A eleição presidencial acabou, o TSE declarou Dilma Rousseff e ela será empossada. A mídia, no entanto, parece querer um 3º turno. Se houver, este 3º será no Judiciário não contra Dilma e sim contra os jornalistas e seus empregadores abusados.

Em recente comentário no rádio, o jornalista Alexandre Garcia (Rede Globo), afirmou que 53 milhões de brasileiros que votaram em Dilma são cúmplices de corrupção. A lógica do jornalista me pareceu interessante. Por isto resolvei utilizá-la.

A Globo já sonegou impostos. Isto fez dos anunciantes, empregados e telespectadores da Rede Globo coautores do crime de sonegação fiscal? Pela lógica de Alexandre Garcia, SIM. 

Várias celebridades da Globo são viciadas em cocaína. Isto faz dos telespectadores da Globo usuários de cocaína ou incentivadores do tráfico da droga que movimenta a cena global?

As organizações Globo apoiaram ativamente o golpe de 1964 e se beneficiaram da generosidade dos militares enquanto os mesmos estiveram no poder. Os militares mataram e torturaram dissidentes do regime, crimes que devem ser punidos segundo decisão da OEA. Os donos da Rede Globo serão responsabilizados pelos crimes que ajudaram os militares a cometer?

Há algumas décadas a Globo vendeu Fernando Collor aos brasileiros. O caçador de marajás foi transformado em herói nacional e, depois, em presidente. Collor naufragou na corrupção e foi Impedido de seguir na presidência, mas a Globo continuou a transmitir seus programinhas e noticiários normalmente como se não fosse cúmplice da corrupção.

Várias empresas investigadas na “Operação Lava a Jato” são anunciantes da Rede Globo. O clã Marinho teve e tem lucro para divulgar uma bela e imaculada imagem pública dos empresários corruptores e criminosos que foram presos. Pela lógica do Alexandre Garcia, a Rede Globo deveria ser investigada por lucrar para acobertar a corrupção empresarial?

A Justiça Eleitoral é guardiã do registro do PT e homologou a candidatura de Dilma Rousseff. Se levarmos a sério o padrão Alexandre Garcia de raciocínio lógico, quem permitiu que a candidata disputasse a eleição e recebesse os votos é, sem dúvida, cúmplice de corrupção. Por que Alexandre Garcia, rejeitando sua própria lógica, atacou 53 milhões de eleitores ao invez de responsabilizar pessoalmente os Ministros do TSE que possibilitaram que a candidata fosse votada?

Não vou dar mais nenhum exemplo. Não é preciso. No Brasil cada qual é responsável apenas por suas ações e omissões. Ninguém pode ser responsabilizado pelos atos de terceiros. A lógica de Alexandre Garcia é abusiva e, do ponto de vista jurídico, irrelevante. Se fosse voltada contra o empregador dele, a Globo teria que ser fechada, murada e transformada num Presídio Fashion de Segurança Máxima. Não creio que isto é necessário. Mas há algo que pode ser feito.

Ao dizer publicamente que 53 milhões de eleitores de Dilma são corruptos e, portanto, criminosos que merecem ser presos, Alexandre Garcia ofendeu-os profundamente. O jornalista pode e deve ser processado civil e criminalmente por cada um destes eleitores (ou até mesmo pelo MPF, que é o guardião dos direitos coletivos e difusos dos brasileiros). E a empresa que divulgou o comentário dele pode ser considerada co-responsável pelo dano moral causado aos eleitores do PT. 



Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria