Uma Sociedade de Advogados deve ser gerida como uma empresa, utilizando-se de todas as ferramentas gerenciais que o mercado oferece. Surge assim, um novo profissional: o Administrador Legal.

 O Sócio de um escritório de advocacia deve ser percebido como um empresário a partir da concepção de uma Sociedade de Advogados que deve ser gerida como uma empresa, utilizando-se de todas as ferramentas gerenciais que o mercado oferece.

 O Advogado começa uma estrutura familiar, os clientes começam a aparecer e tão logo estes percebam os serviços jurídicos de qualidade que são prestados, indicarão estes serviços aos que fazem parte de sua rede de relacionamentos.

 Desta forma, o número de clientes vai crescendo e surge a necessidade de maiores controles de prazos, agendas, audiências e outras rotinas administrativas. É preciso começar a gerenciar a organização de maneira profissional. Surge desta forma, a administração legal e o papel do administrador legal. A administração legal pode ser definida como:

 “A administração legal, servindo-se de modernas técnicas de gerenciamento, auxilia os advogados não apenas na solução de problemas específicos, como também fornece subsídios à tomada de decisões estratégicas no que diz respeito ao futuro de suas atividades” (BORANGA, 2009, p. 20).
   

 E o administrador legal surge como um profissional essencial para o crescimento de um escritório de advocacia como um todo. Não mais é possível que o próprio sócio fundador acumule também esta função, pois este deverá estar mais focado na profissionalização de sua equipe jurídica.

 “O administrador legal contribui no processo de prestação de serviços ao cliente gerenciando as operações do dia a dia e coordenando as funções básicas do escritório de advocacia, tais como pessoal, finanças, equipamentos, sistemas, espaço físico e inventário” (SELEM, 2004, p. 161 ).

 Por competência gerencial entendemos temas como estratégia, trabalho em equipe, capacidade de traçar cenários, desenvolvimento de equipes, liderança, relacionamento, captação e manutenção de clientes.

 A liderança, antes considerada traço pessoal, hoje é atributo indispensável e que deve ser desenvolvida e aperfeiçoada a fim de que o administrador legal seja um facilitador na consecução dos objetivos corporativos.

 Sem o devido Planejamento Estratégico, estagiários e advogados acabam sendo utilizados em serviços operacionais que não agregam valor ao trabalho jurídico. Além do custo-benefício desta situação ser prejudicial, gera-se a desmotivação dos envolvidos na organização, que passam a prestar seus serviços mecanicamente, sem identidade organizacional, sem preocupar-se com a verdadeira missão da organização na qual trabalham.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria