Análise das fases que passamos ao enfrentarmos problemas.

Quando temos um problema, uma demissão ou até mesmo um impasse como um prazo perdido, cada pessoa reage de uma forma.

Alguns, põe a culpa noutros e/ou situações e fatos, sempre na teoria de que nada foi da sua conduta.

Outros, parecem viver num mundo de fantasia, onde tudo está bem, mesmo com a casa caindo ao redor deles.

Outros ainda enfrentam, vivem como heróis para alcançar melhor resultado, mesmo diante das adversidades.

Uma psiquiatra suíça chamada Elizabeth Kübler-Ross apresenta em dois livros os chamados 5 estágios que passam um paciente em estado terminal.

Obviamente que ninguém morre dentro da empresa pelos motivos que elencados – embora dê as vezes vontade de ceifar algumas cabeças – contudo, os cinco estágios mencionados neste estudo são muito próximos daquilo que muitas pessoas reagem ao encontrar problemas.

Vejamos os estágios:

1. Primeiro estágio – Choque e Negação: A reação inicial ao saber o prognóstico é de choque, então o paciente pode se recusar acreditar no diagnóstico ou negar que algo está errado. Manifesta frases similares a estas: “Isto não está acontecendo”; “Não, eu não. Não pode ser verdade.”; “Deve haver um engano.”; “Não pode existir nada de errado, é só esse probleminha, no restante estou perfeitamente saudável.”

2. Segundo estágio – Raiva: O paciente reage com muita raiva, zanga ou irritação ao compreender seu estado real e as conseqüências da doença. Frases: “Por que eu?”; “Por que não ele?”; “Porque comigo,que sempre fiz o bem, sempre trabalhei e fui honesto?”; “O que fiz para merecer isso?”; “Porque Deus fez isto comigo? “

3. Terceiro Estágio – Barganha: Aqui o paciente já admite a existência da doença e pode tentar negociar em busca da cura. São comuns as tentativas de acordos, barganhas ou promessas a Deus. Frases: “Se Deus me curar, dedicarei minha vida toda Ele”; “Se Deus me curar, vou ajudar os pobres.” “Deus, ajude-me a viver mais alguns anos, até os meus filhos estarem mais independentes e não precisarem tanto de mim.”

4. Quarto Estágio – Depressão: O paciente pode mostrar sinais depressivos importantes: desânimo generalizado, inquietação, alterações do sono, perda de apetite, desesperança, etc. Frases: “Eu não consigo enfrentar isto.”; “Não posso fazer minha família passar por isto.”; “O que será de mim?”; “Eu falhei.”

5. Quinto Estágio – Aceitação: O paciente compreende que a doença é inevitável e aceita seu destino. Frases: “Estou pronto, eu não quero lutar mais.”; “Já posso partir!”.

Fonte: http://geniooculto.blogspot.com.br/2010/04/os-5-estagios-de-um-paciente-terminal.html

Muito parecido com as reações de perda de emprego, perda de prazo e por aí a fora.

Lógico que por não estar na ótica do fim da vida, mas no fim de algo dentro da vida, deverá haver um 6º (sexto) estágio (adicionado por minha conta):

Sexto Estágio: Reação: O paciente compreende que deve perdoar dentro do si o que aconteceu, analisar os fatores para que aprenda e ultrapasse dentro de si a perda/trauma e reage olhando para frente novas possibilidades e mercados de forma que a vida possa ter seu curso natural.

Fonte: Recôncavos mentais de Gustavo Rocha a partir de suas próprias experiências de vida.

E dentro da realidade empresarial que vivemos, torna-se essencial este sexto elemento.

Vamos aprender a ver nos outros aquilo que pode ser difícil de ser ultrapassado e levar a eles a possibilidade de crescer, aprender, ultrapassar e viver com uma reação diante dos fatos.

Não se trata de reagir com violência ou abnegação de tudo. 

Trata-se de ver o mundo sob nova perspectiva, onde errar faz parte da vida e perfeição somente Naquele que Acreditamos.

Enfim,

#Reaja!   #VejaSobNovaPerspectiva   #MudePrimeiroaSiMesmo
Você, em sua mais íntima essência, será beneficiado com esta reação que se acontecer em cadeia, poderemos ter um mundo melhor. 


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria