Breve apontamento sobre a importância da influência da psiquiatria e da psicologia na elaboração e exegese normativa.

Historicamente, o Direito foi marcado pela segregação dos diferentes. Assim se deu no apogeu dos regimes Nazi – Fascista e do Apartheid. As diferenças religiosas, mentais, raciais, sexuais e culturais sempre foram consideradas mecanismos fortes de exclusão e rejeição social. 

O Direito endossou, ao menos em alguns momentos, e de forma obliqua e velada, essa postura de exclusão de parcelas sociais e do próprio fato social. Vale, neste tocante, mencionar a construção Kelsiana, para quem a norma deveria rejeitar qualquer influência externa ao Direito, desconsiderando aspectos sociais, axiológicos, históricos, culturais, filosóficos ou psicológicos na distribuição da lei.

Diz, seu positivismo, que o ordenamento jurídico tem como fonte precípua a Norma Hipotética Fundamental. Desta perspectiva, o Direito seria, puramente, uma operação lógica de aplicação da lei.

Data Venia, o Direito, em sua gênese, é composto pela experiência histórica assistida e pela necessidade social sentida. Entendimento diverso negaria a sua própria função social, ao longo da inexorável evolução da humanidade. Logo, se a sociedade evolui, o Direito deve buscar atender aos novos anseios humanos gerados, sob pena de se tornar estático, anacrônico, defasado e segregador.

Indo ao tema, pode – se asseverar que a Psiquiatria, hoje, revela – se imprescindível à construção e à exegese da normativa. Vive - se tempos de loucos, em que a regra é a anormalidade. A normalidade é vista como rara exceção, ao menos em face do extenso rol de doenças mentais compiladas no Código Internacional de Doenças (CID - 10).

Neste contexto, fácil perceber que o formalismo e a axiologia do Direito (punitivo, por essência) devem dialogar com a informalidade, com o espírito reflexivo e compreensivo da Psicologia e da Psiquiatria (restaurativos, por natureza).

Considerar as vicissitudes mentais no momento da elaboração e interpretação normativa contribui, sobremaneira, para a humanização das Ciências Jurídicas, para o cumprimento da função da pena, que não só prevê o punir, como também o ressocializar. Atende – se, ainda, o Próprio Princípio da Dignidade da Pessoa Humana, de índole Constitucional, e os Direitos da Personalidade, inseridos no texto civil.

Em tempos de “loucos de todo gênero”, da expansão da psiquiatria na descoberta e no tratamento de moléstias mentais, seria, no mínimo, um contrassenso, empregar o velho modelo de segregação manicomial ou de reclusão em cárcere, no caso de delitos praticados por agentes “insanos”, sem “juízo crítico” ou “discernimentos”.  

Não que o “louco” não deva cumprir reprimendas pelo seu desajuste social. Mas, se realmente, o foco for reinseri - lo na teia social, mister que se traga o avanço médico em seu benefício.

Mira – se, com isso, resgatar o ser humano adoecido, ao revés de lhe dispensar tratamento desumano e desapropriado, recolhendo – o em meio a verdadeiros criminosos.

Tal leitura – (a da “loucura” e a do “louco”) - deve ser feita com parcimônia, cum grano salis, casuisticamente, por profissionais capacitados (em regra, em equipe), de sorte a elidir injustiças e o excesso de “psiquiatrismo”.

Assim, dar – se – á “a César o que é de César e a Deus o que é de Deus”, em um autêntico gesto de adequação da norma e distribuição da justiça. 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria