O artigo objetiva desenvolver estudo acerca das alterações do artigo 306 do Código de Trânsito Brasileiro, que tipifica o crime de embriaguez ao volante, abordando as constantes mudanças na redação do artigo que desde 1997 fora alterado duas vezes.

Busca-se demonstrar ao longo deste artigo as alterações do artigo 306 do Código de Trânsito Brasileiro e as questões que levam, até hoje, ao insucesso em se aplicar efetivamente o crime de embriaguez ao volante.

O legislador pátrio é o grande culpado pelos recorrentes equívocos de formulação do artigo, demonstrando enorme incompetência, falta de estudo e preparo na produção e edição de leis, em todos os âmbitos do direito.

Ao analisar o artigo 306 criado pela Lei nº 9.503/1997, constata-se que é  mais claro e razoável do que suas duas alterações realizadas pelo legislador. A interpretação do artigo era de fácil entendimento e aplicação, pois possuía apenas um tipo de proteção que não evitava acidentes, mas simplesmente punia o agente que demonstrasse o dano potencial a incolumidade pública. Esperava a conduta anormal acontecer, mas não evitava que ela viesse a acontecer.

Com o objetivo de aumentar o número de punições e tornar a lei muito mais rígida, o legislador mudou a redação do tipo penal previsto no artigo 306, por meio da Lei nº 11.705/2008.

Tal Lei de 2008 era regida por critério quantitativo, o mais seguro do ponto de vista da estruturação típica, no entanto o mais complicado em termos probatórios (uma vez que não obriga o agente a produzir prova contra si).

A lei teve forte apelo midiático, tornando-a fraca no aspecto técnico, jurídico e penal. Foi alcunhada de “lei seca”, causando temor em quem, até então, conduzia seus veículos livremente pelas vias públicas sob influência do álcool e de outras drogas. Isso causou  relevante impacto social, de modo que o efetivo policial, pela primeira vez desde a criação do Código de Trânsito Brasileiro, fiscalizou ativamente os condutores com fazer cumprir o que determinava a nova redação do artigo.

Essa intensa fiscalização nos leva a um novo debate: o que causou temor na população não foi a promulgação da nova lei, mas sim a ida do efetivo policial às ruas. O medo se resumia em ser parado em uma “blitz”. Aparentemente, a lei, por mais severa que fosse, sem efetiva fiscalização não há prevenção. Medidas preventivas antes de eventual punição seria mais adequada para se coibir a embriaguez ao volante.

Talvez o aspecto positivo da Lei nº 11.705/2008 foi demonstrar que lei pode ser a mais rígida que puder ser feita, porém,  sem fiscalização não haverá cumprimento.

Entretanto, paulatinamente, a lei foi sendo desmistificada pelos doutrinadores de direito e pelos Tribunais Pátrios, pois esbarrava em um direito individual garantido pela Constituição Federal, o da não autoincriminação. O direito do indivíduo de não produzir provas contra si mesmo.

Com efeito, a comprovação da materialidade do delito, que apenas poderia ser alcançada quando os próprios condutores submetiam-se voluntariamente ao exame pericial, não ocorria.

E além de ter criado tal aberração, o legislador manteve a redação do artigo por quatro anos. Se a mídia e o povo clamam por justiça, o legislador teve êxito na criação de uma lei que ao invés de coibir a conduta de dirigir embriagado, trouxe a maior série de absolvição de crime na história brasileira. A impunidade reinou. Por mais embriagado que estivesse, se não concordasse em fazer o exame de sangue ou do bafômetro (direito individual da não incriminação garantido pela Constituição Federal), ou seja, produzir a prova técnica, o motorista não incorreria no tipo penal. Não haveria prova suficiente da materialidade delitiva para uma ação penal.

A lei de 2008 não foi de fato eficiente, porque foi muito mal feita. Agora, a nova lei seca, alterada pela Lei 12.760/2012 corre o mesmo risco de sua antecessora, uma vez que sua interpretação vem sendo desvirtuada de sua real objetividade jurídica.

Embora o legislador, mais uma vez de forma equivocada, tenha estabelecido como prova para constatação da conduta a concentração igual ou superior a 6 decigramas de álcool por litro de sangue ou igual ou superior a 0,3 miligrama de álcool por litro de ar alveolar, o critério não é mais o quantitativo, mas apensa um dos sinais indicativos de embriaguez.

Presumir-se que o agente com concentração igual ou superior a 6 decigramas de álcool por litro de sangue ou igual ou superior a 0,3 miligrama de álcool por litro de ar alveolar, esta com a capacidade psicomotora alterada é um completo absurdo. Fazer isso, é estabelecer que as pessoas são iguais, quando não são, pois cada pessoa possui características físicas e fisiológicas peculiares e, consequentemente, apresentam sintomas  diversos quando sob efeito alcoólico.

Outra questão que merece ser tratada com extremo cuidado é capacidade psicomotora alterada. Ao implementar tal conceito o legislador abriu brechas na legislação, tornando-a excessivamente subjetiva. Se a intenção era tornar a lei rígida, o resultado talvez não seja este, pois o agente terá diversas maneiras de atestar que não estava com a capacidade psicomotora alterada. A nova lei dificulta o trabalho de se comprovar que o agente estava realmente com a capacidade psicomotora alterada e, portanto, incapaz de conduzir um veículo automotor.

Se o objetivo era enrijecer, a melhor saída seria copiar a redação da infração administrativa do artigo 165, do Código de Trânsito Brasileiro, em que a infração é dirigir sob a influência de álcool ou de qualquer outra substância psicoativa que determine dependência, fazendo dela efetivamente uma lei “SECA”, intolerante a abusos e/ou irresponsabilidades, mediante efetiva e constante fiscalização.

O enfoque deve sempre ser pautado em aspectos preventivos e educacionais, pois o quadro atual brasileiro é assustador: inúmeros acidentes, mortes e perdas. Ademais as punições não podem ser exclusivamente pecuniárias, pois apenas atestaria a impunidade tão criticada pela sociedade.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

NOGUEIRA, Fernando Célio de Brito; Crimes do Código de Trânsito – De acordo com as Leis Federais nº 11.705 (a “lei seca) e nº 11.719 (procedimentos), de 20 de junho de 2008; Editora Distribuidora JH Mizuno, 2ª edição, São Paulo/SP.

ARAÚJO, Marcelo Cunha de; Crimes de Trânsito – Atualizado com a Lei nº 10.259/2001 (Juizados Especiais Estaduais e Federais); Editora Mandamentos; Belo Horizonte/MG, 2004.

LOPES, Mauricio Antonio Ribeiro; Crimes de Trânsito – Anotações à Lei 9.503/97; Editora Revista dos Tribunais; São Paulo/SP, 1998.

NUCCI, Guilherme de Souza; Crimes de Trânsito (Lei n° 9.503, de 23-9-1997); Editora Juarez de Oliveira; São Paulo/SP, 1999.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria