A utilização de conceitos jurídicos inteligíveis para maioria da população provoca, cada vez mais, o "fechamento" do mundo jurídico perante a maioria da população, tornando o direito uma linguagem completamente alienígena dentro da própria sociedade.

A entrada de aluno em uma universidade é um momento marcante para a sua vida. A partir desse momento o discente irá especializar cada vez mais, aprenderá e reaprenderá conceitos, centenas deles, que, de acordo com algumas escolas científicas, facilitarão o uso do direito em todos os âmbitos, ora a linguagem natural (mais um conceito aprendido na faculdade) ou linguagem comum seria algo inviável perante um melhor e mais eficiente uso da ciência jurídica, esta forma de conhecimento necessitaria de termos que reduzissem e facilitassem o seu procedimento[1]. Tais pensadores tem razão no que se refere a facilitação e celeridade que estes conceitos propiciam ao discurso jurídico, conceitos como capacidade, pessoa jurídica, tipo penal e bem jurídico proporcionam uma maior rapidez no discurso legal. Todavia, deve-se atentar para uma consequência desagradável deste grande número de conceituações geradas pela nossa tradição jurídica, o desentendimento de grande parte da população brasileira no que se refere ao seu próprio direito.

Apesar destes problemas a conceituação se mantem forte em todo o ramo do conhecimento, o que, diga-se, é algo necessário para a ciência como um todo. Após um determinado aprofundamento em uma forma de estudo a transmissão de ideias se torna não só difícil mas também desconfortável se utilizada de outra forma de linguagem que não seja a conceitual. Tentar explicar a “capacidade” de uma determinada “pessoa” sem a utilização do conceito de “personalidade” não é uma tarefa cômoda. Porém deve-se lembrar que o direito foge a algumas regras se comparado a outras ciências. Ora, diferentemente de outras formas de conhecimento, o direito influencia diretamente todos os dias a sociedade, mesmo que em estado letárgico, ou seja, mesmo que seja apenas com o poder de sanção. Exemplificarei, quando determinado indivíduo observa uma lombada eletrônica a frente e diminui a velocidade do automóvel que está dirigindo, com receio de receber uma multa, ele o faz devido a influência que a norma, logo o direito, possui em suas decisões.

O problema é que nem sempre as normas são tão claras quanto as de trânsito, que possibilitam a qualquer um interpreta-las e consequentemente entende-las. Muitas normas, pelo contrário, são tão articuladas e fundamentadas em complexos conceitos jurídicos que seu entendimento continua sendo um mistério para um aluno da graduação em direito, e é aí que reside o perigo. Sabemos que nosso sistema judiciário não é dos melhores, e, adicionada a esta incapacidade procedimental se une a incompreensão da legislação por parte do leigo, e pior, a proposital tentativa de alguns juristas de demonstrarem (descaradamente) que o réu é incapaz de compreender tal linguagem. Tal forma de tratamento se deve pelos mais variados motivos, como a autovalorização do trabalho (ora, só se paga alguém para se fazer algo que você não sabe, não compreende ou não tem vontade de fazer), ou até mesmo o rebaixamento social e potencial do indivíduo acusado. Gera-se então o risco de um processo incognoscível similar ao relatado no livro de Kafka[2], onde o réu aguarda o julgamento em uma prisão sem ter a mínima ideia do porquê de estar preso e pelo que está sendo julgado.

As pessoas que trabalham com um direito cada vez mais burocratizado poderiam e deveriam se lembrar que a maioria da população que sofre a influência das normas não faz parte daquele universo fechado da faculdade ou do mundo jurídico, muito pelo contrário, em um país onde a educação (inclusive a social) anda a passos curtos é muito improvável encontrar alguém com o mínimo conhecimento dos seus direitos. A academia formadora de juristas, me lembra muito uma biblioteca, tal qual a do mosteiro fictício do romance “O Nome da Rosa”, de Umberto Eco, onde os monges, detinham, não apenas todas as obras científicas e filosóficas do passado clássico, como também se utilizavam de uma língua diferente da usada no mundo fora da abadia (enquanto os monges utilizavam o latim para se comunicar os civis se utilizavam do italiano primitivo). Os monges, desta forma, acabaram se distanciando tanto da população que chegou-se a um ponto crítico em que a forma de comunicação entre os dois mundos ficou cada vez mais insustentável. Tal qual a abadia do romance supracitado, corremos o risco de sermos mal ou até mesmo incompreendidos pela população. A prova desta situação complicada está na própria opinião da sociedade, que se torna cada vez mais desconfiada da profissão do jurista, seja ele o magistrado, o advogado ou o promotor.

Fazer o curso de direito, segundo a opinião popular, possibilita dois futuros para o discente: ou você quer se tornar um bom funcionário público, participante apenas da burocracia estatal que tem estabilidade e um bom salário, ou você se fará parte do judiciário, e desta forma dará o primeiro passo para receber o diploma de “demônio ardiloso” que, de alguma forma, engana o pobre cidadão comum, tal como Fausto é por Mefistófeles,  e o convence a fazer algo que não quer, como vender sua alma, ou pior consegue enganar a todos recolocando no seio da comunidade um vil transgressor das leis, transformando facilmente assim o lobo em cordeiro o colocando bem no meio do rebanho. Mitos como estes geram cada vez mais estereótipos populares no seio da população que se vê desconfiada dos juristas e de suas “palavras difíceis’.

Ulisses B. F. Melo– Aluno da graduação do curso de direito da Universidade Federal de Pernambuco.


[1] Alf Ross em seu livro Tu-tu afirma que esses conceitos tem como função principal facilitar a agilizar o discurso jurídico de uma forma que não permita explicações exaustivas.

[2] KAFKA, Franz. O Processo.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria