Aborda os principais aspectos do excelente excerto do jurista contemporâneo de maior produção atual

O livro é um “ensaio” sobre o discurso: sua importância, seu poder. Foucault inicia seu livro falando que “a produção do discurso é controlada, selecionada, organizada e redistribuída por procedimentos que conjuram seus poderes e perigos, dominam seu acontecimento aleatório, esquivam sua pesada e temível materialidade”. Isso dito, ele começa a trabalhar e a relatar os procedimentos de controle e delimitação do discurso (exterior – sistemas de exclusão; interior – discursos exercem um controle sobre si próprios). 

Sobre os sistemas de exclusão, existem, segundo Foucault, três sistemas que excluem a validade de um discurso: interdição (que possui três facetas – tabu do objeto, ritual da circunstância e exclusividade do sujeito que fala), separação/rejeição (pensar diferente dos “poderosos”) e o sistema histórico, institucionalmente constrangedor. 

Sobre as interdições, o filósofo afirma que revelam a ligação do discurso com o desejo e o poder. Sobre a separação/rejeição, afirma que atua na manutenção da censura que a escuta exerce. E separa várias páginas para explorar o sistema histórico, tido como o mais forte no quesito exclusão do discurso.Acerca do sistema histórico de exclusão, Foucault comenta que o estilo, o “layout” do discurso aceito mudou conforme as sociedades. Exemplos que ele deu foram os gregos do séc. VI a. C.(discurso verdadeiro era pronunciado por quem de direito e conforme o ritual requerido – importava o que era o discurso), depois, os do séc. VII a. C.(discurso verdadeiro: sentido do discurso, sua forma, seu objeto, sua relação e referência – importava o que o discurso dizia) e tantos outros. Ele afirma que, a partir de Platão, a vontade de um discurso verdadeiro, a vontade de verdade, tornou-se tão importante que seria imprescindível estudar também sua evolução no tempo.

Foucault afirma também que a vontade de verdade tende a exercer sobre os outros discursos uma espécie de pressão como que um poder de coerção. E que, para poder ser julgada como certa ou errada, uma proposição precisa pertencer a uma disciplina, o que ele chama de encontrar-se “no verdadeiro”. Mas para tal essa proposição precisa inscrever-se em certo horizonte teórico. Como fazer isso? Com o comentário? Não, pois ele limitava o acaso do discurso, tornando-o sempre igual. Com o princípio do autor? Não também, porque ele também limita o acaso com uma individualidade do discurso.

O princípio relativo e móvel foi o indicado pelo filósofo como o correto, já que permite construir conforme um “jogo restrito”. Fazendo um adendo a isso, Foucault afirma que “é provável que não se possa explicar o papel positivo e multiplicador do discurso se não se levar em conta sua função restritiva e coercitiva”. E então afirma que a forma mais superficial e visível desses sistemas de restrição é o culto ritualístico, ou seja, o ritual.

Sobre o discurso, Foucault explora dois tipos diferentes de formas de disseminação do discurso na humanidade: a sociedade de discurso e a doutrina. Na sociedade de discurso o número de indivíduos que falavam o texto era limitado e o discurso só podia circular e ser transmitido entre eles. Já na doutrina, há uma tendência à difusão do discurso, partilha de um mesmo conjunto de discursos, reconhecimento das mesmas verdades, aceitação de regra de conformidade com os discursos validados e uma proibição a certos tipos de enunciados. Com esses argumentos, o filósofo explica o poder de uma doutrina em detrimento do discurso da sociedade de discurso, visto que, na doutrina, as pessoas tinham a impressão de estarem fazendo parte do discurso, o mesmo não ocorrendo na outra forma de discurso.

Foucault também comenta sobre a veneração que o discurso ganhou ao longo dos séculos e da relação entreessa veneração e o temor do discurso aberto e, decorrente disso, a criação de instrumentos de dominação do discurso (limites, interdições, supressões e fronteiras). Para a análise do temor deve-se, segundo Foucault, questionarmos nossa vontade de verdade, restituir ao discurso seu caráter de acontecimento e suspender a soberania do significante. Para tal, o filósofo apresenta um método, que consiste de inversão, descontinuidade, especificidade e exterioridade. A inversão está relacionada à vontade de verdade, à rarefação do discurso, destruindo todos aqueles discursos mentirosos. A descontinuidade é o tratamento que deve ser dado aos discursos: práticas que se cruzam, se ignoram ou se excluem. A especificidade regulariza o discurso. E a exterioridade fixa as fronteiras do discurso.

Acerca do pensamento filosófico Foucault afirma haver três filosofias: do sujeito fundante (anima as formas vazias da língua, fundamenta proposições – “o sujeito fundante não precisa passar pela instância do discurso”), da experiência originária (alguma experiência antecedente a uma regra escrita que fez surgir pensamentos e idéias que deram origem ao acontecimento escrito) e da mediação universal (todas as coisas e discursos são intercambiáveis; um discurso pode ser explicado por outro; discurso: reverberação da verdade nascendo diante dos olhos). Com isso, ele afirma que o discurso se anula em sua realidade, se inscrevendo na ordem do significante.

Foucault encerra seu livro falando de duas análises sobre o discurso, que, segundo ele, devem alternar-se, apoiar-se reciprocamente e completar-se: análises crítica (sistemas de recobrimento do discurso e princípios de ordenamento, rarefação e exclusão do discurso) e genealógica (séries de formação efetiva do discurso e domínios de objetos – “positividades”).

Com isso Foucault termina seu livro, dizendo que “a análise de um discurso não desvenda a universalidade de um sentido, mas mostra rarefação e poder de afirmação”.



Informações sobre o texto

Artigo com o objetivo de dissecar a obra de Foucault acerca da ordem do discurso

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria