A expressão Black Friday (sexta-feira negra) foi usada pela primeira vez em 1869, quando um grupo de investidores nos EUA tentou controlar o mercado do ouro na Bolsa de Valores de Nova York, causando uma queda brutal no preço, uma forte recessão econômica e quebrando instituições financeiras numa sexta-feira.

Também há quem diga que o termo foi criado em 1960, por policiais da Filadélfia, em referência ao trânsito caótico um dia após o feriado de Ação de Graças. Outra teoria diz respeito à saúde financeira das empresas, que aumentavam o seu faturamento neste dia e saiam do vermelho. Em inglês, estar no vermelho (in the red) significa prejuízos e estar no preto (in the black) significa lucros.

Como logo após o feriado do Thanksgiving (Dia de Ação de Graças), as lojas saíam do vermelho pelas fortes vendas, a data passou a ser conhecida como Black Friday. A partir do ano 2000, essa data passou a ser a mais importante do mercado norte-americano em termos de compras, pois foi eleita como a data de início das compras de Natal, onde as lojas oferecem grandes descontos e vendem muito.

No Brasil, apesar de não existir o feriado de Thanksgiving, o mercado se aproveitou da data americana e começou a fazer o Black Friday nesse mesmo dia. Um dos problemas aqui no Brasil é que a data começou a ser conhecida como Black Fraude, pois muitas lojas aumentam os preços e dão descontos fictícios, bem diferente das verdadeiras promoções dos EUA.

Em 2013, uma pesquisa feita pelo Programa de Administração de Varejo, da Fundação Instituto de Administração, mostrou que o número de produtos que ficaram mais caros nesse dia foi muito maior do que os que tiveram algum desconto real.

Outra curiosidade é que a data que deveria ser de somente um dia, acabou virando mais de uma semana e é comum vermos propagandas de lojas anunciando que o Black Friday vai até a próxima semana. Para combater o problema dos falsos descontos pela internet, a Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico criou um selo de credibilidade e recomenda que comprem somente das lojas que possuem esse selo.

Mais uma curiosidade é que um site americano chamado Black Friday Death Count contabiliza os mortos e feridos nas lojas durante esse dia, onde a loucura toma conta do povo americano em busca dos descontos.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria