O jusnaturalismo apresenta uma dualidade, a qual abrange duas dimensões: o direito natural (independe da vontade do homem) e o direito positivo (vontade do homem).

- O jusnaturalismo apresenta uma dualidade, a qual abrange duas dimensões: o direito natural (independe da vontade do homem) e o direito positivo (vontade do homem).

- Direito Natural: - racionalidade

                              - imutabilidade

                              - universalidade

Direito Positivo: estatuição (fixação por uma determinada autoridade política)

                             Mutabilidade ( altera no tempo e no espaço)

                             Particularidade

- toda vez que houve conflito entre ambos, deve prevalecer o direito natural

- o direito positivo só é válido se ele firma, ou seja, se ele tiver base no direito natural

- Direito positivo é posto pelo Estado

- Auge do positivismo jurídico – Glick:

Direito Natural: conjunto de todas as leis, que por meio da razão fizerem-se conhecer tanto pela natureza quanto por aquelas coisas que a natureza humana requer condições e meios de consecução dos próprios objetivos

- Ou seja, as leis emanam da razão do homem, de seu Estado natural.

Direito Positivo: conjunto das leis que se fundam na vontade declarada de um legislador e que, porque aquela declaração, vêm a ser conhecidas.

- Ou seja, através do legislador se têm as leis

Noberto Bobbio apresenta duas visões relacionadas ao jusnaturalismo: a concepção antiga (aristotélica) e a concepção moderna

Dicotomia: Estado de natureza sempre existiu, o Estado civil ou político é instituído pelo homem.

- a substituição do Estado de natureza pelo Civil não significa que o Estado de natureza não exista mais

Concepção Aristotélica

1-O ponto de partida da análise não é um estado de natureza concebido genericamente, mas uma sociedade natural originária ( a família) que seria uma forma específica, concreta e historicamente determinada por organizações especiais.

- Sociedade surge através da família

2-Entre essa sociedade originária ( a família) e a sociedade perfeita ( sociedade civil ou política) não há uma relação de contraposição e sim de continuidade e desenvolvimento. No sentido de que o homem teria passado por fases intermediárias até atingir a forma de organização social que caracteriza a política. Portanto, a sociedade politicamente organizada não é antítese do Estado pré – político (natural) e sim o seu desfecho natural.

- para chegar até a sociedade politizada, antes tem que passar pela família, sendo assim ambas representam um progresso e não uma ruptura. ( diferente dos modernos que acreditam na ruptura)

- Estado de Natureza ( = idéia de família) não sofre ruptura quando nasce o Estado civil ou político mas sofre um tipo de Evolução: família à vilarejo à cidade

3-Nesta estado natural que associa à idéia da família, os indivíduos são enfocados como membros de grupos organizados e não considerados em si mesmo.

- concepção antiga parte da imagem do grupo o qual o individuo pertence, e não o individuo em si. O grupo precede o indivíduo.

4-Como os indivíduos vivem desde o nascimento em famílias, o Estado pré político que se expressa nessa organização familiar não é caracterizado como um Estado de liberdade e igualdade originários e sim como um Estado hierarquicamente estruturado.

- Originalmente os homens não eram livres e iguais ( os homens são diferentes entre si, há uns que mandam e outros que obedecem, formando uma sociedade hierarquizada  e desigual)

5-A passagem do Estado pré-político para o Estado civil ou político não decorre de uma convenção, ou seja, de um ato voluntário e deliberado e sim de causas naturais. Tais como o crescimento da população, necessidade de assegurar os meios de subsistência, a defesa e etc.

- a origem da sociedade civil é natural.

6-O princípio da legitimação da sociedade política não é consensual e sim a necessidade.

Concepção do Jusnaturalismo Moderno

1- O ponto de partida para a análise da origem do fundamento do Estado civil ou político é um Estado de natureza caracterizado como não político e mesmo em alguns casos como anti-político.

2- Entre o Estado de natureza e o Estado civil ou político, não há uma relação de continuidade ou desenvolvimento e sim uma contraposição. Nos sentido político, surge como uma antítese ao Estado de Natureza

3- Os elementos constitutivos do Estado de natureza são os indivíduos não associados e formados na sua singularidade.

- a concepção moderna se baseia no contrato (o indivíduo cede parte da sua liberdade ao soberano).

4- Os elementos constitutivos do Estado de natureza ( os indivíduos) são caracterizados como livres e iguais uns aos outros. Motivo pelo qual o Estado de Natureza é geralmente descrito como o reino da liberdade e da igualdade

5- A passagem do Estado de natureza para o Estado civil político não ocorre naturalmente e sim por intermédio de convenções, ou seja, através de atos voluntários e deliberados.

- os indivíduos que desejam sair do Estado de natureza, conseqüentemente o Estado civil é cancelada como uma entidade artificial.

7-O princípio da legitimação da sociedade política não é a natureza e sim o consenso.

Aristóteles

Ética a Nicômaco:

- Justiça política: uma dimensão é natural; caráter universal do direito natural

( igual aonde quer que seja)

                                 Direito legal (depois direito positivo): decorre do ato de vontade, que a partir de um momento se transforma em lei. Todas as leis promulgadas para casos particulares

Bobbio ( interpretação aristotélica):

Direito Natural: universalidade; estabelece o que é justo ou injusto em si mesmo, além das opiniões.

Direito Positivo: mudança de lugar que faz com que tenha validade particular; o fato de referir-se a condutas que caso não fossem regulamentadas seriam indiferentes por referi-se a comportamentos que não são considerados bons ou maus em si mesmos

Praxis: os princípios que levam a ação justificam-na

            - a ação é o fim em si mesmo ( tem como fim a própria ação)

            - o fim não é o mais importante

Poiesis: - importa o resultado da ação; visa o fim

               - relaciona-se ao âmbito da arte e técnica pois essas visam o trabalho final

           

Pensamento Político – Francis Wolf

- Regime: organização de diversas magistraturas e sobretudo daquela que é soberana entre todas, o governo da cidade.

- Um regime é determinado pelas relações dos diversos órgãos políticos de decisão, os diferentes poderes, e pelas suas relações com o pode político central, o governo.

- todo regime supões um entrosamento entre os poderes ( quem faz o que? Quem decide sobre o que? Quem obedece o que?) Mas é em ultima instância,a pergunta: “quem governa?” que parece bastar para definir o regime

- O primeiro critério para estabelecer um regime seria de quem governa, e está de acordo com a extensão do soberano, basta que o governo e a constituição signifiquem a mesma coisa e que o governo seja aquilo que é soberano na cidade. Não importa o número de governantes (?)

- O segundo critério pra definir o regime é de acordo com o interesse visado no poder. Os regimes verdadeiramente político, aqueles que correspondem a essência do poder político, exercem a essência da cidade e os falsos regimes políticos, os despóticos, visa em primeiro lugar o interesse daqueles que o exercem.

- Os dois critérios são independentes.

- Apenas o regime que visa o interesse geral que é justo.

- Dependendo de se o poder é exercido por um, alguns ou todos, e de se ele visa o interesse daquele que exerce, ou o interesse geral, há seis regime possíveis:

            - Três são normais:o regime no qual o poder é exercido por um só, para todos (realeza),  aquele que é exercido por alguns para todos (aristocracia) e aquele que é exercido por todos (governo constitucional)

            -  Três são anormais (porque são despóticos): governo de um para interesse pessoal (tirania), governo de alguns para proveito próprio ( oligarquia) e poder da massa popular que é exercido sem outra consideração que não seja seu interesse (democracia)

Monarquia – tirania

Aristocracia – Oligarquia

Constitucional – democracia

- as formas de governo se degeneram por não ter mais o fim no bem comum, e assim  atingem as formas despóticas.

Hugo Grotius

Direito Natural Racional: “ o direito natural nos é ditado pela reta razão, que nos leva a conhecer se uma ação dependendo se é ou não conforme a natureza racional é afetada por deformidade moral ou por necessidade moral”

- Direito natural: ligado a sociabilidade (indivíduo esta disposto a viver em grupo)

                             - racional e naturalmente sociável. A razão fundada na sociabilidade do homem funda o Direito natural          

                             - Natureza do homem seria a mãe do direito natural.

- Ele escreve em um época em que ainda não há distinção entre o direito e a moral.

Prova a Priori: “consiste na demonstração da conveniência ou inconveniência necessária de uma determinada coisa com a natureza racional e social do homem”

Prova a Posteriori: “O consenso de todas as nações ou pelo menos das mais civilizadas”

- um jeito de mostrar que está de acordo com a natureza racional do homem é ver se as nações estão em consenso com isso. 

- Entre as coisas que são próprias do homem, encontra-se a necessidade de sociedade, isto é, de comunidade, não uma qualquer, mas pacífica e organizada de acordo com os dados de sua inteligência e que os estóicos chamavam de “estado doméstico”

- O que está em oposição a um tal juízo deve ser considerado como contrário também ao direito de natureza, isto é, da natureza humana.

“Tal juízo” = juízo sadio ( não deixar vencer pelo temos nem pelas seduções dos prazeres presentes)

- “devemos obedecer a Deus, sem exceção, como o Criador e ao qual nós somos devedores daquilo e de tudo o que possuímos”(?)

- “Deus pode conceder aos que lhe obedecem recompensas generosas, mesmo eternas, sendo ele mesmo eterno, e ele certamente quis que nele acreditasse, sobretudo se ele o prometeu de modo expresso”. (?)

- Deus impôs os princípios fundamentais a nós, ou seja, o direito natural presente é atribuído com razão a Deus. (?)

- A associação que une o gênero humano ou diversos povos entre si tem necessidade do direito.

Direito volitiva (voluntário): Direito divino(provém da vontade de Deus) e Direito humano (provém da vontade do homem)

Direito Divino: decorre da vontade e não da razão. È geral se destinado a todos os homens ou parcial se destinado apenas a um povo.

Direito Humano: Direito mais amplo que civil (direito das gentes; direito internacional), Direito Civil, Direito menos amplo que civil.

Direito civil: deriva do poder civil, o qual seria aquele que compete ao Estado (associação de homens livres reunidos em conjunto com o fito de gozar os próprios direito e buscar a utilidade comum)

Direito Civil: meio dos homens de se obrigarem mutuamente; serem fiel a seus compromissos de acordo com a sua natureza

                     - A mãe do direito civil é a obrigação que a gente se impõe pelo próprio consentimento. E a força dessa obrigação é derivada do Direito Natural

Direito menos amplo que o civil: a família, a qual pratica o direito familiar.

Direito mais amplo que o civil: comunidade internacional; aplica o Jus Gentium. Consenso comum

Direito Racional

- não aceita que a lei natural seja anterior a lei humana (coloca as duas lado a lado)

Guerra e direito: incompatíveis ( guerra = violência)

- Grotius acha que em certos momento eles são compatíveis

- A guerra é dirigida contra aqueles que não podem ser dominados pelas vias judiciais. Aos que podem lutar emprega-se as armas contra eles.

- Para que a guerra seja justa não se deve movê-la com menos sensibilidade como se costuma usar na distribuição da justiça

- Somente as leis civis não estão presentes nas guerras, as leis de natureza estão ( leis não escritas que foram estabelecidas pelo consenso dos povos)

- A guerra pode ser privada, pública ou mista

Pública: -autoridade do poder civil

               - solene: justa, reviste de dois aspectos fundamentais: poder soberano (autoridade civil) e observar formalidades (a guerra ser decretada publicamente)

               - insolene: não há autoridade e nem decretação pública (ataca o outro sem avisar). Perde portanto seu caráter justo.

Privada: não há autoridade do poder civil

Mista: quando há ambas as autoridades, e a civil ultrapassa a particular

Sto Tomás de Aquino

- Propõe 3 níveis de leis: -  Lei eterna ( diferente da lei divina)

                                            - Lei natural ( modo que nós humanos participamos da lei eterna)

                                            - Lei humana

Cadeia de derivação: falar na lei eterna e na lei natural implica em falar na lei humana.

Posicionamento de Sto Tomás de Aquino em relação a Lei eterna:

- Não é a vontade de Deus, mas sua razão (razão divina) que governa o mundo

- Deus ordenou racionalidade ao homem (ordenação racional) e que tem caráter eterno e imutável (lei eterna)

Características:

1-a razão eterna/ divina se expressa na forma da lei

2-Esta lei é eterna porque expressa uma racionalidade que não circunscreve as balizas temporais da finitude humana

- todas as causas sujeitas á divina providência estão subordinadas á lei eterna

- A lei natural pressupõe a existência da lei eterna, da qual ela deriva

- O homem enquanto criatura racional participa da lei eterna por intermédio da lei natural. Portanto a Lei natural, é uma forma de participação da razão humana na razão divina, e se expressa na forma de uma inclinação dos atos e fins divinos.

- A lei humana deriva da lei natural mediante a passagem do plano universal para o particular através de uma conclusão lógica.

- lei natural: participação da criatura na lei eterna, característica de “universalidade”. Derivação de coisas mais gerais (passagem da lei natural para  lei humana) premissas gerais: passagem do plano universal para o plano humano.

Thomas Hobbes

- direito de natureza: a liberdade que cada homem possui de usar seu próprio poder, da maneira que quiser pra a preservação de sua própria natureza, ou seja, de sua vida, e conseqüentemente de fazer aquilo que seu próprio julgamento e razão lhe indiquem como meios adequados a esse fim

- liberdade = ausência de impedimentos externos que muitas vezes tiram parte do pode que cada um tem de fazer o que quer.

- lei de natureza: preceito que proíbe o homem de fazer tudo o que possa destruir sua vida ou privá-lo dos meios necessários para preservá-la

direito= liberdade de fazer ou omitir

lei= determina ou obriga uma dessas coisas (em pró da sua vida e dos meios para preservá-la).

- Condição do homem: guerra de todos contra todos

- “Todo homem deve esforçar-se pela paz, na medida em que tenha esperança de consegui-la e caso não consiga pode procurar e usar todas as ajudas e vantagens da guerra”

- Contrato: transferência mútua de direitos.

- Doação: quando a transferência não é mútua ( sem querer algo em troca)

- passagem para o pensamento moderno

- um dos principais pensadores do absolutismo

- rejeita a idéia do homem como animal naturalmente sociável, animal político.

Ele acha que se deixasse o homem na sua naturalidade ele entraria em conflito com seus semelhantes.

- ênfase no direito positivo: o direito tem validade não na verdade mas no poder do soberano à “ não é a verdade mas a autoridade que cria o direito”

- O medo precisa estar nas relações sociais ( precisa temer o soberano e não os outros indivíduos). A paz social só é possível para o soberano se ele subtrair o medo das relações sociais.

- Pode haver direito a resistência se  soberano se os outros também o fizerem visando a paz e a estabilidade ( se o soberano não cumprir sua função de garantir a paz e estabilidade poderá haver resistência)

- súditos: todos aqueles que não compõem o soberano.

- Estado de guerra: quando não há alguém controlando o Estado e então gera o conflito

- melhor abrir mão da liberdade e instituir um pacto associativo (civil) que irá nomear um terceiro (leviatã)

- A passagem do Estado de natureza para o civil não é natural, pois eles fazem um cálculo do custo benefício da segurança deles, é algo “ forçado”; há um pacto social e hipotético

1-Os indivíduos são iguais entre si e desejam as mesmas coisas, porém eles vivem em um ambiente de escassez onde não há tudo para todos ao mesmo tempo e ai surge o conflito.

     2-  3 características da discórdia: desconfiança, competição e o desejo de glória. Essas 3 características também levam o homem ao conflito:

competição: visa o lucro

desconfiança: visa a segurança

desejo de glória: via a reputação

- São indivíduos racionais, visam maximizar o seu benefício utilizando a sua própria razão

- Tanto Hobbes quanto Locke acham que na sociedade os indivíduos acham a propriedade e o bem coletivo

- a ausência de transparência entre os indivíduos será um motivo a mais para o conflito.

Talcott Parons: desenvolve a teoria do sistema

- nós somos caixas pretas para os outros (opacidade)

- as nossas relações são contingentes, pois cada um não sabe o que o outro está pensando e isso implica em um manter expectativas em relação ao outro

- Os homens não tiram qualquer prazer com a convivência um com o outro, pelo ao contrário, tiram desprazeres.

- Estado de natureza para ele: Estado de guerra de todos contra todos. Guerra liga-se a idéia de segurança.

Estado de Natureza = Estado de Guerra

- Para Hobbes o Estado Civil seria algo corretivo, que irá corrigir a situação trazida pelo Estado de guerra

- Estado Civil tem como prioridade a segurança.

Locke

- Pensamento mais ligado a burguesia.

- Estado de natureza: igualdade (sem subordinação a outra pessoa) e liberdade (dispor de suas posses e pessoas como julgarem certo)

- Estado de liberdade não quer dizer que o indivíduo tenha o direito de destruir-se ou qualquer criatura em sua posse, a menos que um uso mais nobre que a sua conservação exija.

- Ninguém deve prejudicar outrem em sua vida, saúde, liberdade ou posses.

- No estado de natureza qualquer um pode punir outrem por qualquer mal que tenha cometido. Pois é um estado de perfeita igualdade, o que naturalmente não existe superioridade ou jurisdição de um sobre o outro. Deve-se punir conforme a dita razão calma e a consciência de modo proporcional a transgressão.

- Ao transgredir a lei da natureza, o infrator estará vivendo outra regra que não a da razão e da equidade comum, que seria a medida fixada por Deus para a segurança de todos. Sendo assim o infrator torna-se perigoso par aa humanidade.

- “todo homem tem o direito de punir o transgressor e de ser o executor da lei da natureza”

- Aquele que sofreu prejuízo tem além do direito de punição, como também o direito de exigir reparação ao infrator. Mas o magistrado apenas deve relevar a punição, a reparação é por parte do prejudicado, apenas ele tem o direito de exigir e relevar.

- Cada transgressão deve ser punida com tal grau e com tal severidade que baste para transformá-la em mau negócio para o transgressor, dar-lhe causas de arrependimento e aterrorizar a outros para que não procedam da mesma forma.

- Contra ao fato de que o Monarca devem estar acima dos outros e de fazer com que os indivíduos estejam submetidos a vontade injusta. A favor do Estado de natureza.

- Não é qualquer pacto que põe o fim ao estado de natureza entre os homens, mas apenas o acordo mútuo e o conjunto de constituir uma comunidade e formar um corpo político. Os homens podem celebrar entre si outros pactos e promessas e mesmo assim permanecerem no Estado de natureza.

- No Estado de natureza já há aquisição da propriedade

-Estado de natureza vem antes do estado de guerra. Em um primeiro momento, o Estado de natureza é harmonioso, porém carente de jurisdição, e assim irá surgir o conflito.

-  Cabe ao Estado político impedir o conflito ( guerra de todos contra todos)

- A origem do poder civil não poder vir do pacto poder (natureza privada) mas sim de um pacto social

- O conteúdo da racionalidade para Locke está não apenas na auto -preservação (centrar em si) mas sim no respeito ao outro (manter relações pacíficas e assim atingir o Estado de paz)

- quando a própria preservação não estiver em jogo deve-se lutar pela preservação da humanidade. Não pode, a não ser que seja pra fazer justiça a um infrator, tirar ou prejudicar a vida ou o que favorece a preservação da vida, liberdade, saúde, integridade ou bens de outrem.

- o Estado civil é uma prevenção da efetividade de um pacto anterior (ainda no estado de natureza), que seria um pacto procedido do dinheiro e das trocas comerciais.

- o que coloca os homens no Estado de natureza é não ter alguma autoridade. Eles vivem segundo a sua racionalidade

- Governo Civil aparece como um “remédio” adequado as inconveniências do Estado de natureza

- No estado de natureza muitas vezes os indivíduos irão punir influenciados pela paixão e a vingança, causando desordem e confusão, e é por essa razão que Deus designou o governo para conter a parcialidade e violência dos homens

- O estado de Guerra é uma degeneração do Estado de natureza, é um estado de inimizade e destruição

- Pode-se destruir aqueles que são contra a lei comum da razão, e não tem outra regra senão a da força e violência, e portanto podendo ser tratados como animais de presas, criaturas perigosas e nocivas que nos destruirão.

- Aquele que tenta colocar a outrem sob seu poder absoluto põe-se conseqüentemente em estado de guerra com ele.

- Aquele que me expor a algum perigo, merece ser legitimamente tratado como alguém que se colocou em estado de guerra comigo.

- Quando não alguém para apelar em busca de assistência, constitui o Estado de guerra.

- Evitar o Estado de guerra é a grande razão pela qual os homens se unem em sociedade e abandonam o estado de natureza.

- Exercício do poder civil tem que ser feito pela classe proprietária

- Salário pago a classe trabalhadora, é destinado a subsistência da mesma, fazendo com que a sua ação política seja atrapalha por isso.

Na situação de guerra nada pode ser considerado justo e injusto , apenas quando houver o bem comum, ou seja, quando tiver uma autoridade soberana que irá garantir esse bem comum.

- os homens do estado de natureza tem desejos de prosperidade o que “ativa” sua racionalidade mostrando-os a ter um poder civil eficiente e que levaria a um Estado

- O Estado irá servir como um poder coercitivo que vai apontar para uma relação passiva com o semelhante. Estado = garantia de paz.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0