Artigo sobre atitude

“Você diz que ama a chuva, mas você abre seu guarda-chuva quando chove.
Você diz que ama o sol, mas você procura um ponto de sombra quando o sol brilha.
Você diz que ama o vento, mas você fecha as janelas quando o vento sopra.
É por isso que eu tenho medo. Você também diz que me ama.”
(William Shakespeare)

Como diz o poeta, o que você anda dizendo?

Que curte e investe em tecnologia, mas mal sabe ligar um computador?

Que as pessoas são o seu maior patrimônio, mas plano de carreira é grego na sua empresa?

Que gestão é o seu forte, mas sequer fez algum planejamento na vida?

Que o cliente é a sua prioridade, mas quando ele liga ou procura, você se esconde para não atender aquela mala?

Hummmm, o que disse mesmo?

O verso mostra bem a essência: Fala-se algo que se contradiz em atitudes.

Qual a reflexão disto?

Pegue o discurso que está sendo dito pela empresa e verifique a veracidade de tudo isto.

Pegue o seu discurso e veja se está condizente com a realidade que está vivendo.

Pegue as suas verdades e analise quais delas estão na sua realidade neste momento.

Temos que parar de viver ilusões.

As empresas são formadas pelos sonhos, ideais e verdades de seus fundadores e são mantidos pelos mesmos motivos de seus gerentes, gestores e colaboradores.

Se todos vivem uma mentira, não há poesia que sustente esta ilusão.

O que você anda dizendo?

Suas verdades?

Suas verdades que são praticadas por você?

Suas verdades que devem ser praticadas pelos outros e não por você?

E, com esta resposta, fica a reflexão:

Como outros podem acreditar no que diz, se a verdade que sai da sua poesia é mais doce e ilusória que o verso do poeta acima?


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria