Coragem, indolência, prática jurídica e as garantias processuais penais.

Nestas poucas linhas que se seguem, escrevi, inicialmente, o que se pode compreender por coragem. Em seguida, narro uma situação de prática jurídica. E, ao final, censuro a indolência. A coragem, entre outras conotações, pode ser compreendida como a ousadia. Ousadia para enfrentar, entre outras situações, aquilo que se mostra incoerente e ilógico. A noção de coragem também se acomoda bem na ideia de uma força espiritual materializada na habilidade de confrontar o temível som de discórdia. Ela é o ânimo que nos motiva ir além do convencional e enfrentar os desafios com confiança. A coragem impulsiona a marcha da vida para situações novas. Com poucas palavras: a coragem nos parece ser incompatível com o comodismo e com a inércia, quando o contexto em que se está reclama atitudes orientadas para a transformação da realidade que a nós se apresenta como inaceitável.Feita essa breve consideração sobre a noção de coragem, em seguida, importa-nos correlacioná-la a uma situação de prática jurídica, que, aliás, não é nova. É necessário coragem para enfrentar o inaceitável congelamento/petrificação das situações jurídicas postas em um enunciado de súmulas construídas pelas Cortes Superiores. Refiro-me ao enunciado contido na súmula número 273 do Superior Tribunal de Justiça, cujo teor reproduzo nas linhas abaixo:

“Intimada a defesa da expedição de carta precatória, torna-se desnecessária a intimação da data da audiência no juízo deprecado.”

Sob o ponto de vista prático, é algo próximo do seguinte: defesa! Foi expedida carta precatória para a comarca de [...] e ponto final. Diz a súmula textualmente, que não há a necessidade de comunicar por meio de intimação qual será a data e horário do ato processual a ser praticado no juízo deprecado.Esse entendimento, a meu ver, apesar de vir estampado em enunciado construído por Tribunal Superior, na prática, significa grave violação às garantias processuais com matriz constitucional. Refiro-me, em especial, ao devido processo legal, ao contraditório e à ampla defesa. 
Em data recente tivemos a oportunidade de dizer que o instrumento que viabiliza e concretiza as garantias processuais constitucionais, especialmente, a do contraditório e da ampla defesa são as comunicações eficazes das intimações judiciais. Eficazes no sentido de que elas cumpram a finalidade para a qual foram concebidas. E, a meu ver, elas não foram concebidas para outro fim, que não, o de conferir à defesa, o direito à oportunidade de participar de todos os atos processuais. Ora, bem, como participar de atos processuais se a comunicação da intimação, no caso da expedição de carta precatória, é incompleta? Isto é, não diz qual a data e horário em que se realizará o ato. Esse estado de coisas, lança sobre a defesa o desnecessário e pesado ônus de ter que acompanhar o itinerário das cartas precatórias nos juízos das comarcas deprecadas. Como dito, isso é desnecessário. Com o notório avanço da informática em nossos dias, as comunicações dos atos processuais podem e são feitos por meio do Diário da Justiça Eletrônico. Entretanto, não raras vezes, ainda aplica-se entendimento sabidamente ultrapassado. Assim, em vez de se enfrentar e confrontar o obsoleto, opta-se pela cômoda postura de aplicar, de modo acrítico, enunciados ultrapassados em verdadeira reprodução automática de precedentes. E o que considero mais grave: mesmo quando estes violam caríssimas garantias processuais com matriz constitucional. Se todos atores do processo judicial estão concitados à obedecer à Constituição, esse inaceitável estado de indolência, deve ser enfrentado, quiçá ultrapassado, com atos de coragem. Parece óbvio o que vou dizer no último parágrafo, mas não é; e a aplicação do enunciado da Súmula número 273, do STJ, como dito linhas acima, nos mostra isso. Ela ofende a Constituição e deve ser enfrentada com atos de coragem. Atos de coragem para se pedir e decidir com base na Constituição.

Autor: Edson Batista. Advogado.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria