Análise da ADI 2886 do Supremo Tribunal Federal acerca da tramitação direta do inquérito policial.

Recentemente o plenário do Supremo Tribunal Federal julgou a ADI n.º 2886, cujo objeto era a análise de dispositivos da Lei Orgânica do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (LC 106/2003). Dentre os dispositivos encontrava-se o artigo 35, inciso IV, da referida Lei Complementar Estadual, que assim se encontra redigido, in verbis: “Art. 35 - No exercício de suas funções, cabe ao Ministério Público: (...) IV - receber diretamente da Polícia Judiciária o inquérito policial, tratando-se de infração de ação penal pública;”.

Mister salientar que até o momento o referido acórdão ainda não foi publicado, o que facilitaria a análise dos argumentos de cada um dos Ministros acerca do tema em comento.

Não obstante, é certo que a lei orgânica do Ministério Público do Rio de Janeiro vai de encontro com o artigo 10, §1º do Código de Processo Penal, que assevera, in verbis: “art. 10. (...)  § 1o A autoridade fará minucioso relatório do que tiver sido apurado e enviará autos ao juiz competente”.

De todo modo, a doutrina sempre foi unânime em afirmar que a segunda parte do §1º, do artigo 10 do Código de Processo Penal não teria sido recepcionada pela Carta Política de 1988, haja vista o sistema penal acusatório nela adotado, de modo que o Juiz deve ficar o mais afastado possível da fase inquisitiva.

Neste particular, merece uma breve transcrição das lições do professor Marcellus Polastri Lima quando analisa o sobremencionado dispositivo, porquanto vejamos, verbis: “Após a elaboração do relatório os autos deverão ser enviados à Justiça, sendo questionável a constitucionalidade da regra do art. 10, §1º, segunda parte, que determina o encaminhamento ao juiz competente, em vista do disposto no art. 129, I, da CF. Assim, preservando-se a função imparcial do juiz, própria do modelo acusatório adotado pela Constituição, o inquérito deveria ser encaminhado diretamente ao Ministério Público.”[1]

Com efeito, os doutrinadores modernos têm se posicionado pela tramitação direta do inquérito policial, uma vez que o Juiz deve permanecer sempre imparcial, sendo certo que, se o Juiz eventualmente tiver contato com as peças de informações angariadas em sede policial, poderá se tornar parcial e prejudicar a defesa ou quiçá a própria acusação.

Daí muitos Estados Brasileiros, entendendo essa contradição do Código de Processo Penal com o sistema acusatório, terem legislado sobre a tramitação direta, como é o caso do Rio de Janeiro que, inclusive, editou a Resolução n.º 786, de 02 de dezembro de 1997, regulamentando como seria esse processamento.

Existe também, em âmbito federal, a Resolução n.º 063/2009, do Conselho de Justiça Federal, que regulamenta a tramitação direta do inquérito policial entre o Ministério Público Federal e a Polícia Federal, o que demonstra – corretamente, diga-se de passagem - que a tramitação direta sempre foi uma tendência brasileira.

De todo modo, como ainda não foi publicado o acórdão do mencionado julgamento, não tivemos acesso ao conteúdo dos votos dos Ministros, de modo que não sabemos quais os fundamentos invocados por Suas Excelências para declarar a inconstitucionalidade do inciso IV, do artigo 35 da Lei Complementar 106/2003, do Estado do Rio de Janeiro.

Isso porque, a depender das razões delineadas pelos votos dos Ministros, a tramitação direta do inquérito como instituto em si, pode não ter sido declarada como inconstitucional – o que de fato não o é -, mas os Ministros apenas podem ter assentado a tese de que os Estados da Federação não podem legislar sobre o tema, eis que se trataria de matéria privativa da União, ex vi do artigo 22, inciso I, da Constituição Federal.

Destarte, devemos aguardar a publicação do referido acórdão e esperar o desfecho do tema, de modo a compatibilizar o julgado do Supremo Tribunal Federal com a prática cotidiana, sendo certo que o Congresso Nacional deve se manifestar imediatamente sobre o tema, com o fim de extirpar essa antiga e desnecessária discussão sobre o inquérito policial e dar contornos de eficácia ao sistema acusatório proposto pela Carta Magna.


[1] LIMA, Marcellus Polastri. Manual de Processo Penal, Rio de Janeiro, Lumen Juris, 3ª Edição, pág. 98.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria