Saber administrar uma empresa agora também é uma habilidade exigida de outros profissionais, além dos administradores. Entre eles está o advogado, que enfrenta o dilema entre advogar e ser dono do negócio.

Um escritório de advocacia, para ter sucesso e se manter no mercado, requer um malabarismo com os elementos que devem ser geridos por seus sócios. Esse equilibrismo deve se dar entre as finanças, o administrativo, as pessoas, o jurídico, os controles processuais, a informática, a concorrência, os preços e entre tantos outros aspectos que interferem nos resultados de um negócio.

Os sócios de um escritório de advocacia, entretanto, têm a sua técnica voltada para outro enfoque, diferente da gestão empresarial. Isto porque o bacharel em Direito, quando conclui sua formação na Faculdade, não teve acesso a disciplinas formais que lhe oportunizasse acesso ao gerenciamento de seu próprio negócio, tais como: Gestão de Pessoas, Gestão de Cliente e Gestão Financeira.

É importante que se faça, então, a distinção entre o advogado proprietário do escritório e aquele especialista que vai gerir o escritório. E ambas as competências dificilmente são encontradas em um mesmo profissional.

O proprietário do escritório, em geral, é o profissional que detém o conhecimento do Direito, além de capacidade, habilidade e entendimento para o processo jurídico. Por isso precisa dedicar o seu tempo para o negócio, captando e fidelizando seus clientes, amparado no seu conhecimento jurídico.

Já o gestor do escritório poderá, ou não, ser o proprietário do escritório. Se não o for, será escolhido por este para gerir os seus negócios. O gestor deve ser um profissional com perfil de liderança e forte capacidade de agregação, porque terá que trabalhar como o elo entre os diversos setores do escritório, desde a equipe de atividade fim do negócio (os advogados) até os de suporte operacional (paralegais, financeiro, TI, administrativo e demais). Assim, deve ser um profissional com habilidade de gerar confiança e estabelecer alianças. E, além do perfil agregador, é imprescindível que detenha conhecimento técnico de gestão administrativa e financeira.

Ser dono de um escritório de advocacia, assim, significa saber que precisará delegar competências para profissionais que lhe auxiliem e apoiem em outros campos de conhecimentos diferentes da área jurídica. A multidisciplinaridade de profissionais em suas áreas específicas de atuação, na condução de um negócio, permite que a estrutura para a tomada de decisões possa ser mais ágil. O resultado para o escritório será uma retaguarda de apoio mais sólida, com o objeto principal do negócio, a advocacia, otimizada e valorizada.


Autor

  • Marisa Golin da Cunha

    Executiva de Gestão para implantação de melhoria de gestão em escritórios de advocacia, para melhoria de resultados operacionais e financeiros.<br><br>Especializações:<br>Planejamento organizacional visando a melhoria de performance<br>Desenho e Redesenho de Processos Operacionais de Trabalho<br>Adoção de indicadores de gestão através da criação da agenda de gestão (plano de negócios)<br>Realização e promoção de cursos, treinamentos e capacitação para adoção de técnicas profissionais

    Textos publicados pela autora

    Fale com a autora

    Site(s):

Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria