O Instituto da Desaposentação teve, nos últimos 3 anos, uma mudança de entendimento, compreendendo ser possível a renúncia a aposentadoria.

1. Introdução

A desaposentação é um instituto defendido pelos juristas que privam pelos direitos de todos os trabalhadores aposentados vinculados ao Regime Geral da Previdência Social, mais conhecido como Instituto de Previdência Social – INSS.

O que se busca é compensar o segurado aposentado que volta a exercer atividade remunerada e contributiva, a aproveitar essa contribuição a mais auferida ao sistema previdenciário, em seu benefício, tornando o mais vantajoso.

A tese da desaposentação vem ganhando força nos anos que se seguem, principalmente pelo entendimento dos doutrinadores e o posicionamento dos Tribunais. A princípio os Magistrados se mostraram resistentes a visão dos juristas quanto ao direito do trabalhador aposentado, tendo em vista que não há uma contrapartida concreta decorrente das contribuições recolhidas posteriores a aposentadoria do segurado.

Desta forma, podemos dizer que a busca pelo exercício do direito e a preservação das garantias constitucionais dos trabalhadores aposentados impulsionaram a onda de processos que apontam para a normatização do direito a obter uma contrapartida do sistema previdenciário decorrente do aproveitamento de todo o tempo contributivo do trabalhador.


2. O que vem a ser a desaposentação?

A expressão não é exatamente o que se imagina. Geralmente causa espanto, pois vulgarmente dá a entender que a pessoa que esta aposentada deixa de ser aposentado. Não é este o conceito.

A desaposentação foi a medida encontrada pelos juristas para compensar dois pontos relevantes de perda do trabalhador aposentado. Primeiro ponto com relação a extinção do pecúlio, que ocorreu com a promulgação das Leis nº 8.870/94 e 9032/95, e em segundo ponto, devido a obrigatoriedade na contribuição previdenciária dos trabalhadores, independente se são ou não aposentados.

Assim surge o questionamento: se já esta aposentado, tendo cumprido o tempo de contribuição para a almejada aposentadoria, porque então continuar a contribuir sem nenhum retorno viável?

Através desse questionamento é que surge a tese da desaposentação, em que o aposentado que continuou laborando e contribuindo para a previdência após a aposentadoria, pudesse beneficiar-se com a somatória do tempo de contribuição anterior e posterior a aposentadoria.

Em meio as situações reais alcançadas, surge uma divisão com a classificação de três tipos de desaposentação: 1) A renúncia em que não se aproveita o tempo de contribuição utilizado na concessão da aposentadoria, assim como seus proventos. 2) A desaposentação pura, em que se aproveita todo o tempo contributivo, antes e depois da aposentadoria. 3) A desaposentação legal, em que o segurado recebe benefício concedido administrativamente,  e concomitante é concedido outro benefício em processo judicial, podendo assim escolher pelo benefício mais vantajoso.

Desta forma o aposentado teria o direito a renunciar o beneficio recebido e simultaneamente solicitar nova aposentadoria com o computo do tempo de contribuição anterior e posterior a primeira aposentadoria, resultando novo cálculo da renda mensal inicial.

Em suma, a desaposentação visa unificar todo o tempo contributivo em uma nova aposentadoria. A renúncia do beneficio concedido para que o tempo de contribuição vinculado a este ato de concessão possa ser liberado, permitindo seu computo em novo beneficio mais vantajoso.


3. O INSS em relação a desaposentação.

O INSS disciplina através da Instrução Normativa nº 45 e a Lei nº 8213/91, que a aposentadoria é irrenunciável, só sendo extinta com a morte do beneficiário, pois entende-se que o direito a aposentadoria é um ato jurídico perfeito e acabado. Somente no caso de erro ou fraude na concessão do beneficio poderia ser desfeito via administrativo ou judicial.

O INSS reconhece via administrativa apenas três possibilidades de modificação de benefício concedido. O primeiro é o caso de desistência da aposentadoria por ato volitivo do segurado, desde que antes da data início do pagamento, onde o segurado declara que não quer receber o benefício e desta forma não saque os valores liberados. A segunda hipótese é o caso de transformação de um beneficio em outro beneficio, por exemplo os casos de segurados que recebem auxílio-doença e este é convertido em aposentadoria por invalidez. E a terceira hipótese é o caso de renúncia de um dos benefícios, no caso de pensão por morte, em que a segurada pensionista, ao obter o direito de outra pensão por morte, opta pelo benefício mais vantajoso. Salvo estes exemplos o INSS não reconhece via administrativa a possibilidade da desaposentação.


4. O entendimento do Poder Judiciário.

O tema vem ganhando força no decorrer dos anos, haja vista que os Tribunais já apontam para o reconhecimento do direito a desaposentação.

Nos últimos anos os Tribunais têm decidido pelo direito a renuncia, com a possibilidade de utilizar o tempo de contribuição para nova aposentadoria sem que o segurado seja obrigado a devolver os valores anteriormente recebidos.

A questão da devolução dos valores recebidos na primeira aposentadoria foi margem para uma importante decisão no Tribunal Superior de Justiça em que reconhece o direito do aposentado a obter nova aposentadoria com o computo do tempo de contribuição posterior a primeira aposentadoria sem a necessidade de devolver o que já recebeu, tendo em vista o caráter alimentar, ato jurídico perfeito e o direito adquirido.

Neste sentido, é o entendimento da 1ª e 2ª Turma do Superior Tribunal de Justiça, no REsp 1.350.975/SC e 1.347.051/RS: “previdenciário. recurso especial.  Possibilidade de renúncia da aposentadoria a fim de se aproveitar o tempo de contribuição no cálculo de nova aposentadoria em regime previdenciário diverso. Desnecessidade de restituição aos cofres públicos do numerário despendido pela administração com o pagamento do benefício objeto da renúncia. Agravo do INSS desprovido. Recurso especial da segurada provido”. 

O posicionamento do Superior Tribunal de Justiça tem se firmado no sentido de que é possível a renúncia à aposentadoria, para que outra, com renda mensal maior, seja concedida, levando-se em conta a contagem de período de labor exercido após a outorga da inativação, tendo em vista que a natureza patrimonial do benefício previdenciário não obsta a renúncia a este, porquanto disponível o direito do segurado, não importando em devolução dos valores percebidos. (AgRg no REsp 1304593/PR, Rel. Ministro HUMBERTO MARTINS, SEGUNDA TURMA, DJe 11/05/2012).

O posicionamento da Corte fortaleceu a tese da desaposentação influenciando outros Tribunais. O Tribunal de Contas da União - extremamente rígido no controle dos atos administrativos - sustenta “o direito de um segurado renunciar a uma aposentadoria para, depois, novamente se aposentar, ou seja, a pessoa se desaposentar”[1].

O que se espera é que o Supremo Tribunal Federal siga a mesma linha de entendimento sobre o assunto, mantendo as decisões pela possibilidade da desaposentação.


5. A questão do equilíbrio financeiro e atuarial.

Fazendo uma pequena análise na vida contributiva de um segurado, vejamos a questão no ponto de vista matemático.

O trabalhador exerce atividade remunerada e desta forma contribui para o sistema durante 35 anos, conforme determina a lei vigente. Após completar o tempo de contribuição necessário é concedido o beneficio de aposentadoria por tempo de contribuição calculado em conformidade as regras vigentes.

Este segurado, mesmo estando aposentado, decide não gozar na plenitude sua aposentadoria e retorna ao mercado de trabalho, passando a exercer novamente atividade renumerada e consequentemente, volta a contribuir para o sistema previdenciário.

Nesse ponto temos a seguinte indagação?

Se este segurado contribuiu durante 35 anos na expectativa de obter na melhor idade a almejada aposentadoria, e se as contribuições anteriormente auferidas cumpriram sua finalidade, as novas contribuições não foram previstas, sendo assim porque não podem ser utilizadas em favor do próprio contribuinte? 

Antes da extinção do pecúlio, havia a possibilidade de ser resgatar as contribuições pagas ao sistema, mas atualmente, o segurado aposentado não detém nenhuma segurança concreta ou retorno viável decorrente das contribuições recolhidas posteriores a aposentadoria, o que gera um sentimento de lesão ao direito do trabalhador aposentado contribuinte.


6. Considerações finais

O presente estudo versou sobre o Instituto da desaposentação, com abordagem do conceito e origem atribuída a essa tese jurídica.

Em suma podemos conceituar a desaposentação como o ato de renúncia/ substituição do beneficio de aposentadoria concedido, visando a possibilidade de se aproveitar o tempo de serviço/contribuição computado na primeira aposentadoria com a inclusão da soma do novo tempo de contribuição posterior a aposentadoria.

Busca-se somatória de todo o tempo de contribuição do segurado em novo cálculo da renda mensal inicial, desta forma gerando uma nova aposentadoria mais vantajosa.

O INSS administrativamente não reconhece essa possibilidade, e mantem-se resistente ao Instituto da desaposentação por entender que o direito a aposentadoria é irrenunciável, salvo nas hipóteses estabelecidas pela lei de benefícios.

Assim, diante da negativa de um direito pleiteado é que se socorre ao poder judiciário para contemplar o direito do trabalhador aposentado, lesado em seu amparo e proteção constitucional. 


7. Referências

ALENCAR, Hermes Arrais. Desaposentação e o Instituto da Transformação de Benefícios Previdenciários do Regime Geral de Previdência Social. São Paulo: Conceito, 2011.

BRASIL, Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília. Senado. 1988.

BRASIL. Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991 – dispõe sobre os planos de benefícios da previdência social e dá outras providencias. Disponível em acesso em 19/12/2014.

IBRAHIM, Fábio Zambitte. Curso de direito previdenciário. 16. ed. Rio de Janeiro: Impetus, 2011.

MARTINEZ, Wladmir Novaes. Curso de direito previdenciário. Tomo II: previdência social. 2 ed. São Paulo: LTr, 2003.

_______. Desaposentação. 3. ed. São Paulo: LTr, 2010)


Nota

[1] MARTINEZ, Wladmir Novaes. Curso de direito previdenciário.


Autor


Informações sobre o texto

Este texto foi publicado diretamente pela autora. Sua divulgação não depende de prévia aprovação pelo conselho editorial do site. Quando selecionados, os textos são divulgados na Revista Jus Navigandi.

Comentários

0

Livraria