A essência do contrato de transporte é o traslado de pessoas e bens. Este estudo trata somente do transporte destinado a pessoas.

  1. SURGIMENTO
  • O antigo Código Comercial previa: transporte de coisas e o transporte marítimo.
  • A seguir foi regulamentados o transporte ferroviário, o transporte terrestre em geral, fluvial, marítimo e o transporte aéreo.
  • Mas foi com o advento do Código de Defesa do Consumidor que a prestação do serviço de transporte de pessoas passou a regulamentar a matéria. Até então o transporte não possuía legislação específica. Foi o novo Código Civil que veio a regular esse tipo de contrato.
  1. NOVO CÓDIGO CIVIL 2002

Novo Código Civil

 Dividido em:

  1. “Transporte de Coisas” e
  2. “Transporte de pessoas” que vai do art. 730 ao art.756.

Veio o novo código a incluí-lo no rol dos contratos típicos podendo ser complementado por lei especial.

A INTENSÃO do legislador foi:

  • Criar normas gerais para orientar o contrato de transporte e derrogar as regras conflitantes, que se desenvolvem mediante autorizações, permissões ou concessões, aos quais se aplicam normas complementares de caráter administrativo e com os contratos de transporte de cunho eminentemente privado, os quais são regidos por legislações especiais, tratados, convenções internacionais.

Quando cabíveis, porém, ambos deverão conviver em perfeita harmonia com a nova visão principiológica adotada pelo novo Código Civil.

  1. NATUREZA JURÍDICA

Trata-se de contrato:

  • Bilateral,
  • Oneroso,
  • Comutativo,
  • Sinalagmático,
  • Informal,
  • Consensual
  • Adesão: Isto é,

O passageiro adere às cláusulas pré-estabelecidas ao adquirir o bilhete:

  • Adere ao horário de partida,
  • Ao trajeto,
  • Ao tempo de duração da viagem,
  •  Às escalas e
  • Às qualidades do veículo dentre outras.

 

  1. Cláusula de incolumidade
  • A principal característica do contrato de transporte é a cláusula de incolumidade, isto é:

Em todo o contrato de transporte de pessoas há uma cláusula implícita que assegura a incolumidade do transportado.

  •  Trata-se, portanto, de um contrato que encerra uma obrigação de resultado:

 O transportador deve conduzir o passageiro são e salvo ao lugar do destino.

  1. Responsabilidade civil
  • O art. 734 – O transportador responde pelos danos causados às pessoas transportadas e suas bagagens, salvo motivo de força maior, sendo nula qualquer cláusula excludente da responsabilidade.”.

Deste modo, prevê a adoção da responsabilidade objetiva contratual. Assim, no contrato de transporte, há o dever de o transportador levar o viajante incólume ao destino.

De sorte que, descumprida essa obrigação de resultado, insurge o dever de indenizar do transportador independentemente de culpa, fundado na teoria do risco.

  1. EXCLUSÃO DA RESPONSABILIDADE DO TRANSPORTADOR
  • A única excludente da responsabilidade civil expressa, adotada pelo Código Civil, é a Hipótese de acidente causado por motivo de força maior (art. 734):
  • Fortuito é a imprevisibilidade, ao passo que:
  • Força maior é a inevitabilidade

Portanto, nem a colaboração da vítima serve para excluir a responsabilidade de indenizar, podendo ensejar, contudo, por causa da concorrência de culpa, uma fixação equitativa do valor da indenização, de acordo com o disposto no art. 738, parágrafo único.

  1. A RESPONSABILIDADE FACE AO CÓDIGO DE DEFESA DO CONSUMIDOR

Estabelece:

 A responsabilidade objetiva em todos os acidentes de consumo quer de fornecimento de produtos (art. 12) - Quer de serviços (art. 14).

  • Estabelece que os órgãos públicos, por si ou suas empresas, concessionárias, permissionárias ou sob qualquer outra forma de empreendimento, além de serem obrigadas a fornecer.

Serviços adequados, eficientes e seguros, respondem pelos danos que causarem aos usuários, na forma prevista no Código de Defesa do Consumidor.

O Código mudou:

  • O fundamento dessa responsabilidade, que agora não é mais o contrato de transporte, mas sim uma relação de consumo, contratual ou não.
  • O seu fato gerador, deslocando-o do descumprimento da:

 Cláusula de incolumidade para o vício ou defeito do serviço, consoante o art. 14, CDC.

O fornecedor terá que indenizar desde que demonstrada à relação causa e efeito entre o defeito do serviço e o acidente de consumo, chamado pelo Código de fato do serviço.

  1. INÍCIO E TÉRMINO DA RESPONSABILIDADE DO TRANSPORTADOR

Sendo Consensual, ele se consuma pelo simples Acordo de Vontades.

 Dando a sua adesão às condições preestabelecidas pelo transportador, está celebrado o contrato.

  • O pagamento da passagem não é necessário para fechar o contrato, ele já é fase de execução da obrigação assumida pelo passageiro.

( eis que, em muitos casos, só é feito no curso ou no fim da viagem, e até mesmo depois, como no caso de pagamento em prestação.)

  • A Execução do contrato, no que respeita à obrigação do transportador, tem lugar quando se inicia a viagem.

A partir daí, torna-se operante a cláusula de incolumidade, que persiste até o final da viagem.

  • No Transporte Urbano essa Execução ocorre simultaneamente com a celebração do contrato;
  •  No Transporte Interestadual e Aéreo, onde a passagem é adquirida com antecedência, a execução tem lugar posteriormente;
  • No caso das Estradas de Ferro e metrôs, a responsabilidade do transportador inicia-se, com o ingresso do passageiro na estação de embarque, após passar pela roleta.
  • Tratando-se de Transporte Rodoviário, tendo em vista que a estação de embarque não pertence à empresa transportadora, a execução do contrato tem início.

com o embarque do passageiro no veículo e só termina com o seu efetivo desembarque.

  1. O TRANSPORTE APARENTEMENTE GRATUITO E PURAMENTE GRATUITO
  • APARENTEMENTE GRATUITO
  • Há transporte aparentemente gratuito quando

 O transportar tem algum interesse patrimonial no transporte, ainda que indireto, como ocorre, por exemplo, no transporte que:

  1. O patrão oferece aos empregados para levá-los ao trabalho;
  2. Do corretor que leva o cliente para ver o imóvel que está à venda.
  • No transporte aparentemente gratuito em nada se modifica a responsabilidade do transportador.
  • Enquadra-se no art. 17 do Decreto 2.681/12 e no Código do Consumidor, cuja presunção de responsabilidade só pode ser elidida pelo fato exclusivo da vítima, pelo caso fortuito externo e pelo fato exclusivo de terceiro.
  • PURAMENTE GRTAUITO
  • Puramente gratuito é o transporte que é feito no exclusivo interesse do transportado, por mera cortesia do transportador.
  • São requisitos essenciais do contrato de transporte à onerosidade e a cumulatividade

O preço do transporte constitui principal obrigação do passageiro, não há como fugir dessa contraprestação.

  • Quando alguém transporta outra pessoa por mera cortesia, não tem intenção de formalizar um contrato. As circunstâncias que envolvem o fato não caracterizam uma relação contratual, nem configuram vínculo jurídico convencional. Há simples ato de liberalidade.
  • A solução correta é a aplicação dos princípios da responsabilidade ao ilícito decorrente do transporte gratuito, pois não se configura, o contrato de transporte, nem  benéfico passível de enquadramento no art. 1.057 do Código Civil.

Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria