Este artigo visa explicar ao novos estudantes de direito e leigos interessados no assunto um dos principais institutos do Direito Penal. Repleto de exemplos visando a melhor compreensão do tema.

Do dolo:

De acordo com o art. 18 do Código Penal Pátrio:

“Diz-se o crime:

I – doloso, quando o agente quis o resultado ou assumiu o risco de produzi-lo.”

Conceito:

O dolo é a vontade livre e plena consciência do agente de praticar o tipo penal, ou, ainda, quem prevê um resultado e assume o risco de produzi-lo. A consciência é a parte intelectual do dolo, ou seja, o indivíduo quer fazer o que o tipo penal descreve e tem plena consciência do que está fazendo. Um exemplo muito utilizado pelos autores é o do homem que está caçando na floresta à noite, avista um animal e atira nele, vindo a descobrir que na verdade alvejou um colega. Não há dolo na conduta deste indivíduo, haja vista que o homem não tinha consciência de que tinha atirado contra um ser humano. Neste caso ele incorreu no “erro de tipo”. Sem adentrar no mérito, vale dizer que o erro de tipo sempre afasta o dolo, mas não necessariamente a culpa.

A vontade é o elemento volitivo do dolo, é o que motiva a atividade de alguém para que este pratique um crime. Se faz mister o questionamento com relação ao conteúdo da vontade do autor ao praticar a ação, qual fim ele almejava. Assim, se A mata B, não se pode dizer que A cometeu o crime descrito no art. 121 do Código Penal, apesar de ter praticado o verbo “matar” devemos analisar se o fim almejado por A era o de retirar a vida de B, se a resposta for , por exemplo, lesionar, o crime já não é homicídio, mas sim lesão corporal seguida de morte (art. 129, §3º, do Código Penal). Com base nos ensinamentos do professor Enio Luiz Rossetto , este momento volitivo é a “decisão no sentido de realizar o tipo" penal do sujeito.Como bem sintetiza o professor Damásio de Jesus , os elementos do dolo são:

a. Consciência da conduta e do resultadob. Consciência da relação causal objetiva entre a conduta e o resultadoc. Vontade de realizar a conduta e produzir o resultado

Na alínea “a” Damásio de Jesus leciona que “É necessário que o agente tenha consciência do comportamento positivo ou negativo que está realizando e do resultado típico”, parafraseando, a pessoa tem que ter em sua cabeça que com aquela ação ou omissão ele chegará a um resultado que está descrito na lei penal, ou seja, praticará um crime. Na alínea “b” é o momento intelectual, ou seja, o sujeito deve ter consciência de que com a sua conduta ele irá gerar o resultado crime, deve saber que irá causar um dano com a sua ação ou omissão e quem sem ela o resultado não será alcançado. E, por fim, o elemento volitivo, traduzido na máquina que move a conduta do agente.

As teorias do dolo:

São quatro as teorias do dolo:

a. Teoria da vontade: É a descrita na primeira parte do art. 18 do Código Penal, “quando o agente quis o resultado”, ou seja, a vontade livre e consciente de praticar o verbo do tipo.b. Teoria do assentimento: É a segunda parte do artigo descrito acima, “assumiu o risco de produzi-lo”. É a teoria do dolo eventual, ou seja, o indivíduo antevê a possibilidade de um resultado lesivo com a sua conduta, porém assume o risco de produzir tal resultado, não se importa com a sua ocorrência. Falta ao agente a vontade direta de praticar o crime, há uma consciência do ilícito e a aceitação deste pelo autor, que continua a exercer a sua conduta.c. Teoria da representação: Para esta teoria basta que o indivíduo preveja um resultado lesivo em sua conduta, não sendo necessário que ele assuma o risco de produzir, desde que continue a praticar a conduta. Nesta teoria se confundem o dolo eventual e a culpa consciente.

O professor Rogério Greco ainda explica uma quarta teoria, a teoria da probabilidade que, resumidamente, distingue o dolo eventual da culpa consciente com base em dados estatísticos, ou seja, se um agente prevê um resultado e este tem grandes probabilidades de acontecer estaremos diante de dolo eventual. Porém esta teoria não foi aproveitada no nosso Código Penal.

Só para não restar dúvidas, o nosso Código Penal adotou as teorias da vontade e a do assentimento.

Espécies de dolo (dolo direto, dolo indireto e dolo geral):

O dolo direto é quando uma pessoa tem vontade de cometer um crime e age para isso. Imagine que A quer matar B, ele pega uma faca e alcança o resultado desejado. Há aqui o dolo direto, ou seja, a vontade do agente de praticar um resultado, seguindo pelo iter criminis(caminho do crime): o agente cogitou a prática de um homicídio (Cogitação), ato contínuo se preparou e adquiriu uma faca (Atos preparatórios), começou a esfaquear a vítima (Atos executórios) e atingiu o resultado morte, ocorrendo a consumação do delito (Consumação).

Só para explicar, no iter criminis não se pune a cogitação ou atos preparatórios de um crime, o Direito Penal não pune alguém por simplesmente pensar em praticar um crime e nem quem adquire os meios para a prática do crime – salvo se este constituir um crime próprio, e.g., adquirir uma arma ilegalmente.

O dolo direto pode ser segmentado em dolo direto de primeiro grau e dolo direto de segundo grau. O de primeiro grau é quando um indivíduo direciona a sua conduta diretamente à prática de um delito, sem a possibilidade de algum efeito colateral. Agora, imagine um aluno que sofreu bullying de outro, somente este último praticou bullying contra ele, ninguém mais de sua sala de aula, e ele decidiu se vingar de seu “bully” colocando um artefato explosivo na sala de aula, que ao explodir matou o “bully” e alguns colegas, neste caso, no evento morte do “bully” há dolo direto de primeiro grau, pois o fim desejado pelo aluno em sua conduta era a de lhe causar a morte.

No exemplo acima, há o dolo direto de segundo grau na morte dos colegas, que não eram o alvo de sua atividade, o agente nada tinha contra eles, mas o resultado morte para estes colegas era certo no caso descrito, desta forma a certeza que de que o meio empregado para atingir o fim teria efeitos colaterais.

O dolo indireto, também conhecido por dolo indeterminado, isto porque o conteúdo do dolo aqui não é definido. O dolo indireto pode ser dividido em dois, alternativo e eventual. No primeiro o agente quer dois ou mais resultados, por exemplo, o indivíduo quer matar ou ferir a vítima. O professor Rogério Greco entende que há uma “pitada” de dolo eventual no dolo alternativo, pois o criminoso, ao perseguir um resultado, não se importa se outro ocorrer, v.g., um homem quer “ensinar uma lição” à sua amásia e para isso adquire um revólver. Seu objetivo é ferir sua esposa, mas ele sabe que pode matá-la e não se importa se isso ocorrer ou não.

No eventual o sujeito ativo não quer praticar o crime, mas diante da previsibilidade de um resultado lesivo, decorrente de uma conduta própria, ele assume o risco de produzi-lo.

Portanto, o dolo indireto não é definido porque o resultado almejado não é definido, podendo ele desejar uma pluralidade de resultados ou não desejar nenhum, porém assumiu o risco de produzir um resultado danoso.

O professor Rogério Greco também analisa o dolo subsequente em sua obra. Este consiste em um agente iniciar uma conduta e alcançar um resultado não desejado, mas, posteriormente, se sentiu satisfeito que o resultado tenha acontecido. Por exemplo, um vizinho odeia o outro, um dia, enquanto um saía da garagem para ir ao trabalho, sem querer atropela e mata o outro, e fica feliz com o resultado que alcançou. Com este exemplo podemos perceber que a vontade inicial do agente não era de extinguir a vida de seu vizinho, portanto uma conduta culposa, mas ao ficar satisfeito com o resultado ele demonstra que em seu ímpeto a vontade estava expressa. De qualquer forma, ele só responderá pelo crime culposo, pois para se configurar o dolo a vontade deve ser anterior à consumação do delito.

Dolo geral ocorre quando o sujeito ativo acredita ter consumado o crime, mas este só se consuma por uma ação posterior. No exemplo do marido, suponha que ele tenha ferido sua amásia, mas pensou que a tivesse matado, para esconder o corpo ele a enterra no jardim, e esta vem a óbito por soterramento. No caso em análise, ao marido seria imputado qual crime? Homicídio tentado e/ou homicídio culposo? Devemos analisar a vontade do agente, na primeira conduta o seu objetivo era o de praticar o verbo matar do artigo 121 do Código Penal, enquanto que na segunda era o de ocultar o cadáver. Por conta desse tipo de problemática foi criado o dolo geral, ou seja, a vontade do autor persegue seus atos contínuos até que o resultado inicial se consume, ainda que de forma diversa da desejada pelo agente. Assim, no exemplo dado o marido seria acusado de ter praticado homicídio doloso consumado, pois a sua vontade inicial de matar a amásia acompanhou seus atos contínuos até alcançar o evento morte, mesmo que a esposa tenha morrido por soterramento e não por conta dos tiros.

O professor Damásio de Jesus discorda da posição acima, ele critica que esta solução do dolo geral é muito ampla e geraria punições em casos inaceitáveis. Usando o exemplo acima, o marido deveria responder por tentativa de homicídio. Isto porque, para o referido doutrinador, no momento em que ele atirou contra a vítima ele queria alcançar o resultado morte, mas não conseguiu por circunstância alheia à sua vontade, qual seja o erro de acreditar que tinha matado a esposa. No segundo momento, em que enterrou a amásia, sua vontade era direcionada a ocultar o cadáver, ou seja, almejou praticar, contra pessoa viva, um crime que exige que a pessoa esteja morta, “logo, não realizou conduta criadora de risco de resultado morte”, já que acreditava que a vítima estivesse morta. O professor se valeu no instituto da imputação objetiva para chegar à essa conclusão, que não se baseia no dolo, pois este é condição subjetiva do agente, e defende que a imputação penal só pode ser dirigida ao autor que criou ou aumentou um risco à um bem jurídico, no exemplo a vida.

Referências Bibliográficas:

Luiz Rossetto, Enio. Código penal militar comentado - 1ed. - São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2012.

Greco, Rogério. Curso de Direito Penal: Parte Geral - 14ed. - Rio de Janeiro: Impetus, 2012.

Jesus, Damásio de. Direito Penal, volume 1: parte geral - 32ed. - São Paulo: Saraiva, 2011.



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria