Análise das mudanças que vem ocorrendo com o desenvolvimento da sociedade, tendo em vista a democratização do acesso ao Comércio Eletrônico e a necessidade na busca por amparar o consumidor em relações como essa.

Estamos na Era da Revolução da Informação, ou seja, conhecimento e informação passaram a desempenhar o papel central na atividade econômica. Contudo, atualmente o Contrato Eletrônico não tem regulamentação específica. O mercado de consumo vem sofrendo mudanças neste setor, tendo em vista o amplo crescimento de compras realizadas online. Decorrente disso, surge a necessidade de amparar a população em relações como essa. Segue a premissa de que o consumidor não está “suficientemente” amparado pela vigente Lei, sendo necessário a adoção de meios para equilibrar esse tipo de relação de consumo, visto que, em contratos eletrônicos as partes estão sujeitas a maiores riscos devido a vulnerabilidade do ambiente digital. 

Diante disso, posicionou-se o Senado, através do Projeto de Lei nº 281, de 2012, que propõe a Reforma do Código de Defesa do Consumidor, alterando a Lei 8.078, de 11 de setembro de 1990, dispondo na ementa, aperfeiçoar as Disposições Gerais do Capítulo I do Título I e dispor sobre o Comércio eletrônico.

            Para tal, será inclusa uma seção própria, nos Arts. 45-A a 45-E, tendo como objetivo reforçar os direitos de transparência, informação, lealdade, autodeterminação, cooperação e segurança, , bem como o direito de arrependimento, ou seja, que a interpretação das normas e negócios jurídicos seja de forma ainda mais benéfica ao consumidor.

            Com ênfase no Direito à informação, a proposta estipula que em contratos eletrônicos o fornecedor deverá destacar: a) nome empresarial e inscrição no Ministério da Fazenda, para frear a dificuldade de entrar em contato com o fornecedor; b) endereço geográfico e eletrônico; c) valor total do produto mais a discriminações de eventuais despesas; d) especificidades e condições da oferta; e)características essências do produto ou do serviço; f) prazo de validade da oferta, inclusive do valor,g) envio da cópia do contrato, e deverá ser de fácil compreensão, h)proibição de spam; entre outros.

Em suma, o fornecedor terá que garantir a informação, contato e resposta ao consumidor, tendo ainda, que corrigir eventuais erros na contratação antes de sua finalização. Em vista disso, será mais efetiva e clara a aplicação do dispositivo nos contratos eletrônicos de consumo. 


Autor


Informações sobre o texto

Publicação em Jornal

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria