Com o crescimento da era digital, cada vez mais aumenta a incidência de crimes praticados com uso desses recursos. Esta breve consideração trará as formas de identificação e comunicação.

                                     Muitas pessoas imaginam que os crimes ocorrem apenas em relações pessoais e ao divulgarem em suas páginas pessoais estão livres de uma imputação, porém nesta era “digitalizada” em que vivenciamos, os crimes cujas práticas utilizam-se de instrumentos eletrônicos aumentam cada vez mais. Isso porque os denominados “internautas” confundem o seu direito de liberdade de expressão e acabam ferindo direitos de outras pessoas, sendo que nessa modalidade de crimes, o delito muitas vezes, pode ser ainda pior para a vítima em razão da extensão e velocidade da divulgação. Entre as modalidades de divulgação que poderão ocorrer, podemos listar as seguintes: envio de e-mails ofensivos, envio de mensagens SMS por celular, publicação de vídeos ou ofensas em sites, blogs, redes sociais, como o “Facebook”, mensageiros instantâneos, como o “WhatsApp”, entre outros.

                             Entre os crimes cibernéticos mais comuns estão: a Calúnia, em que consiste em afirmar que a vítima praticou algum fato criminoso, a difamação, em que o autor divulga fatos ofensivos contra a reputação da vítima, a injúria, que ofende a dignidade ou o decorro da vítima, sendo que um exemplo disto pode ser vislumbrado quando o autor filma a vítima sendo agredida e divulga no You Tube. Outro crime, em que a maioria das pessoas não sabem de sua prática delituosa é a falsa identidade, pois tem sido cada vez mais frequente a utilização de “fakes” nas redes sociais, consistindo no ato de atribuir-se falsa identidade no intuito de se obter alguma vantagem ou proporcionar algum dano à outrem.

                                   Com relação ao tema tratado, cabe um alerta ao leitor: se de algum modo praticou ou pratica tais crimes, poderá ser responsabilizado, ou se foi vítima em algum caso, você deve procurar a Delegacia de Polícia mais próxima e solicitar que se visualize o conteúdo das ofensas em um computador e as imprima, para que se realmente o delito for tipificado, seja elaborado o Boletim de Ocorrência que prosseguirá para posteriores investigações. Porém, para que a Polícia tenha condições de prestar um serviço adequado e eficiente ao cidadão, é necessário que a vítima forneça o maior número possível de informações que tenha em relação ao autor, e ainda, para que se evite a retirada das imputações da internet, a vítima ainda pode, antes de comparecer na Delegacia de Polícia, gravar as informações em mídia não regravável e/ou as imprimir, entregando posteriormente o material para a elaboração do Boletim de Ocorrência.

                                 Sendo assim, é importante deixar frisado que, conforme consagra o art. 927 do Código Civil: “Aquele que, por ato ilícito, causar dano a outrem, fica obrigado a repará-lo”, dessa forma, cabe concluir que a prática de crimes pela internet não é sinônimo de impunidade, muito pelo contrário, a Polícia Civil possui instrumentos e profissionais que investigarão o caso, de modo que a autoria possa ser identificada,  comprovada e o indivíduo responsabilizado por seus atos.

                                A matéria foi pesquisada com auxílio do Manual de Polícia de Judiciária da Polícia Civil do Estado de São Paulo


Autor


Informações sobre o texto

Esse texto apresenta uma linguagem acessível para que um leigo em assuntos jurídicos possa lê-lo e compreender, para que se um dia passar por uma situação similar possa proceder da maneira correta.

Este texto foi publicado diretamente pelo autor. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria