Entendemos que, visto o Direito Administrativo nascer do Estado de Direitos, é forçoso reconhecer que a Administração é fruto do Estado de Direitos e a ele deve submissão.

Sumário: I. Introdução ao Tema. II. A Aplicação do Princípio da Legalidade quando da Intervenção na Propriedade Privada. III. Reflexões Finais. IV. Referências Bibliográficas.

RESUMO

Entendemos que, visto o Direito Administrativo nascer do Estado de Direitos, é forçoso reconhecer que a Administração é fruto do Estado de Direitos e a ele deve submissão.

Acerca da aplicação do Princípio da Legalidade quando se realiza a intervenção na Propriedade Privada, posto que vivemos em um Estado Democrático de Direitos, este se caracteriza como qualificador e identificador do Estado ao qual pertencemos, como base jurídica e administrativa.

Portanto, ao longo desta abordagem perceberemos como a abrangência deste Princípio permeia a Administração Pública como um todo e tem suma importância para validar a intervenção que se pretende ou que concretiza na propriedade particular, de modo que, o não reconhecimento deste imputa em invalidade, ilegalidade do ato interventivo.

Palavras-chave: Princípio, Legalidade, Intervenção n Propriedade Privada.

INTRODUÇÃO AO TEMA

Sob a égide da famosa afirmação de que “a lei é dura mais é a lei”, observamos que, a partir de noções populares, podemos extrair conhecimentos basilares do universo jurídico. Tais postos,comecemos partindo da afirmação de que,como decorrência do Estado de Direitos, todos devem obediências às leis, inclusive o próprio Estado que as legisla.

Seguindo esta linha lógica de raciocínio, a nossa Carta Magna determina em seu art. 37, caput que a Administração Pública obedeça ao princípio da legalidade, que é essencial àAdministração, de maneira que, deve toda a atividade administrativa estar prevista em lei, pois como já é de nosso conhecimento, o contrário a esta importa na ilegalidade do ato.

De suma e apreciável importância é a observação de tal princípio, pois constitui uma das mais importantes e aplausíveis garantias aos direitos individuais e coletivos, visto que em sua aplicação, a lei além definir a conduta do administrador, ainda a impõe limites, proporcionando de fato a segurança jurídica tão prezada em nosso atual sistema, pautado em respeito, humanidade e na plenitude dos direitos, principalmente quando em questões que versem acerca da restrição ou retirada de direitos dominiais de particulares em detrimento do determinado interesse coletivo, dada a acuidade deste ato.

Ao apontarmos tais expostos, chegamos a um discernimento comum de que “todo poder emana do povo”, sendo assim, quando a Administração Pública visualiza a conveniência de intervir em domínio alheio em prol da adequação às necessidadesda população, ocorre nada mais do que a representação do verdadeiro legitimado do poder: o povo. Logo, a fundação, formação e aplicação das vias legais, em concordância com a Constituição Federal, devem ser em favor dos administrados.

O assunto que trataremos a seguir permeiaos modos e meios de o Poder Executivo exercer os interesses públicos em conformidade com os nossos dispositivos legais.

A APLICAÇÃO DO PRINCÍPIO DA LEGALIDADE QUANDO DA INTERVENÇÃO NA PROPRIEDADE PRIVADA

A própria história da sociedade livre e do Estado de direitos nos demonstra o repúdio total a qualquer tipo de absolutismo ou poder autoritário, desde a revolução francesa, baseada em ideais conhecidos e seguidos até os dias atuais.

Segundo o Professor Celso Antônio Bandeira de Melo, pg. 100, parágrafo 3°:

“O princípio da legalidade é antídoto natural do poder monocrático ou oligárquico, pois tem como raiz a ideia de soberania popular, de exaltação de cidadania. Nesta ultima se consagra a radical subversão do anterior esquema de poder assentado na relação soberano-súdito (submisso)”.

Sendo assim, o princípio da legalidade em seu teor, nada mais significa, no âmbito público, que a administração apenas tem a legitimidade para fazer o que a lei a permitir, desta maneira, alegamos que até mesmo o próprio Estado em momento de suas decisões e execuções, o que inclui a máxima da intervenção, está obrigado durante toda a atividade a seguir os mandamentos legais, em busca do bem comum, executando-os, apenas por colocá-la em prática, sem desviar-se da lei, sob pena de cometer ato ilegal e inválido.

O direito brasileiro ampara a legalidade de forma tão formidável que a assegura em mais de uma passagem legal, incluindo o artigo 5° da Constituição Federal, que versa sobre os direitos e garantias fundamentais, em seu inciso II, transcrito:

“Ninguém será obrigado a fazer ou deixar de fazer alguma coisa senão em virtude de lei”

Desta maneira não só qualquer dos cidadãos, mas a própria Administração quer seja através da administração direta ou indireta, apesar de se manter em posição superior na relação jurídica com o particular, se obriga a observar a justa aplicação deste este princípio basilar, por arrazoar a medida acima aludida nos preceitos constitucionais e legais, como bem ressaltam os Professores Marcelo Alexandrino e Vicente Paulo:

“Na intervenção na propriedade privada, a atuação do Estado é efetivada de forma vertical, agindo o poder público numa situação de superioridade, mediante a imposição de regras que de alguma forma restringem o uso da propriedade pelo particular.

O suporte para essa supremacia do interesse público está no fato de que os interesses coletivos representam o direito do maior número (direito da maioria) e, por isso, quando em conflito com os interesses individuais, devem prevalecer sobre estes. Essa realidade legitima a superioridade jurídica do Estado em sua atuação, mesmo quando contrária aos interesses particulares, desde que observadas asa hipóteses e os procedimentos (devido processo legal) previstos na Constituição e nas leis”.

Sob este apontamento ainda, em acordo com a execução fiel da lei, voltaremos a citar o enriquecido disposto do MestreCelso Antônio Bandeira de Melo,pg. 798, parágrafo 1°, em seu livro discorre do seguinte modo:

“A fisionomia do Direito Administrativo em cada País, seus contornos básicos, seus vetores e perspectivas são determinado pelo Direio Constitucional nele vigente. Assim, pois, todos os institutos interessantes ao Direito Administrativo que dizem com a intervenção do Estado no domínio econômico e no domínio social haverão de consistir na aplicação concreta dos correspondentes comandos residentes na Constituição”.

Sobremaneira, o pilar jurídico nos acrescenta ainda mais aspectos de afirmação da obrigatoriedade da aplicação deste princípio, conforme notamos na Lei 9.784/99, em seu art. 2°, parágrafo único, inciso I, que nos traz a asseveração lógica de que a eficácia de toda atividade administrativa estar condicionada ao atendimento da lei e do direito, segundo segue infratranscrito:

“Art. 2º A Administração Pública obedecerá, dentre outros, aos princípios da legalidade, finalidade, motivação, razoabilidade, proporcionalidade, moralidade, ampla defesa, contraditório, segurança jurídica, interesse público e eficiência.

        Parágrafo único. Nos processos administrativos serão observados, entre outros, os critérios de:

I - atuação conforme a lei e o Direito”

Neste sentido ainda temos um abastado leque de expressões legais a respeito de tal garantia, a exemplo do art. 5° XXXV, no qual consta que “a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça de lesão”, podendo esta advir também de Atos praticados pela Administração.

Conforme pesquisamos, é cogente concordar com o admirável raciocínio doDouto Magistrado Hely Lopes Meielles, à pg.684, parágrafo 2°, no tocante ao assunto, articula:

“Essa intervenção, entretanto, não se faz arbitrariamente, por critérios pessoais a autoridade. É instituída pela Constituição e regulada por leis federais que disciplinam as medidas interventivas e estabelecem o modo e forma de sua execução, sempre condicionada ao atendimento do interesse público, ao respeito dos direitos individuais garantidos pela mesma Constituição”.

Dispondo ainda, sobre os fundamentos de aplicabilidade da legalidade, anexamos o artigo 84, inciso IV, da nossa Cártula Magna Pátria, transcrito, nos termos que descreve as competências privativas do Presidente da República:

 “Inciso IV- sancionar, promulgar e fazer publicar as leis, bem como expedir decretos e regulamentos para sua fiel aplicação”.

Seguimos ponderando sobre a fundamental aplicação deste, pois, a conduta com base em tal princípio legitima o ato, tornando-o válido e acrescido de outros aspectos jurídicos, firma-se perfeito, notados de legalidade e probidade por parte do ente executor.

Com isto, à Administração conforme corroborado pelos aspectos já descritos, é imperativa a análise dos fundamentais inerentes á qualquer tipo de intervenção, mesmo que esteja a Administração relacionada de maneira a vertical no aspecto jurídico, não sendo facultativa observância do prevalecimento do interesse coletivo, bem como o rigor que se impõe o princípio da legalidade constitucionalmente previsto, sendo vetada também a aplicação deste de modo autoritário, agressivo ou em de todo modo sobrepondo excessos ao que restringe ainda mais o direito turbado ou até mesmo retirado do particular.

De final maneira, havemos de fazer menção à assertiva sucinta e primorosa expressa pelo Advogado e Professor Hely Lopes Meirelles, pg. 89, parágrafo 4°:

“A lei para o particular significa “pode fazer assim”; para o administrador público significa “deve fazer assim”.”.

Ex positis, averiguamos total acordo com o encadeamento lógico do professor Hely Lopes, pois este arrazoa, através da breve citação supracitada, apreciação integral, de modo conciso das abordagens explícitas em nosso estudo.

REFLEXÕES FINAIS

A legalidade como já apontado, é preceito de garantia e principalmente direito fundamental inerente aos cidadãos.

As relações administração - administrado, por vezes seguem por inobservar este princípio primordial, por maneira a dificultar por diversas vezes a pura e simples aplicação do dito princípio, principalmente no que tange ao poder de intervenção da Administração através dos mais diversos meios, a saber, pela hierarquização jurídica que permeia tal relação. De todo modo, vê-se então que apesar do posicionamento preeminente deste no tema tratado, este atua em defesa do interessa da maioria, com isto prevalecendo como sempre a soberania popular, devendo então, qualquer ato que se derive da Administração ser vinculado e sujeito à mais correta análise do princípio constitucional da legalidade.

Mediante o estudo apresentado, vemos com clareza que os poderes investidos aos agentes executores públicos de cumprirem a lei, tão somente são válidos com o intuito de levar benefícios ao coletivismo, não podendo sobre hipótese alguma, devido à vinculação do ato à legalidade, o agente renunciar a tal ou descumpri-la, pois a administração é subalterna à lei, e esta por sua vez, à soberania do povo.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

  • Bandeira, Celso de Melo. Curso de Direito Administrativo, 28ª edição, editora Malheiros Editores, 2010.
  • Alexandrino, Marcelo e Paulo, Vicente. Direito Administrativo Descomplicado, 14ª edição, editora Impetus.
  • Meirelles, Hely Lopes. Direito Administrativo Brasileiro, 40ª edição, São Paulo, Malheiros Editores, 2013.

Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria