Trad. Regis Barbosa e. Karen Elsabe Barbosa, 4ª edição, Brasília: UnB, v. 2, 2004.

____________. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. Trad. Pietro Nassetti. São Paulo: Editora Martin Claret, 2006.

____________. Os Três Tipos Puros de Dominação Legítima. Trad. Gabriel Cohn. Rio de Janeiro: VGuedes Multimídia, 2008.

____________. De la Democracia Parlamentaria a la Democracia Presidencialista. In:Escritos Políticos. Trad. JoaquínAbellán García. Alianza Editorial: Madrid, 2008.

____________. Parlamento y gobiernoen una Alemania reorganizada. In: WEBER, Max. Escritos Políticos. Trad. JoaquínAbellán García. Alianza Editorial: Madrid, 2008, pp. 67-282.

____________.  Conceitos Sociológicos Fundamentais. Trad. Artur Morão. Lisboa: Edições 70, 2009.

WAGNER, Peter. Multiple Trajectories of Modernity: Why Social Theory Needs Historical Sociology, Thesis Eleven, 2010. ? 100, pp. 53-61.

WOOD, Ellen Meiksins. Modernity, Postmodernity, or Capitalism?Monthly. Review 48(3): 21-39, 1996.


Notas

[1] “As grandes transformações na Europa no final do Século XVIII e no começo do Século XIX, que são vistas como início da modernidade, não são confinados a questões socioeconômicas ou políticoinstitucionais, na forma da revolução industrial e na ão industrial e na revolução democrática, mas também como uma revolução cultural que levou a uma nova compreensão da vida social” (tradução minha).

[2]“Como consequência, restrições consideráveis à aplicabilidade dessa abordagem apareceram, como a dificuldade de conceber, digamos, Brasil ou mesmo Rússia, Estados Unidos e Austrália em termos de programas culturais bem enraizados, consideravelmente estáveis, que meramente surgiram ao encontrarem com situações novas” (tradução minha).

[3] Qual confluência de circunstâncias levou a que precisamente o Ocidente, e ele tão somente, tenha visto aparecer em seu solo fenômenos culturais que se inscrevem na direção de um desenvolvimento que se revestiu, ao menos é assim que pensamos, de significado e valor universais? (tradução minha). 


SUMMARY: More and more become common place in the social sciences theories that are structured on thepluralization of modernity. This essay problematizes this hermeneutic strategy by the recovery of the concept and the historical-philosophical substrate to which it refers. Modernity was born oriented to the universal and claims the position of hegemonic cultural beacon for the organization of all civilizations. Removing from it this reference to universal or advocating the existence of parallel modernities is denying it. The multiple modernities that appear in unorthodox interpretations, which have multicultural background, are effect of analytic polyopia, because they treat as different phenomena manifestations of a single phenomenon.


Autor

  • Edvaldo Fernandes da Silva

    Doutor em Sociologia pela Universidade de Brasília (UnB), mestre em Ciência Política pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro, da Universidade Cândido Mendes (IUPERJ-UCAM), especialista em Direito Tributário pela Universidade Católica de Brasília (UCB), bacharel em Direito e em Comunicação Social-Jornalismo, pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), professor de Direito Tributário em nível de graduação e pós-graduação no Centro Universitário de Brasília (UniCeub); e de Pós-Graduação em Ciência Política no Instituto Legislativo Brasileiro (ILB) e advogado do Senado Federal (de carreira).

    Textos publicados pelo autor


Informações sobre o texto

Como citar este texto (NBR 6023:2018 ABNT)

SILVA, Edvaldo Fernandes da. Crítica à teoria da modernidade múltipla. Revista Jus Navigandi, ISSN 1518-4862, Teresina, ano 17, n. 3333, 16 ago. 2012. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/22411. Acesso em: 24 jan. 2022.

Comentários

0

Autorizo divulgar minha mensagem juntamente com meus dados de identificação.
A divulgação será por tempo indeterminado, mas eu poderei solicitar a remoção no futuro.
Concordo com a Política de Privacidade e a Política de Tratamento de Dados do Jus.

Regras de uso