Execução Fiscal é uma lide resultante de uma divida ativa, gerada por uma obrigação tributaria ou não. Composta de Petição Inicial, Citação, Negociação e Extinção.


Execução Fiscal é uma lide resultante de uma divida ativa, gerada por uma obrigação tributaria ou não. Composta de Petição Inicial, Citação, Negociação e Extinção.

Palavras – chave: Execução Fiscal, Fazenda Pública, Contribuinte.

Introdução

   A execução fiscal nada mais é do que um débito com a Fazenda Pública, esta que, usa do poder judiciário, para resolver a lide presente. Ela pode ser: Estadual, Municipal ou Federal.
         De acordo com a Lei 6.830/80, artigo 4º “A execução fiscal poderá ser promovida contra: o devedor; o fiador; o espólio; a massa; o responsável, nos termos da lei, por dividas, tributárias ou não, de pessoas físicas ou pessoas jurídicas de direito privado; e os sucessores a qualquer titulo”.

I – Formação da Execução Fiscal

  Com um fato gerador nasce uma obrigação tributária, se o contribuinte, após ser notificado, não pagar ou se fizer sua defesa e perder, esse débito passa a ser uma divida ativa, esta que, gera uma certidão, um título executivo extrajudicial, e com base nisso, o Fisco da origem a uma execução fiscal.

II – Função da Execução Fiscal e Prazos

  A execução fiscal é o meio judiciário, em que a Fazenda Pública requer por seus contribuintes inadimplentes, o pagamento das dividas ativas.
  É gerada uma petição inicial pela Procuradoria da Fazenda Pública, esta, composta de uma forma simples, indicando o juízo ao qual será dirigido, o pedido da causa, e o requerimento para a citação do contribuinte, juntamente com a Certidão de Divida Ativa (CDA), pois, nela esta o valor da causa.
 Esta petição será encaminhada ao poder judiciário, onde o Juiz competente determinará a citação do contribuinte, o qual terá o prazo de cinco dias para pagar o débito ou nomear bens para garanti-lo, nesse caso, o Oficial de Justiça, ira avaliar os bens e conferi-los a um depositário que possui o dever legal de proteger os bens que foram entregues a ele. Pode ocorrer também, a penhora de créditos online, sendo estes, o faturamento de empresas, ações, imóveis, veículos, dentre outros.

III – Formas de Citação 

  O contribuinte, em regra, será citado pelo correio, com aviso de recebimento. Ele será considerado citado, na data da entrega da carta, ou se a data for omitida por AR (Aviso de Recebimento), após dez dias da entrega da carta a agência postal. Pois, se em quinze dias o AR não retornar, a citação será feita por um Oficial de Justiça ou por edital.

IV – Direito de Nomear os Bens

  Na execução fiscal o direito de nomear os bens a serem penhorados é do executado, seguindo a ordem, em que, o dinheiro vem em primeiro lugar, porem se a Fazenda Pública demonstrar ineficiência da penhora, ela poderá, pleitear uma substituição dos bens penhorados.

V – Extinção da Execução Fiscal

  A extinção da execução fiscal pode ocorrer por meio de compensação, transação, remissão, prescrição, dentre outras formas, no entanto, a mais comum é o pagamento da divida ativa.

  Artigo 185, CNT, “Presume-se fraudulenta a alienação ou oneração de bens ou rendas, ou seu começo, por sujeito passivo em débito para com a Fazenda Pública, por crédito tributário regularmente inscrito como divida ativa”.

Conclusão

  Em tese, a obrigação tributária é a formadora da execução fiscal, a qual é um método judiciário que garante a quitação da divida ativa com a Fazenda Pública, podendo essa divida ser de pequeno ou grande valor, se for de grande valor, pode ocorrer á penhora de bens, como garantia de recebimento, no entanto, o pagamento em dinheiro da divida é a garantia de extinção da mesma.


REFERÊNCIAS

BRASIL. “O que é execução fiscal?”. Disponível em: <http://guiatributario.net/2011/06/03/o-que-e-execucao-fiscal/> Acesso em: 01de Março de 2014.
             BRASIL. BODART, B. Disponível em: <http://atualidadesdodireito.com.br/brunobodart/2013/02/14/procedimento-da-execucao-inicial-citacao-e-penhora/> Acesso em: 01 de Março de 2014
             FALAVIGNA, H. Apostila de Direito Tributário; São João da Boa Vista: UNIFEOB. 2014.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0